anuncie aqui
Notícias recentes
Três Marias fica em alerta após rompimento de barragem no Córrego do Feijão, em Brumadinho

Três Marias fica em alerta após rompimento de barragem no Córrego do Feijão, em Brumadinho

access_time26/01/2019 09:42

Os Bombeiros Voluntários de Três Marias confirmaram na tarde desta sexta-feira (25) que os rejeitos

Onyx Lorenzoni é nomeado ministro extraordinário de Bolsonaro

Onyx Lorenzoni é nomeado ministro extraordinário de Bolsonaro

access_time05/11/2018 06:56

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi nomeado, nesta segunda-feira (5), ministro extraordin

Sargento é baleado pela mulher após não deixá-la ver mensagens do celular dele

Sargento é baleado pela mulher após não deixá-la ver mensagens do celular dele

access_time31/07/2018 08:07

Um sargento da Polícia Militar foi baleado na madrugada desta terça-feira (31) pela mulher dele, em

Mercado reduz projeção de alta do PIB e vê inflação maior neste ano
A projeção dos economistas para a inflação em 2018 está próxima do piso da meta deste ano, cujo centro é de 4,5% (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)

Mercado reduz projeção de alta do PIB e vê inflação maior neste ano

Greve dos caminhoneiros teve impacto nas previsões; crescimento da economia caiu de 1,94% para 1,76% e a inflação subiu de 3,82% para 3,88%

access_time18/06/2018 10:36

As projeções de crescimento da economia brasileira para este ano seguem em declínio ao mesmo tempo em que as expectativas são de aumento da inflação, conforme Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 18, pelo Banco Central.

Os economistas do mercado financeiros começaram a rever suas projeções devido ao impacto da greve dos caminhoneiros, que provocou o desabastecimento em todo o país e, consequentemente, teve reflexo direto nos preços de alguns produtos, como combustíveis e alimentos.

As perspectivas para o Produto Interno Bruto (PIB) apontam para aumento de 1,76% neste ano, ante 1,94% previstos na semana passada. Para 2019, a estimativa também foi reduzida de 2,80% para 2,70%.

A previsão de inflação para este ano subiu de 3,82% para 3,88%. Há quatro semanas, o mercado previa um IPCA (índice que mede a variação de preços e a inflação oficial no Brasil) de 3,50%. Para 2019, a estimativa foi ampliada de 4,07% para 4,10%.

A projeção dos economistas para a inflação em 2018 está próxima do piso da meta deste ano, cujo centro é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 3% a 6%). Para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%).

Conforme o BC, os preços administrados foram elevados a 6,16% neste ano. Antes estavam em 6%. Os economistas também ampliaram a previsão para o dólar de 3,50 reais no fim de 2018 para 3,63 reais. E para 2019 subiu para 3,60, ante 3,50 anterior. Vale destacar que na semana passada o Banco Central realizou intervenções extras no mercado e conseguiu segurar a cotação da moeda americana, que vinha em trajetória de alta. As ações da autarquia monetária devem continuar nesta semana.

Para os economistas, a Selic deve ficar em 6,5% neste ano. Para 2019, a expectativa foi mantida em 8%.





Por: Veja.com

Outras notícias

Comentários