anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Palmeiras vira ‘favoritaço’ para a conquista do Brasileiro; Corinthians vê risco de rebaixamento aumentar

Palmeiras vira ‘favoritaço’ para a conquista do Brasileiro; Corinthians vê risco de rebaixamento aumentar

access_time27/11/2023 19:01

O Campeonato Brasileiro está em sua reta final e a disputa pelo título está acirrada. Palmeiras, Fla

Vereadores de Peixoto receberam representantes da empresa PA Gold

Vereadores de Peixoto receberam representantes da empresa PA Gold

access_time04/05/2023 18:09

Na tarde desta quinta- feira (04), a presidente da câmara Rosângela de Matos Dias (zinha)-PSD, e os

Aumento de casos de gripe aviária deixa países da América Latina em alerta

Aumento de casos de gripe aviária deixa países da América Latina em alerta

access_time16/02/2023 10:48

A decisão de Argentina e Uruguai de declarar emergência sanitária após a descoberta dos primeiros ca

Municípios criticam governo e afirmam que verba repassada cobre apenas um terço do piso da enfermagem
Novo piso salarial dos enfermeiros em regime de Carteira de Trabalho é de R$ 4.750
Foto por: LUCAS LACAZ RUIZ/ESTADÃO CONTEÚDO - 27/01/2021

Municípios criticam governo e afirmam que verba repassada cobre apenas um terço do piso da enfermagem

Nota assinada pelo presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, diz que os recursos aprovados atendem apenas as despesas de 2023

access_time12/05/2023 16:32

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) emitiu nota à imprensa para criticar a sanção presidencial da Lei nº 14.581, de 11 de maio de 2023, que sancionou o piso nacional da enfermagem e liberou orçamento de R$ 7,3 bilhões para o pagamento dos novos salários, já publicada no Diário Oficial da União. A entidade aponta que o valor sancionado não paga um terço do piso dos profissionais de saúde que atuam nos municípios. A nota assinada pelo presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, diz que os recursos aprovados atendem despesas apenas de 2023. Por isso, não representa uma fonte contínua de recursos para o pagamento do piso. Além disso, a entidade aponta que o mais grave é a garantia de cumprimento apenas para os profissionais da atenção especializada, ficando de fora aqueles que trabalham com atenção básica (como os da Estratégia Saúde da Família).

“É hipocrisia o discurso de mais diálogo quando, como sempre na história do federalismo brasileiro, são criadas novas obrigações aos entes sem ouvi-los e sem garantir os recursos necessários, inviabilizando o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Importante destacar, ainda, que o pagamento do piso continua suspenso pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que apontou para os riscos à solvabilidade das finanças de Estados e municípios, cenário este mantido após a sanção da medida. A CNM vai solicitar novamente que a Corte mantenha a suspensão da efetividade legal do piso até que haja fontes definitivas e sustentáveis de financiamento do piso”, diz o documento.

A matéria foi aprovada em 2022 pelo Congresso Nacional e posteriormente suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Ação Direta de Inconstitucionalidade (7222) movida pela Confederação Nacional de Saúde (CNSaúde) com apoio de outras entidades, como Santas Casas de Saúde e da própria CNM. Ao menos oito entidades compunham o grupo inicial contrário ao cumprimento do piso e outras dezenas ingressaram como amigos da causa, ou amicus curie.

Estimativas da CNM apontam que o impacto do piso nacional da enfermagem apenas no orçamento dos municípios será de R$ 10,5 bilhões neste ano. “No entanto, a Lei 14.581/2023 se limitou a destinar R$ 3,3 bilhões aos entes locais, apesar de ser a esfera municipal que absorve o maior impacto financeiro com a instituição do piso. Destaca-se que os municípios possuem em seu quadro mais de 589 mil postos de trabalho da enfermagem e, com a vigência da medida, correm o risco de reduzir 11.849 equipes de atenção básica, desligar mais de 32,5 mil profissionais da enfermagem e, consequentemente, desassistir quase 35 milhões de brasileiros”, avaliam.

Piso
O novo piso salarial dos enfermeiros em regime de Carteira de Trabalho é de R$ 4.750, enquanto técnicos enfermagem receberão 70% desse valor (R$ 3.325), e auxiliares de enfermagem e parteiras, em 50% (R$ 2.375). A medida impacta 693,4 mil enfermeiros, 450 mil auxiliares de enfermagem e 1,66 milhão de técnicos de enfermagem, de acordo com dados do Conselho Federal de Enfermagem

Para a CNM, o “cenário é alarmante”, pois leva ao “colapso total” da saúde no país. “O Brasil já enfrenta uma situação crítica na prestação de serviços na saúde à população, com desafios no atendimento da atenção primária; taxa de cobertura vacinal muito abaixo da meta estabelecida e o risco de retomada de doenças graves como poliomielite e sarampo; falta de médicos e medicamento; e demandas reprimidas em decorrência da pandemia de Covid-19, que requer mais de R$ 17 bilhões em investimentos apenas para os municípios. Como vamos reverter isso? A fonte de financiamento é apenas uma”, diz a entidade. E alerta que pelo menos 1,8 mil Santas Casas também sofrem impacto com o piso, com prejuízos de R$ 6,3 bilhões, segundo a entidade que os representa. Aproximadamente 70% das ocupações de enfermagem podem sofrer reajustes salariais decorrentes do piso, gerando um impacto anual sobre o setor público e privado, considerando os encargos patronais, de até R$ 24,3 bilhões.Com isso, principalmente, a CNM pede que os municípios aguardem o final do julgamento da causa pelo STF para executar o pagamento do piso salarial da enfermagem. Contudo, a “entidade pede a mobilização dos gestores junto a deputados e senadores para garantir a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 25/2022, que adiciona ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) mais 1,5%, medida permanente e que aporta recursos financeiros que poderão ser aplicados para o cumprimento do piso”.





Por: Jovem Pan / Brasília

Outras notícias

Comentários