anuncie aqui
Notícias recentes
Homem morre eletrocutado ao tentar podar árvore em União do Norte

Homem morre eletrocutado ao tentar podar árvore em União do Norte

access_time03/09/2018 07:19

Homem morreu eletrocutado na tarde de domingo (02), no travessão III São José União. Abedão Antunes

Motorista flagrado bêbado e com drogas e cervejas em carro foge da delegacia após prisão em MT, diz PM

Motorista flagrado bêbado e com drogas e cervejas em carro foge da delegacia após prisão em MT, diz PM

access_time28/06/2018 12:12

Um motorista de 24 anos fugiu da delegacia de Juscimeira, a 164 km de Cuiabá, depois de ser preso ju

Alexandre de Moraes nega habeas corpus a Pezão

Alexandre de Moraes nega habeas corpus a Pezão

access_time10/12/2018 00:32

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre Moraes negou neste domingo, 9, habeas corpus

Para Putin, postura da Ucrânia representa ameaça de “guerra total”
Eleição local pesa na posição ucraniana, acha Putin

Para Putin, postura da Ucrânia representa ameaça de “guerra total”

Kiev é o estopim da crise, afirma o presidente russo

access_time29/11/2018 14:43

O presidente russo, Vladimir Putin, repetiu que as forças de Moscou cumpriram com o “seu dever” ao capturar três navios da Ucrânia na costa da Crimeia. Para o chefe do Kremlin, as declarações recentes do líder ucraniano soam como uma ameaça de “guerra total”.

Segundo Putin, Kiev foi o estopim da crise, que teria como objetivo provocar um impacto na eleição ucraniana, prevista para março de 2019. “Estamos a apenas alguns meses da eleição presidencial na Ucrânia, e o atual chefe de Estado está, se não me engano, em quinto lugar nas pesquisas de opinião. Ele deve fazer alguma coisa para criar obstáculos para seus adversários”, disse o líder russo durante uma conferência econômica nessa quarta-feira em Moscou.

“Trata-se sem dúvidas de uma provocação organizada pelo governo ucraniano e por seu presidente atual. Essa provocação serviu de pretexto para impor a lei marcial”, continuou, em alusão à medida, que o Parlamento ucraniano votou na segunda-feira 26 e que entrou em vigor na quarta-feira.

 “Aliás, gostaria de lembrar que foram os marinheiros ucranianos que entraram nas águas territoriais russas e que não responderam aos avisos de nossa Guarda Costeira. Como nossos guardas deveriam reagir? Eles apenas cumpriram seu dever militar, que consiste em proteger a integridade territorial de nosso país”, explicou Putin.

Os últimos nove marinheiros capturados pela Rússia que deviam comparecer diante de um tribunal foram colocados em detenção provisória, até 25 de janeiro, como aconteceu na véspera com outros 15 militares. Uma detenção "ilegal" e um ato de "barbárie", denunciou Kiev.

A chancelaria ucraniana anunciou ter enviado uma nota de protesto ao ministério russo das Relações Exteriores considerando que esses homens são "prisioneiros de guerra" e exigindo a sua libertação "imediata".

Esse foi o primeiro confronto militar aberto entre Moscou e Kiev desde anexação da Crimeia em 2014 e o início de um conflito armado no leste da Ucrânia entre forças ucranianas e separatistas pró-Rússia que deixou mais de 10 mil mortos.





Por: Radio France Internationale

Outras notícias

Comentários