Spigreen
Notícias recentes
Há um mês da Copa da Rússia, Cuiabá ainda tem 9 obras do Mundial de 2014 inacabadas

Há um mês da Copa da Rússia, Cuiabá ainda tem 9 obras do Mundial de 2014 inacabadas

access_time23/05/2018 06:45

Quase quatro anos se passaram desde a realização da Copa do Mundo no Brasil e, em Cuiabá, nove obras

Greve dos caminhoneiros fará inflação acelerar este mês, diz BC

Greve dos caminhoneiros fará inflação acelerar este mês, diz BC

access_time28/06/2018 10:46

A inflação em junho deve se acelerar sob o efeito da crise de desabastecimento gerada pela greve dos

Título, R$ 62 milhões no caixa e vaga na Libertadores: o

Título, R$ 62 milhões no caixa e vaga na Libertadores: o "strike" do Cruzeiro com o hexa da Copa

access_time18/10/2018 07:45

A conquista da edição 2018 da Copa do Brasil pelo Cruzeiro, a sexta da história do clube (havia ganh

ONU diz que cerca de 7 mil recém-nascidos morrem diariamente no mundo
Arquivo/Agência Brasil

ONU diz que cerca de 7 mil recém-nascidos morrem diariamente no mundo

access_time21/09/2019 06:52

Relatório divulgado por agências das Nações Unidas estima que quase 7 mil bebês morrem todos os dias antes de completar um mês de vida, e pede a nações que adotem medidas para melhorar a situação.

A Organização Mundial da Saúde ()MS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciaram que as taxas de sobrevivência de recém-nascidos vêm melhorando desde 2000, mas cerca de 2,5 milhões de bebês morreram em 2018.

Segundo o relatório, uma em cada 37 mulheres na África Subsaariana morre durante a gestação ou o parto. O documento lembra que mulheres no parto e seus bebês enfrentam risco maior em países em que há conflitos ou crise humanitária, como Síria e Venezuela, por não tere acesso a tratamentos essenciais.

Meta
A meta global prevista nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 por 100 mil nascidos vivos até 2030.

Mulheres e crianças estão sobrevivendo hoje mais do que antes na história, de acordo com as novas estimativas de mortalidade infantil e materna divulgadas no relatório.

Desde 2000, as mortes infantis diminuíram quase a metade e as mortes maternas em mais de um terço, principalmente devido ao acesso melhorado a serviços de saúde disponíveis e de qualidade.

“Nos países em que se fornecem serviços de saúde seguros, acessíveis e de alta qualidade para todos, mulheres e bebês sobrevivem e prosperam”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Esse é o poder da cobertura universal de saúde.”

*Com informações da NHK (emissora pública de televisão do Japão) e da ONU Brasil





Por: Agência Brasil*

Outras notícias

Comentários