Spigreen
Notícias recentes
PGR prorroga força-tarefa da Lava Jato no Paraná  por um ano

PGR prorroga força-tarefa da Lava Jato no Paraná por um ano

access_time13/08/2019 07:51

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, anunciou segunda-feira (12) que prorrogou por mais u

Polícia Civil esclarece homicídio de casal e prende irmão de vítima, investigado pelo crime

Polícia Civil esclarece homicídio de casal e prende irmão de vítima, investigado pelo crime

access_time01/06/2021 14:36

A Polícia Civil cumpriu nesta segunda-feira (31.05) o mandado de prisão de um homem de 54 anos inves

Taça Saudoso Edinho de Futebol de Peixoto fecha a fase de classificação

Taça Saudoso Edinho de Futebol de Peixoto fecha a fase de classificação

access_time21/11/2018 10:54

A Taça Saudoso Edinho de Futebol, teve o enceramento da fase de grupo neste feriado de terça-feira (

PF cumpre mandados de prisão contra hackers suspeitos de atacar STF

PF cumpre mandados de prisão contra hackers suspeitos de atacar STF

São cumpridos 6 mandados de busca e apreensão e 3 de prisão temporária

access_time08/06/2021 08:10

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã de hoje (8) a Operação Leet, em que cumpre mandados de prisão contra suspeitos de conduzir ataques cibernéticos contra os sistemas do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ao todo, são cumpridos seis mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária nas cidades de Itumbiara (GO), Bragança Paulista (SP), Belém do São Francisco (PE), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Olinda (PE).

Entenda
Em 3 de maio, técnicos do Supremo identificaram atividades suspeitas no portal do tribunal e derrubaram os sistemas da Corte, incluindo o site oficial, que ficou diversos dias fora do ar. Com isso, uma série de serviços, incluindo o acompanhamento de andamentos processuais, ficaram inacessíveis, o que levou a uma suspensão de prazos processuais por 48 horas.

À época, o STF divulgou nota afirmando ter identificado “acessos fora do padrão” a seus sistemas, mas não confirmou tratar-se de um ataque. Uma investigação sigilosa foi então conduzida pela PF, que agora disse, em nota, ter identificado a prática de crimes cibernéticos.

“No curso do inquérito policial foram identificados os endereços de onde partiram os ataques, bem como as pessoas que, de forma sistemática e organizada, praticaram os crimes ora apurados”, diz texto divulgado pela PF. O órgão acrescentou que, com as provas eventualmente colhidas nesta terça-feira (8), “busca-se identificar demais partícipes e circunstâncias dos atos criminosos”.

Os envolvidos podem vir a responder por crime de invasão de dispositivo informático, previsto no Artigo 154-A do Código Penal, cuja pena vai de um a quatro anos de reclusão, além de multa.

O termo Leet, que dá nome à operação, se refere a uma forma de comunicação pela internet que utiliza símbolos para substituir letras e que, com o uso, tonou-se uma espécie de dialeto online. Esse tipo de linguagem costuma ser utilizada por diferentes grupos, incluindo hackers. Uma das teorias é de que essa linguagem tenha surgido para driblar filtros de texto em fóruns online.





Por: Assessoria

Outras notícias

Comentários