anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Governo autoriza contratação de 257 servidores para o Ibama

Governo autoriza contratação de 257 servidores para o Ibama

access_time15/08/2023 13:12

Foi publicado nesta terça-feira (15) no Diário Oficial da União o decreto que autoriza o Instituto B

Concurso Unificado será aplicado em Cuiabá e mais 7 cidades de MT, com salários de até R$ 20 mil

Concurso Unificado será aplicado em Cuiabá e mais 7 cidades de MT, com salários de até R$ 20 mil

access_time11/01/2024 08:38

O Governo Federal lançou oito editais para o Concurso Publico Nacional Unificado (CPNU), apelidado d

Polícia Militar recupera motocicleta e prende suspeito de cometer furto em Guarantã do Norte

Polícia Militar recupera motocicleta e prende suspeito de cometer furto em Guarantã do Norte

access_time19/01/2023 07:06

Policiais militares da 13ª Companhia Independente prenderam um homem de 31 anos por furto nesta terç

Marinho ataca a reforma trabalhista: ‘Trágica’
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Luiz Marinho, ministro do Trabalho | Foto: Foto: Divulgação

Marinho ataca a reforma trabalhista: ‘Trágica’

Ministro de Lula afirma que as mudanças aprovadas em 2017 serão revistas ainda neste ano

access_time08/06/2023 07:54

Não é surpresa que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva pretende rever a legislação trabalhista. De acordo com o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, isso deve ocorrer ainda neste ano. A intenção é rever a reforma trabalhista que foi aprovada em 2017 durante a gestão de Michel Temer.

O chefe da pasta classificou a reforma trabalhista de “trágica” e destacou que o governo está incentivando empregadores e trabalhadores a dialogar para encontrar novas propostas. “O empresariado adora um ‘liberou geral’. Mas isso leva a uma insegurança jurídica e competição desleal entre eles”, disse o ministro em entrevista ao portal UOL.

“A questão da terceirização foi feita de forma muito abrangente. E levando a um processo trágico para as relações de trabalho, especialmente no campo”, afirmou Marinho. O ministro chegou a comparar a terceirização ao trabalho análogo à escravidão. O modelo “também levou a um processo de subcontratações.”

A terceirização aprovada em 2017 é constantemente atacada pelo governo e seus integrantes. Na segunda-feira 5, em um evento em Belo Horizonte, o ministro disse que um grupo está sendo montado para analisar a legislação da reforma trabalhista e propor mudanças.

“É missão desse grupo reorganizar-se para dar voz aos trabalhadores, em especial nas negociações de contrato coletivo”, disse Marinho, sobre a reforma trabalhista. “Dizer que um trabalhador individualmente vai substituir uma negociação coletiva é conversa para boi dormir, ou seja, nós temos que revisar”, afirmou o ministro.

Na entrevista ao UOL, o ministro ainda criticou as empresas de delivery por aplicativo. Ele classificou a relação de trabalho como “aberração”. “Quando se falava em novas tecnologias, o pensamento era que isso seria acompanhado por uma redução da jornada de trabalho. E vemos que ela está apropriada pelo capital para explorar ainda mais a sociedade. Precisamos então questionar: é para isso que queremos as novas tecnologias?”, atacou.

Ministro em Genebra

No fim de semana, o ministro do Trabalho desembarca em Genebra, na Suíça, para participar da Conferência Internacional do Trabalho.

Além da reforma trabalhista, o governo quer o fim do empréstimo do FGTS

O ministro do Trabalho também insiste no fim da antecipação do saque-aniversário. Essa medida funciona como um empréstimo bancário, com teto de juros de 2,05% ao mês. Em contraste, o cheque especial custava, em média, 7,15% ao mês em março, e o rotativo do cartão de crédito quase 15%.

A possível suspensão do saque-aniversário do FGTS retiraria do mercado uma das opções mais acessíveis de empréstimo. Isso ocorreria em um momento em que mais de 70 milhões de pessoas enfrentam restrições de crédito, conforme dados da Serasa Experian.





Por: Redação Oeste

Outras notícias

Comentários