anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Mulher joga feijão quente no rosto de colega de trabalho durante desentendimento em Mato Grosso

Mulher joga feijão quente no rosto de colega de trabalho durante desentendimento em Mato Grosso

access_time24/01/2024 06:19

Uma mulher foi detida após jogar feijão quente na colega de trabalho durante desentendimento, ontem,

PM desarticula quadrilha após invasão de fazenda e apreende 12 armas e 994 munições

PM desarticula quadrilha após invasão de fazenda e apreende 12 armas e 994 munições

access_time16/01/2023 10:59

Seis homens, com idades entre 23 e 41 anos, suspeitos de invadirem uma propriedade rural foram preso

Motorista é preso com revólver e entorpecentes na BR-163 no Nortão

Motorista é preso com revólver e entorpecentes na BR-163 no Nortão

access_time13/01/2023 17:26

Um motorista foi detido pela Polícia Rodoviária Federal, ontem à noite, durante fiscalização na BR-1

Pastor africano faz fiéis jejuarem até a morte
Pastor Paul Mackenzie Nthenge, acusado de levar seus seguidores à morte por inanição |Foto/Reprodução

Pastor africano faz fiéis jejuarem até a morte

O religioso do Quênia afirmou que os seus seguidores veriam Jesus Cristo depois do jejum

access_time25/04/2023 12:46

Desde a Reforma Protestante engendrada por Martinho Lutero, em 1517, os cristãos — agora divididos entre católicos e “protestantes” — desenvolveram meios diversos para interpretar as Escrituras. Se no mundo católico o fiel tem o Magistério da Igreja para interpretar a Bíblia, entre os protestantes vale a “livre interpretação”, baseada tão somente na “consciência” do fiel. Daí que não surpreende haver tantas “denominações” e correntes doutrinárias divergentes entre si. O exemplo mais recente veio da África, onde um pastor levou seus seguidores à morte por inanição depois de um longo jejum com o objetivo de “ver Jesus”.

A tragédia aconteceu no Quênia, país do leste africano, onde atuava Paul Mackenzie Nthenge, um ex-taxista que, depois de “ouvir o chamado do Senhor”, decidiu tornar-se “pastor”, em 2003. Desde 2017, Nthenge já foi parar na cadeia duas vezes, em função do seu extremismo. Desta vez, no entanto, o pregador foi longe demais; a polícia local encontrou até o momento 89 corpos de seguidores do pregador que sucumbiram a um jejum mortal, segundo Japhet Koome, chefe da polícia do Quênia.

Num relatório policial datado de 14 de abril, consta o nome de Mackenzie Nthenge como o líder da seita religiosa. A polícia recebeu inúmeras denúncias sobre “cidadãos mortos de fome, sob o pretexto de conhecer Jesus, depois de terem passado por uma lavagem cerebral”.

Segundo a agência de notícias AFP, o pastor africano entregou-se à polícia na noite de 14 de abril. O nome da denominação religiosa de Paul é “Igreja Internacional das Boas Novas”, entidade que conta com mais de 3 mil membros, mil deles só na cidade costeira de Malindi, onde está instalada a sede da “igreja”.

‘Fim dos tempos’

O mote da pregação de Paul Mackenzie Nthenge era o que ele chamava de “mensagem dos últimos tempos”, um conjunto de ensinamentos e profecias sobre o fim dos tempos que integra uma corrente teológica chamada de Escatologia. Paul afirmava “levar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo livre do engano e do intelecto do homem”. No seu canal no YouTube, o “pastor” alertava seus fiéis sobre os riscos da danação eterna àqueles que usassem perucas ou fizessem transações financeiras eletrônicas, isto é, sem dinheiro em espécie. Recentemente, Paul havia sido preso novamente, desta vez por promover a não escolarização das crianças, porque, segundo ele, era uma prática não reconhecida pela Bíblia.

Depois de outros problemas com a polícia local, sempre em função dos seus sermões excêntricos, Paul foi acusado de convencer os seus seguidores a “jejuarem até a morte para se encontrar com o seu Criador”. Ainda segundo o chefe da polícia do Quênia, Nthenge foi solto graças à fiança de 100 mil xelins quenianos (o equivalente a R$ 3,7 mil). Em entrevista ao periódico The Nation, o “pastor” disse estar “chocado com as acusações contra ele”.





Por: VITOR MARCOLIN / REVISTA OESTE

Outras notícias

Comentários