anuncie aqui
Notícias recentes
Ministros apontam dificuldade em localizar crianças em abrigos nos EUA

Ministros apontam dificuldade em localizar crianças em abrigos nos EUA

access_time07/07/2018 11:20

Após dois dias de visitas a abrigos nos Estados Unidos e conversas com cônsules, os ministros Aloysi

Em 100 dias, Bolsonaro cumpre mais promessas que Dilma e Temer no mesmo período

Em 100 dias, Bolsonaro cumpre mais promessas que Dilma e Temer no mesmo período

access_time10/04/2019 09:34

Em 100 dias, o governo de Jair Bolsonaro cumpriu 1/5 das promessas feitas durante a campanha eleitor

Em parecer, AGU diz ser contra fechamento de fronteira com Venezuela

Em parecer, AGU diz ser contra fechamento de fronteira com Venezuela

access_time21/08/2018 07:52

A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou há pouco ao Supremo Tribunal Federal (STF) manifestação cont

Justiça emite ordem de despejo de 96 famílias que disputam área da União com fazendeiro
Famílias moram em área da União destinada à reforma agrária (Foto: CPT/Divulgação)

Justiça emite ordem de despejo de 96 famílias que disputam área da União com fazendeiro

Segundo a CPT, as famílias disputam a área há cerca de 15 anos. Em abril deste ano, a Justiça de MT havia acordado com a União a distribuição de lotes da área para as famílias

access_time20/06/2018 09:04

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região emitiu ordem de despejo para 96 famílias que disputam uma área da União com um fazendeiro em Novo Mundo, a 791 km de Cuiabá. As informações são da Comissão Pastoral da Terra (CPT) que emitiu uma nota de repúdio contra a decisão judicial.

De acordo com a instituição, a área é objeto de disputa há cerca de 15 anos. À época, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com uma ação contra um fazendeiro, a mulher dele e uma empresa agropecuária para a retomada da área.

Em março de 2017, a Justiça reconheceu a propriedade da área como sendo da União e antecipou a Tutela de 2 mil hectares para a criação de um Projeto de Desenvolvimento Sustentável para as 96 famílias.

No processo, a AGU apontou documentos que comprovam que os réus não fazem jus à regularização fundiária.

Segundo a CPT, os fazendeiros não atendem aos requisitos exigidos pelo ordenamento jurídico, uma vez que eles "possuem diversos imóveis rurais, não residirem no imóvel e a fazenda possuir um elevado passivo ambiental”.

Já em abril deste ano, a Justiça de Mato Grosso em acordo com a União demarcou a área e sorteou os lotes para as famílias que usam a terra para sobreviver. Apesar disso, a Justiça aceitou um recurso do fazendeiro e ordenou a retirada das famílias.

“Não queremos acreditar que, após estarem vivendo a felicidade da terra conquistada, essas famílias retornarão para barracos na beira das estradas. Não queremos acreditar que o judiciário, responsável por fazer valer o direito e a justiça aos cidadãos e cidadãs, seja o defensor de alguns fazendeiros grileiros de terras da União que, de acordo a nossa Constituição, devem ser destinadas à Reforma Agrária”, diz trecho da nota da CPT.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários