anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Pai assassinado junto à filha saiu da prisão há 90 dias; polícia investiga elo com facção

Pai assassinado junto à filha saiu da prisão há 90 dias; polícia investiga elo com facção

access_time19/07/2023 16:39

Roque Xavier, 38 anos, que foi executado junto da filha Thaís Vitória Pontes Xavier, 15 anos, em Tap

Desemprego sobe a 7,8% no trimestre até fevereiro, aponta IBGE

Desemprego sobe a 7,8% no trimestre até fevereiro, aponta IBGE

access_time28/03/2024 11:31

A taxa de desemprego no Brasil subiu a 7,8% no trimestre encerrado no mês de fevereiro. Os dados são

Pioneiro da

Pioneiro da "corrida do ouro" em MT morre em capotamento na BR-163

access_time21/06/2023 17:33

O empresário Marco Antônio Reis de Souza, de 59 anos, pioneiro na criação de garimpos durante a "cor

Moraes se reúne com big techs e cobra ‘autorregulação’
Moraes também disse que as redes sociais foram “instrumentalizadas” durante a invasão dos Três Poderes em 8 de janeiro. O ministro defendeu a necessidade de regulação das redes sociais | Foto: Divilgação/TSE

Moraes se reúne com big techs e cobra ‘autorregulação’

Presidente do TSE sugeriu que a Justiça pode agir, se as plataformas não tomarem uma atitude contra a 'desinformação'

access_time02/03/2023 06:36

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, reuniu-se com representantes das big techs para tratar da desinformação em massa e falou sobre a necessidade de uma “autorregulação e uma boa regulação”. O encontro ocorreu na quarta-feira 1˚.

“A minha ideia, nesta primeira conversa, é começar a construir dois planos distintos: uma autorregulação e uma boa regulação”, disse. “Eu estou conversando com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e uma regulamentação vai sair. Não adianta uma regulamentação extrema.”

Moraes responsabilizou as plataformas e as redes sociais pela veiculação de “desinformação em massa” e propôs que as plataformas façam uma “autorregulação” para evitar uma regulamentação “oficial”.

O presidente do TSE também disse que as redes sociais foram usadas para o mal durante a invasão das sedes dos Três Poderes, em 8 de janeiro. “Obviamente, a culpa não foi das redes”, disse Moraes. “Senão, as redes estariam na Colmeia e na Papuda também. Mas as redes foram instrumentalizadas.”

O ministro recebeu na sede do TSE os representantes dos aplicativos TikTok, Kwai, Telegram, Google, Facebook, Instagram, WhatsApp, Youtube e Twitter.





Por: Redação Oeste

Outras notícias

Comentários