Spigreen
Notícias recentes
Prefeito é suspeito de fazer licitação 10 dias depois de inauguração de obra para simular legalidade

Prefeito é suspeito de fazer licitação 10 dias depois de inauguração de obra para simular legalidade

access_time23/05/2018 09:19

O prefeito de Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, Asiel Bezerra de Araújo (MDB), foi denunciado à Jus

Lei que dá prioridade a órfãos em programas habitacionais é sancionada em MT

Lei que dá prioridade a órfãos em programas habitacionais é sancionada em MT

access_time08/11/2019 10:55

Uma lei que dá prioridade aos órfãos em programas habitacionais foi sancionada pelo Governo de Mato

Operação combate exploração sexual de crianças na internet

Operação combate exploração sexual de crianças na internet

access_time28/03/2019 11:10

Polícias civis de 26 estados e do Distrito Federal deflagraram hoje (28) a Operação Luz na Infância

Justiça diz que sequela permanente deve ser indenizada por toda a vida
TST define sobre indenizações por acidente de trabalho

Justiça diz que sequela permanente deve ser indenizada por toda a vida

Para ministros, lei não fixa nenhuma limitação em relação ao período em que o auxílio deve perdurar quando for verificado que o dano foi permanente

access_time09/01/2019 06:37

A Segunda Turma do TST (Tribunal Superior do Trabalho) condenou, por unanimidade, o Banco do Brasil S.A. a pagar indenização mensal vitalícia a uma bancária, vítima de doença ocupacional causada por efetivos.

Inicialmente, o banco tinha sido condenado a ressarcir a funcionária até que ela completasse 65 anos.

A decisão do TST, no entanto, entendeu que não é cabível limitação temporal em caso de recebimento do auxílio em relação a indenização por danos materiais decorrentes de acidente de trabalho.

Juízes questionam novas regras sobre danos morais da CLT

Ao R7, o Banco do Brasil informou que vai recorrer junto ao TST, porque entende que há argumentos para reverter a decisão.

Perda parcial
A bancária trabalhou para o banco de 1985 a 2008 como escriturária, caixa bancário e assistente administrativo. A doença, caracterizada como acidente de trabalho, se manifestou por um desenvolvimento de tendinopatia do punho e do ombro direito.

O TRT (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região) manteve a sentença em que o banco havia sido condenado ao pagamento de pensão até março de 2021, quando ela completasse 65 anos, sob o fundamento de que este era o tempo limite da aposentadoria. Para o cálculo do valor, foi fixado o percentual de 30% do salário recebido em atividade, tendo em vista que a perda da capacidade de trabalho foi parcial.

Porém, a defesa da bancária alegou que, de acordo com o Código Civil, a única circunstância que faz para o pagamento da indenização por dano material ou da pensão decorrente da perda ou da redução da capacidade funcional é a demonstração, por parte do devedor, de que o ofendido recuperou ou readquiriu as condições clínicas ocupacionais para voltar ao trabalho que antes desempenhava. “A indenização é devida enquanto perdurar a situação incapacitante”, sustentou, ressaltando que o TRT havia registrado que, embora parcial, sua incapacidade para o exercício de suas funções habituais era definitiva.

Sequela permanente
O relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, entendeu que a lei não fixa nenhuma limitação em relação ao período em que o auxílio deve perdurar quando for verificado que a sequela ocorreu de forma permanente.





Por: Por R7

Outras notícias

Comentários