Kurupí
Notícias recentes
Morre aos 108 anos Georges Loinger, que salvou centenas de crianças na Segunda Guerra

Morre aos 108 anos Georges Loinger, que salvou centenas de crianças na Segunda Guerra

access_time30/12/2018 14:28

O militante da resistência judia Georges Loinger, que salvou a vida de centenas de crianças durante

Dólar abre em queda após intervenção maior do BC

Dólar abre em queda após intervenção maior do BC

access_time22/05/2018 09:03

O dólar abriu em queda nesta terça-feira (22), após ter interrompido na véspera a sequência de seis

Trabalhador morre após levar choque ao tentar apagar fogo em fazenda causado por queda de poste

Trabalhador morre após levar choque ao tentar apagar fogo em fazenda causado por queda de poste

access_time31/07/2018 08:11

Um trabalhador rural morreu, nesta segunda-feira (30), depois de sofrer uma descarga elétrica ao ten

Merkel repudia violência e palavras de ordem nazista em protestos
Chanceler alemã, Angela Merkel, discursa nesta quarta-feira (12) no Parlamento alemão — Foto: Markus Schreiber/AP Photo

Merkel repudia violência e palavras de ordem nazista em protestos

Cidade de Chemnitz foi palco de manifestações de extrema-direita contra imigrantes após morte de alemães

access_time12/09/2018 07:32

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou nesta quarta-feira (12) no Parlamento alemão que "não há desculpa" para o ódio, a violência contra estrangeiros e o uso de palavras de ordem nazistas, após os protestos ultradireitistas no país, que classificou como "detestáveis".

Em seu discurso no debate dos orçamentos para 2019, a chanceler disse entender a indignação dos cidadãos em relação aos recentes atos de violência, que supostamente foram cometidos por imigrantes, e afirmou que a Justiça cairá sobre os culpados, independentemente de sua nacionalidade.

Merkel estava se referindo à morte de dois alemães em dois casos diferentes nas últimas três semanas, para os quais quatro requerentes de refúgio foram presos. Depois desses casos, manifestantes da extrema-direita saíram às ruas na cidade de Chemnitz para protestar contra imigrantes.

Na maior manifestação realizada na cidade, da qual participaram 6 mil pessoas, neonazistas fizeram uma saudação com o braço estendido e homens mascarados jogaram pedras e garrafas contra um restaurante kosher gritando "judeus fora da Alemanha". Em outro protesto, na véspera, vários estrangeiros foram atacados e feridos nas ruas.

Para Merkel, "não há desculpa ou justificativa" para as manifestações que se seguiram ao incidente em Chemnitz.

Merkel reconheceu que, ao se manifestar, os cidadãos expressaram o quão "confusos" estão e que a obrigação da classe política é "levar a sério" as preocupações da população.

A cidade alemã que se tornou o centro de batalhas entre neonazistas e manifestantes de esquerda

Mas, ao mesmo tempo, ela se referiu ao primeiro artigo da Lei Fundamental alemã onde diz que "a dignidade humana é inviolável" e acrescentou que, respeitá-la e protegê-la é obrigação de todo o poder público, assim como do restante da população.

Contra generalização
A chanceler também alertou contra a generalização de regiões e populações específicas, se referindo aos que consideram o leste da Alemanha, e em particular o estado federado da Saxônia, um bastião da extrema-direita.

Ela observou que "as generalizações estão erradas e totalmente fora de lugar", e lembrou que esse mesmo princípio é aplicável quando se refere aos solicitantes de asilo que residem na Alemanha.

"Não vamos permitir grupos inteiros sejam marginalizados", disse Angela Merkel, ressaltando que judeus, muçulmanos, cristãos e ateus fazem parte da sociedade alemã.

Merkel lembrou que, em um Estado de Direito, as regras existentes "não podem ser substituídas por emoções".





Por: G1

Outras notícias

Comentários