anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Ladrão é preso em flagrante em Matupá e tenta agredir policiais

Ladrão é preso em flagrante em Matupá e tenta agredir policiais

access_time25/04/2023 07:40

O acusado, de 25 anos, foi preso pela Polícia Militar, hoje de madrugada, ao ser denunciado por tent

Morre ex-deputado Pedro Satélite aos 68 anos, vítima de câncer no pâncreas

Morre ex-deputado Pedro Satélite aos 68 anos, vítima de câncer no pâncreas

access_time05/01/2024 12:10

O ex-deputado estadual Pedro Satélite (PSD), 68 anos, morreu na madrugada de sexta-feira (5), em dec

Governo aumenta limite de isenção do IR em 2 salários mínimos

Governo aumenta limite de isenção do IR em 2 salários mínimos

access_time07/02/2024 06:59

O governo federal anunciou, na noite desta terça-feira (6), o aumento na faixa de isenção do Imposto

Maior tragédia-crime ambiental do Brasil, caso Brumadinho ainda não tem punições
Tragédia-crime de Brumadinho ocorreu em 2019

Maior tragédia-crime ambiental do Brasil, caso Brumadinho ainda não tem punições

Após quatro anos, Justiça Federal aceitou denúncias contra empresas e 16 executivos nesta terça; eles vão responder por homicídio qualificado, crimes contra fauna e flora, além de poluição

access_time25/01/2023 09:11

Após quatro anos da maior tragédia-crime ambiental do Brasil, o caso Brumadinho ainda não tem nenhuma punição judicial. Entretanto, nesta terça-feira, 24, a Justiça Federal aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra 16 executivos, da Vale e da Tüv Süd, tornando-os réus perante a Justiça. A denúncia foi feita sob forte pressão da ministra Rosa Weber, presidente do Supremo Tribunal Federal, que tinha medo de que alguns crimes relacionados ao caso prescrevessem pela demora de julgamento. Dentre os réus está Fabio Schvartsman, ex-presidente da Vale. A Tüv Süd é a empresa de consultoria que foi responsável por autenticar a barragem de Brumadinho como segura. Os executivos vão responder pelos crimes de homicídio qualificado multiplicado por 270 (número de mortos na tragédia), crimes contra a fauna e a flora, além de poluição.

O desvio de competência de julgamento foi da esfera estadual para a federal porque, de acordo com alguns advogados de defesa dos executivos, a área atingida pela tragédia-crime pertence à União. Assim, a competência de julgamento caberia à esfera federal. A transferência poderia demorar e, por isso, havia o medo de prescrição de crimes. Mas após a denúncia e aceite da última terça-feira, com tudo entregue dentro do prazo, o julgamento seguirá normalmente. Agora, caberá à Justiça Federal responsabilizar os envolvidos, tanto por parte das pessoas quanto das empresas.





Por: Jovem Pan com informações do repórter David de Tarso

Outras notícias

Comentários