Spigreen
Notícias recentes
Bolsonaro discute revisão de contratos e exonerações com ministros

Bolsonaro discute revisão de contratos e exonerações com ministros

access_time08/01/2019 08:11

O presidente Jair Bolsonaro comandará nesta terça-feira (8) no Palácio do Planalto a segunda reunião

Deputados aprovam, em 1ª votação, projeto que obriga uso de máscara para moradores em MT

Deputados aprovam, em 1ª votação, projeto que obriga uso de máscara para moradores em MT

access_time21/04/2020 10:59

Os deputados estaduais de Mato Grosso aprovaram em primeira votação, no final da tarde desta segunda

Na ONU, Maduro diz que está disposto a se encontrar com Trump

Na ONU, Maduro diz que está disposto a se encontrar com Trump

access_time27/09/2018 07:32

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quarta-feira (26) em discurso na Assembleia

Justiça autoriza exame de insanidade mental de sobrinho que matou tia e arrancou o coração dela
Lumar Costa da Silva, de 28 anos, confessou o crime à Polícia Civil — Foto: Portal Sorriso

Justiça autoriza exame de insanidade mental de sobrinho que matou tia e arrancou o coração dela

Tia foi morta a facadas pelo sobrinho no dia 2 de julho, em Sorriso. Sobrinho arrancou o órgão e o entregou para a filha da vítima

access_time10/09/2019 10:29

A Justiça autorizou que Lumar Costa da Silva, de 28 anos, acusado de matar a tia, Maria Zélia da Silva, de 55 anos, no dia 2 de julho, em Sorriso, a 420 quilômetros de Cuiabá, seja submetido a exame de insanidade mental.

O réu é acusado de assassinar a tia, tirar o coração da mulher e entregar o órgão para a filha da vítima. Ele confessou o crime.

A decisão é do juiz Anderson Candiotto, da Primeira Vara Criminal.

De acordo com o magistrado, a decisão atende a um pedido da defesa de Lumar, que quer atestar que o acusado tem insanidade mental, contrariando o que acredita o Ministério Público Estadual (MPE).

O exame deverá responder três questionamentos:

Se Lumar, quando cometeu o crime, era incapaz de entender o que acontecia por causa de alguma doença mental ou desenvolvimento mental incompleto
Se o acusado, ao cometer o crime, estrava privado da capacidade de entender o que acontecia
Ele necessita o indiciado de tratamento especializado?
O exame será feito em Cuiabá. O sistema prisional deverá encaminhar Lumar até a capital.

O caso
Maria Zélia da Silva, de 55 anos, foi morta a facadas no dia 2 de julho dentro da própria casa, no bairro Vila Bela, pelo sobrinho Lumar Costa da Silva, de 28 anos. Ele ainda levou o coração da vítima e o entregou para uma filha de Maria Zélia.

Ele confessou o crime e disse não estar arrependido. No dia 10 de julho ele prestou depoimento na Polícia Civil e, ao sair, afirmou à imprensa que ouviu 'vozes' do universo que o orientaram a cometer o crime.

Em 17 de julho ele foi tranferido do Centro de Ressocialização de Sorriso para a Penitenciária Osvaldo Florentino Leite Ferreira (conhecida como Ferrugem), em Sinop, a 503 km da capital. Ele ainda tentou enforcar um preso durante a transferência.

Ao ser preso, Lumar disse que não estava arrependido de ter cometido o crime e que ouviu vozes do universo. “Eu matei e não me arrependo. Eu ouço o universo, o universo fala comigo sempre e me disse: mata ela logo, ela tem que morrer”, declarou.

Lumar também afirmou que é usuário de drogas e que, na noite do crime, usou LSD.

O sobrinho tinha se mudado para Mato Grosso há quatro dias depois de tentar matar a mãe dele em Campinas, São Paulo. O delegado André Ribeiro classificou rapaz como 'repugnante, monstro e perturbado'.

Lumar é técnico em redes de sistema e morava em São Paulo (SP).

De acordo com a Polícia Civil, Lumar chegou a Mato Grosso no fim de junho para morar com a tia. No mesmo dia em que chegou, o rapaz entregou currículos na cidade. A família diz que ele é considerado uma pessoa inteligente e fala duas línguas.

Maria Zélia abrigou o rapaz, mas o suspeito também começou a causar problemas para a família em Mato Grosso. A tia sabia do desentendimento com a mãe dele em São Paulo. O comportamento dele teria mudado, conforme familiares, depois da briga com a mãe.

Outro fator que influenciou a decisão de Maria Zélia foi a de que o sobrinho é usuário de drogas e começou a usar entorpecente na casa dela. Religiosa, a vítima se sentia incomodada com as atitudes do sobrinho.

“Ele tirou a vida da tia, abriu o corpo e retirou o coração. Colocou o coração em uma sacola plástica de mercado e levou para a casa da filha da vítima, deixando em cima da mesa”, detalhou o delegado.

Na sequência, Lumar, obrigou a prima a entregar as chaves do carro dela. Ele saiu pela cidade e bateu em um transformador de energia, além de invadir a empresa de energia elétrica da cidade.

Ele começou a andar a pé pela cidade, até a ser abordado pela Polícia Militar, na Rua das Videiras, e demonstrava estar bastante transtornado.

Para o delegado, o sobrinho é uma pessoa fria, age como se nada tivesse acontecido e não demonstra arrependimento. O delegado pretende pedir exame psiquiátrico do suspeito.

Segundo o perito Nilson Carlos Dalberto, o suspeito usou duas facas para matar a vítima. A mulher tinha três ferimentos, no pescoço e no tórax. A perícia acredita que ela ainda estava respirando quando o sobrinho abria o tórax dela.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários