Banner Outras
Notícias recentes
Consultores confirmam queda na produção de soja na safra 18/19 em MT

Consultores confirmam queda na produção de soja na safra 18/19 em MT

access_time21/01/2019 07:50

Uma equipe de consultores visitou fazendas de soja no norte do estado, na última semana, onde as lav

Futuro do acordo de paz na Colômbia terá reflexos no Brasil, diz relatório

Futuro do acordo de paz na Colômbia terá reflexos no Brasil, diz relatório

access_time26/05/2018 19:41

Um novo relatório sobre o acordo de paz entre governo da Colômbia e as Forças Armadas Revolucionária

Novo coronavírus chega à Europa com confirmação de 2 casos na França; Nepal também entra na lista

Novo coronavírus chega à Europa com confirmação de 2 casos na França; Nepal também entra na lista

access_time24/01/2020 16:06

A França confirmou dois casos de coronavírus – os primeiros da Europa – nesta sexta-feira (24), nas

Polícia cumpre ordens em empresa com dívida de R$ 223 milhões
Mandados foram cumpridos pela Polícia Civil em Nova Xavantina

Polícia cumpre ordens em empresa com dívida de R$ 223 milhões

access_time25/05/2020 18:24

A Polícia Civil de Nova Xavantina (645 km a leste de Cuiabá) cumpriu, na manhã desta segunda-feira (25), quatro mandados judiciais contra a empresa Indiana Agri, responsável por armazenamento e comércio de grãos e que tem dívidas declaradas de R$ 223 milhões.

As ordens de busca e apreensão, sequestro e arresto de bens foram cumpridas na empresa localizada na BR-158, na saída para Água Boa.

A operação para cumprimento de ordens judiciais foi desencadeada, após a empresa adquirir grãos (soja) de diversos produtores rurais e de outras empresas de Mato Grosso e entrar com um pedido de recuperação judicial, alegando oscilações no mercado desde o ano de 2016.

Na semana passada a Justiça de Primavera do Leste negou o pedido de recuperação da empresa.

Entre as situações citadas pela Indiana Agri para entrar com o pedido estava a crise empresarial e seca (2016), valor do milho abaixo do esperado (2017), greve dos caminhoneiros e guerra comercial (2018), economia fragilizada, o equívoco na projeção do dólar (2019) e por último a propagação da pandemia causada pelo vírus Covid-19 (2020).

Mesmo diante das alegações, a empresa não conseguiu comprovar a relação de causalidade entre tais eventos e a queda do fluxo de caixa, o que levou a Justiça a negar a recuperação judicial.

Temendo prejuízo, os credores ajuizaram algumas ações na justiça, obtendo liminares na semana passada, determinando o arresto e sequestros de bens (soja) armazenados na sede da empresa, restituindo parte dos grãos.

De posse das ordens judiciais, a Polícia Civil de Nova Xavantina auxiliou os oficiais de justça no cumprimento das decisões judiciais. Segundo a Polícia Civi, houve resistência por parte dos seguranças da empresa, sendo necessária a intervenção policial para garantir a efetivação das decisões.

Decisão
No último dia 20 de maio, a juíza Patrícia Cristiane de Moreira, da Segunda Vara Cível de Primavera do Leste, negou o pedido de recuperação judicial.

A decisão cita “inconsistência nas argumentações da empresa”. Mais da metade da dívida declarada (R$ 120 milhões) é com agricultores que venderam grãos.

No documento, a magistrada diz que “o relatório de avaliação preliminar apontou a ausência de envio de toda a documentação solicitada, bem como diversos e-mails com documentos que denotam a ocorrência de fraude, além da inconsistência lógica sobre a narrativa de crise empresarial”.

Na justificativa, a juíza destaca “a inconsistência no relato da situação de crise”, argumentando falta de “coerência com a apuração contábil dos autos”.

A magistrada aponta aind aque o pedido de recuperação judicial foi embasado em elementos como a “seca ocorrida em 2016; o baixo valor do milho em 2017; a greve dos caminhoneiros e a guerra comercial em 2018; a economia fragilizada e o equívoco na projeção do Dólar em 2019; além da propagação da Covid-19 e suas consequências em 2020”. Porém, na avaliação da juíza, faltou relacionar o nexo causal de tais acontecimentos com as atividades da empresa.

Além disso, segundo a magistrada, “os alegados ‘prejuízos gigantescos’ decorrentes dos fatos narrados não condizem com a realidade contábil apresentada, já que há demonstração da existência de resultado positivo nos anos de 2018 e 2019, gerando resultado acumulado positivo até 31.12.2019”.





Por: Midia News

Outras notícias

Comentários