Spigreen
Notícias recentes
Sem um '9', Grêmio tenta garantir 2ª melhor campanha da Libertadores

Sem um '9', Grêmio tenta garantir 2ª melhor campanha da Libertadores

access_time23/05/2018 07:10

Três meses depois, o Grêmio irá viver um cenário semelhante ao primeiro jogo da Libertadores, contra

China registra mais de 1.000 mortes pelo novo coronavírus

China registra mais de 1.000 mortes pelo novo coronavírus

access_time11/02/2020 09:43

A Comissão Nacional de Saúde da China informou que mais 108 pessoas morreram pelo novo coronavírus n

Sexta-feira (06): Mato Grosso registra 146.312 casos e 3.903 óbitos por Covid-19

Sexta-feira (06): Mato Grosso registra 146.312 casos e 3.903 óbitos por Covid-19

access_time06/11/2020 18:14

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, até a tarde desta sexta-feira (06.11), 146.312 c

Lewandowski nega pedido de afastamento de Renan da relatoria da CPI da Covid-19

Lewandowski nega pedido de afastamento de Renan da relatoria da CPI da Covid-19

access_time30/04/2021 09:30

É vedado ao Poder Judiciário, substituindo-se ao próprio Legislativo, dizer qual o verdadeiro significado da previsão regimental, por tratar-se de assunto interna corporis, sob pena de ostensivo desrespeito à separação de poderes.

Esse foi um dos fundamentos citados pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, para negar pedido liminar dos senadores Jorginho dos Santos Mello (PL-SC), Luis Eduardo Grangeiro Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério da Silva Brito (DEM-RO) contra ato do presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM) que nomeou Renan Calheiros (MDB-AL) relator da comissão.

No pedido, os parlamentares alegam que Renan estaria impedido de ocupar o cargo por seu filho ser o atual governador de Alagoas. Ao analisar a peça, Lewandowski, inicialmente apontou que o pedido de deferimento de liminar em mandado de segurança somente se justifica quando existe fundamento relevante e possibilidade de ineficácia da ordem de segurança posteriormente concedida.

"Na espécie, não vislumbro a existência de fundamento relevante, ao menos neste juízo preliminar, suficiente para determinar a suspensão cautelar do ato combatido", pontuou.

O ministro também lembra que a "remansosa orientação jurisprudencial desta Suprema Corte é firme no sentido de que as matérias relativas à interpretação de normas regimentais do Congresso Nacional revestem-se de natureza interna corporis, que refogem à revisão judicial".

Relatoria temida
A indicação de Renan Calheiros para a relatoria da CPI da Covid movimentou o bloco dos parlamentares alinhados ao governo de Jair Bolsonaro. Inicialmente a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) ingressou com pedido para que o senador alagoano fosse impedido de ser indicado como relator da comissão.

O  juiz Charles Renaud Frazão de Morais, da 2ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal, tinha acatado pedido da deputada Carla Zambelli (PSL-SP) para determinar que Renan fosse impedido de assumir a função.

Um dia depois, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) cassou a liminar. O desembargador Francisco de Assis Betti reconheceu risco de "grave lesão à ordem pública" na manutenção da decisão do juiz, por violação do princípio da separação funcional dos poderes, prevista no artigo 2º da Constituição, ao interferir "na autonomia e no exercício das funções inerentes ao Poder Legislativo".

Ele destacou que, segundo o Regimento Interno do Senado, cabe ao presidente de uma CPI designar os relatores, sendo, portanto, ato interna corporis, que não se submete à ingerência do Judiciário.

Clique aqui para ler a decisão
MS 37.870





Por: Rafa Santos do Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários