Spigreen
Notícias recentes
Secretaria Municipal de Saúde de Peixoto de Azevedo foi representada em capacitação de Auriculoterapia em Cuiabá

Secretaria Municipal de Saúde de Peixoto de Azevedo foi representada em capacitação de Auriculoterapia em Cuiabá

access_time13/06/2019 10:23

A Enfermaria Aline Deise Corrêa Danielli Silva esteve participando de uma formação em Auriculoterapi

Empresas suspeitas de extração ilegal de madeira são alvos de operação da PF e Ibama

Empresas suspeitas de extração ilegal de madeira são alvos de operação da PF e Ibama

access_time14/11/2018 10:30

Uma organização criminosa suspeita de extração ilegal de madeira é alvo de uma operação nesta quarta

Ex-governador de MT, sete deputados e mais 50 são denunciados por esquema de fraude no Detran

Ex-governador de MT, sete deputados e mais 50 são denunciados por esquema de fraude no Detran

access_time17/05/2018 08:53

O ex-governador de Mato Grosso Silval Barbosa (MDB), sete deputados estaduais e mais 50 pessoas fora

Licença-maternidade só começa a contar após alta hospitalar, decide Fachin

Licença-maternidade só começa a contar após alta hospitalar, decide Fachin

access_time12/03/2020 20:16

Em termos legislativos, o direito à licença-maternidade evoluiu de um direito de proteção ao ingresso das mulheres no mercado de trabalho para a garantia materno-infantil de proteção às crianças e ao direito à convivência delas com suas mães e pais.

Foi com base nesse entendimento que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, decidiu liminarmente que a licença-maternidade só deve começar a contar após a alta hospitalar da mãe ou do recém-nascido (a que ocorrer por último). A determinação é desta quinta-feira (12/3).

A medida responde a uma ação direta de inconstitucionalidade movida pelo partido Solidariedade na última sexta-feira (6/3), conforme informado em primeira mão no último domingo (8/3).

Na ADI, o partido requereu a interpretação conforme a Constituição dos artigos 392, parágrafo 1º, da CLT, e do artigo 71 da Lei 8.213/91, com redação dada pela Lei 10.710/03. Os dispositivos impugnados determinam que o início da licença maternidade ocorra entre o 28º dia anterior ao parto e o nascimento. 

Ao julgar liminarmente a questão, Fachin destacou que não existe previsão legal para casos em que a mãe e a criança necessitam de uma internação mais longa, o que acabou servindo nos últimos anos para fundamentar decisões judiciais que negaram o direito à extensão da licença-maternidade. 

Segundo o ministro, no entanto, "a ausência de lei não significa, afinal, ausência da norma". "Subsiste, por ora, omissão legislativa quanto à proteção das mães e crianças internadas após o parto, a qual não encontra critério discriminatório racional e constitucional. Essa omissão pode ser conformada judicialmente", diz. 

Ainda de acordo com o ministro, "a licença maternidade, direito de natureza trabalhista, está necessariamente ligada ao salário-maternidade, benefício previdenciário, de modo que há duas relações jurídicas conexas, o que, portanto, impõe que o complexo normativo seja impugnado integralmente". 

Objetivo primordial
A peça ajuizada pelo Solidariedade afirma que "não são necessários muitos esforços para se chegar à conclusão de que o objetivo primordial do constituinte originário, ao reportar-se por diversas vezes à indispensabilidade da proteção à maternidade e à infância, era garantir que essas etapas fosse plenamente vividas pela mãe e pelo novo integrante da família". 

Ainda segundo a ADI, "ocorre que após o parto — sobretudo no Brasil, que registra o nascimento de 279.300 bebês prematuros por ano e altos índices de complicações maternas e pós parto —, não são raros os casos que ensejam internação médico-hospitalar subsequente da mãe e/ou da criança, que, em hipóteses extremas, pode perdurar meses". 

A ADI foi ajuizada pelos advogados Rodrigo de Bittencourt Mudrovitsch, Guilherme Pupe da Nóbrega, Rita de Cássia Ancelmo Bueno e Victor Santos Rufino.

Rufino comemorou a determinação de Fachin. "A decisão do STF é uma adequação da interpretação das leis trabalhistas aos imperativos constitucionais da proteção à maternidade, à infância, e ao convívio familiar. Ela reforça a relevância do STF na defesa dos direitos fundamentais de todos os brasileiros", afirmou à reportagem.

Clique aqui para ler a decisão
ADI 6.327





Por: Tiago Angelo / Revista Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários