anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Condutor quase atropela pedestre, cai de moto e acaba preso por embriaguez em Peixoto

Condutor quase atropela pedestre, cai de moto e acaba preso por embriaguez em Peixoto

access_time06/06/2023 10:49

A Polícia Militar prendeu o motociclista, de 25 anos, ontem à noite, acusado de estar sob efeito de

Zinha indica revitalização de ruas e avenidas com lama asfáltica

Zinha indica revitalização de ruas e avenidas com lama asfáltica

access_time24/10/2023 15:19

A Presidente da Câmara de Vereadores de Peixoto de Azevedo, Rosângela Matos Dias (Zinha) está acompa

Carnaval 2023: Mangueira e Grande Rio são destaques da primeira noite de desfiles do RJ

Carnaval 2023: Mangueira e Grande Rio são destaques da primeira noite de desfiles do RJ

access_time20/02/2023 07:17

Seis escolas de samba desfilaram entre a noite deste domingo, 19, e a madrugada desta segunda-feira,

‘Não fraudei nenhum documento’, diz General Dias
Foto: Rute Moraes/Revista Oeste | Foto: Foto: Rute Moraes/Revista Oeste

‘Não fraudei nenhum documento’, diz General Dias

Ex-ministro do GSI admitiu manipulação em relatório da Abin

access_time22/06/2023 13:22

O General Gonçalves Dias, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), negou, nesta quinta-feira, 22, ter fraudado os documentos do GSI sobre o 8 de janeiro. A declaração aconteceu, nesta quinta-feira, 22, durante a CPI do 8 de janeiro do Distrito Federal (DF).

Conforme revelou o jornal O Globo, a comparação entre dois relatórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) mostrou que o GSI adulterou o primeiro relatório de inteligência enviado a uma comissão do Congresso.

A fraude seria para retirar dos documentos os registros de que o general foi informado por mensagens enviadas para seu celular que alertavam sobre os crescentes riscos de tumulto e de invasões na Praça dos Três Poderes.

“Não fraudei nenhum documento”, disse. “A Abin respondeu à solicitação do Congresso com um compilado de mensagens de aplicativo, em que tinha dia e tempo, na coluna do meio o acontecido e na última coluna a difusão. Esse documento tinha lá ‘ministro do GSI’. Não participei de nenhum grupo de WhatsApp, eu não sou o difusor daquele compilado de mensagens. Então aquele documento não condizia com a realidade. Esse era um documento. Ele foi acertado e enviado.”

Durante a oitiva, G.Dias disse que não foi informado oficialmente pela Abin sobre os riscos de ataques na Praça dos Três Poderes. Segundo ele, apenas conversou por telefone com o Saulo Moura, então-diretor-adjunto da Abin.

“Troquei ideias genéricas com ele sobre a segurança palaciana em 6 de janeiro”, contou G.Dias. “Não falamos de nenhum esquema especial para o dia 8 de janeiro, domingo, porque não havia nenhuma informação que nos indicasse que ocorreria o que ocorreu. Deixei o Palácio do Planalto por volta das 18h.”

Conforme G.Dis, o Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin), administrado pela Abin, tinha como canal oficial utilizado para a transmissão de mensagens o chamado “Correio Sisbin”. Mas esse canal não estava sendo utilizado, pois a comunicação era feita por alertas no Whatsapp, por meio de grupos — que ele diz não ter participado de nenhum.

Ainda conforme G.Dias, ainda que a conversa com Saulo não o tivesse deixado em alerta, ele deixou o Plano Escudo do Planalto acionado. Contudo, o então secretário-executivo do GSI, general Carlos José Russo Assumpção Penteado, não teria montado o planejamento.

Reunião no DF sem a presença de General Dias

Em 6 de janeiro, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal realizou uma reunião para elaborar o Plano de Apoio Integrado (PAI) — que deveria conter possíveis manifestações violentas. O GSI, no entanto, não foi convidado para o encontro, segundo G.Dias. O Ministério da Justiça marcou presença na reunião.

“O PAI determinava que deveria haver bloqueio e revista dos manifestantes na altura do Buraco do Tatu, onde fica a Rodoviária do Plano Piloto, quando o Eixo Monumental deixa de ser uma via eminentemente dos Poderes de Brasília e passa a se tornar a Esplanada dos Ministérios e depois deságua na Praça dos Três Poderes”, explicou o ex-ministro.

O bloqueio do Buraco do Tatu foi feito, mas, a revista prevista para ocorrer lá, não, conforme disse G.Dias. “Os manifestantes romperam o cordão de isolamento da PM e impediram a revista”, contou. “Deveria existir, depois dali um bloqueio total que impedisse o acesso à Alameda das Bandeiras e à Praça dos Três Poderes, e ele aparentemente não existiu, ou foi tênue e inexpressivo.”

Dias relatou que os manifestantes ultrapassaram a área do Estacionamento Oeste do Planalto e encontraram apenas uma parte pequena do Batalhão da Guarda Presidencial. Então, furaram os bloqueios.

“Na avenida em frente do Palácio, a resistência da Polícia Militar foi vencida”, disse. “A partir de então, passaram a agir como se tivessem uma coordenação e atuaram como se fossem cercar o Palácio.” O PAI deveria ter protegido a Praça dos Três Poderes, mas não obteve sucesso.

Em depoimento em abril deste ano na CPI, a subsecretaria de Operações Integradas, coronel Cíntia Queiroz de Castro, disse que o GSI foi convidado para a reunião do PAI, mas não compareceu.

Até o momento, Dias foi o único ministro que foi exonerado pelo 8 de janeiro. Ele saiu da pasta em abril deste ano.





Por: Rute Moraes da Revista Oeste

Outras notícias

Comentários