anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Mauro Cid presta depoimento à PF sobre relação de Bolsonaro e Delgatti

Mauro Cid presta depoimento à PF sobre relação de Bolsonaro e Delgatti

access_time28/08/2023 10:51

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), chegou à Polícia Federal

Acusado de agressão sexual, Daniel Alves é transferido para outra prisão

Acusado de agressão sexual, Daniel Alves é transferido para outra prisão

access_time23/01/2023 11:29

O lateral Daniel Alves foi transferido para uma outra unidade prisional na Espanha. O jogador está d

Adolescente é apreendido pela PM com 204 comprimidos de ecstasy em Colíder

Adolescente é apreendido pela PM com 204 comprimidos de ecstasy em Colíder

access_time19/02/2024 06:21

Policiais militares de Colíder apreenderam um adolescente de 17 anos por tráfico ilícito de drogas,

Justiça dá 2ª sentença contra invasões do MST
Invasão de terras na Bahia - 27/02/2023 | Foto: Reprodução/MST

Justiça dá 2ª sentença contra invasões do MST

Grupo invadiu fazendas da Suzano na Bahia

access_time03/03/2023 15:30

A Justiça concedeu segunda decisão contra as invasões feitas pelo MST na Bahia. Nesta sexta-feira, 3, a juíza Livia de Oliveira Figueiredo determinou que os militantes do grupo deixem a fazenda da Suzano em Teixeira de Freitas.

Pela determinação da Justiça, o uso da força está autorizado, caso o MST não saia das terras da Suzano. Ao todo, quase 2 mil militantes invadiram três fazendas produtivas da empresa brasileira na Bahia. Os atos tiveram início na segunda-feira 27. As outras propriedades baianas invadidas da companhia ficam em Caravelas e Mucuri.

Primeira decisão da Justiça contra o MST
A primeira decisão judicial favorável à Suzano foi proferida na quarta-feira 1º, quando o juiz Renan Souza Moreira determinou que os invasores deixassem a fazenda da companhia em Mucuri. Na sentença, o magistrado também autorizou o uso da força, caso os militantes não saiam da propriedade.

Empresa ESG
Inicialmente, o MST relacionava as invasões das terras da Suzano com supostos problemas ambientais. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Eliane Oliveira, coordenadora nacional do movimento, disse que as terras da Suzano são “latifúndios de monocultura de eucalipto” e “o território baiano sofre com a destruição sistemática dos recursos naturais, como envenenamento do solo e dos rios”.

A companhia brasileira, entretanto, tem reconhecimento internacional por cumprir rigorosas regras de preservação do meio ambiente. No ano passado, por exemplo, a Suzano recebeu uma premiação em Pequim, na China, por ser empresa modelo ESG — sigla de Environmental, Social and Governance. Ou seja: significa a aplicação de uma série de medidas respeitando requisitos ambientais, sociais e de governança.

Em nota dirigida à imprensa, a companhia ressaltou que cumpre integralmente as legislações ambientais e trabalhistas aplicáveis às áreas em que mantém atividades. De acordo com o documento, as premissas da Suzano são o desenvolvimento sustentável e “a geração de valor e renda, reforçando assim seu compromisso com as comunidades locais e com o meio ambiente”.

O MST reclama ainda de um acordo de 2011 para o assentamento de famílias em áreas da companhia, que não teria sido cumprido. A Suzano alega que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária não realizou a demarcações no local e que não descumpriu nenhum acordo.





Por: Artur Piva da Revista Oeste

Outras notícias

Comentários