Spigreen
Notícias recentes
Produção de etanol à base milho deve gerar R$ 400 milhões em ICMS aos cofres de MT até 2020, prevê Sindalcool

Produção de etanol à base milho deve gerar R$ 400 milhões em ICMS aos cofres de MT até 2020, prevê Sindalcool

access_time23/02/2019 08:27

A produção de etanol à base de milho em usinas na região Norte de Mato Grosso deve garantir ao gover

STF determina novo júri diante de absolvição de réu contra provas dos autos

STF determina novo júri diante de absolvição de réu contra provas dos autos

access_time10/03/2020 22:37

Por maioria de votos, a 1ª turma do STF decidiu que o Tribunal do Júri pode realizar nova deliberaçã

ABRAMP cria programa de auxílio para garimpeiros regularizarem atividade

ABRAMP cria programa de auxílio para garimpeiros regularizarem atividade

access_time17/03/2020 17:27

O garimpo de metais preciosos movimenta parte importante da economia brasileira. Segundo estimativas

Passaporte vencido serve como identificação em território nacional, diz juíza

Passaporte vencido serve como identificação em território nacional, diz juíza

access_time02/03/2020 08:11

Ainda que esteja vencido, o passaporte serve como documento de identificação em todo o território nacional. Foi com base nesse entendimento que a juíza Marília de Ávila e Silva Sampaio, do 6º Juizado Especial Cível de Brasília, condenou uma empresa de aviação a pagar indenização a um cliente que foi proibido de embarcar. A decisão é do dia 19 de fevereiro.

Segundo os autos, o consumidor apresentou apenas um passaporte vencido como meio de identificação. A companhia argumentou que o meio não seria aceito, proibindo o ingresso do cliente.

De acordo com a decisão, no entanto, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), determina que “o passaporte dentro do prazo de validade é exigido somente para voos internacionais”.

“Portanto, evidente que o impedido do embarque por motivos de passaporte vencido foi ato falho da ré, apto a causar danos morais ao passageiro”, afirma a magistrada. 

A decisão determina que a atuação da empresa enseja danos morais porque frustrou a participação do consumidor em uma palestra profissional que ocorreria no Distrito Federal.

“O cumprimento do contrato de prestação de serviço deve se pautar pela solidariedade entre ambos os contratantes na consecução dos objetivos do contrato. Não pode o fornecedor, porque detém a primazia da condução do contrato, impor o atendimento de somente seus interesses, em detrimento do consumidor”, diz a juíza.

Clique aqui para ler a decisão
0757450-73.2019.8.07.0016





Por: Revista Consultor Jurídico

Outras notícias

Comentários