Spigreen
Notícias recentes
Polícia Militar apreende arma de fogo em Peixoto de Azevedo

Polícia Militar apreende arma de fogo em Peixoto de Azevedo

access_time23/05/2018 10:12

Na noite dessa terça-feira a Polícia Militar foi informada que estavam disparando arma de fogo no Ce

Projeto de lei prevê multa de até R$ 5,2 mil para autores de fake news

Projeto de lei prevê multa de até R$ 5,2 mil para autores de fake news

access_time08/05/2020 12:09

Os autores de divulgação ou compartilhamento de fake news (notícias falsas) em Mato Grosso poderão s

Prefeitura e Câmara de Comodoro (MT) abrem concurso com salário de até R$ 6 mil

Prefeitura e Câmara de Comodoro (MT) abrem concurso com salário de até R$ 6 mil

access_time03/06/2018 20:32

A Prefeitura e a Câmara e Vereadores de Comodoro, 677 km de Cuiabá, abriram as inscrições de um conc

Polícia faz operação ‘terra à vista’ para prender 128

Polícia faz operação ‘terra à vista’ para prender 128

Só Notícias/Cleber Romero

access_time13/03/2019 08:04

A Polícia Civil está fazendo neste momento a operação terra à vista para combater fraudes ambientais e cumprir 128 mandados de prisões no Estado. Cerca de 20 pessoas já foram presas em Sinop e encaminhadas à delegacia municipal.

Diversos mandados são cumpridos também em Cuiabá, Várzea Grande, Alta Floresta, Nova Monte Verde, Apiacás, Paranaíta, Nova Bandeirantes, Peixoto de Azevedo, Guarantã do Norte, Itaúba, Matupá, Marcelândia, Claúdia, Santa Carmem, Ipiranga do Norte , Feliz Natal, Sorriso, Juara, Aripuanã, Porto dos Gaúchos, Castanheira, Arenápolis.

Donos de áreas, engenheiros florestais e ex-servidores da secretaria estadual de Meio Ambiente estão entre os alvos. As fraudes ambientais ultrapassam R$ 150 milhões, de acordo com a polícia.

Os investigadores estão cumprindo ainda 12 ordens judiciais de buscas e apreensões. A investigação é comandada pela Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) e está relacionada a crimes ambientais. A assessoria da Polícia Civil informou que a investigação começou em 2014, com o auxílio de uma auditoria realizada pela própria Sema, que descobriu um esquema de fraude no sistema na criação de créditos florestais, beneficiando diversas empresas do ramo madeireiro e terceiros (com inserção de dados falsos no sistema). Muitos créditos circularam para outras empresas gerando guias florestais inidôneas, as quais podem ter sido usadas para acobertar operações ilegais, promovendo, em tese, tanto a circulação de produto florestal de origem ilícita, quanto à lavagem dos valores correspondentes a essas mercadorias ilegais (madeiras extraídas ilegalmente, lavagem de dinheiro).

A investigação tramita em sigilo de justiça e por conta disso, outros detalhes não serão divulgados no momento, informa a polícia.

Policiais das diretorias de Atividades Policiais, do Interior, Metropolitana, e da diretoria de Inteligência estão trabalhando nos 24 municípios.

Em instantes mais detalhes





Por: Só Notícias/Cleber Romero

Outras notícias

Comentários