anuncie aqui
Notícias recentes
Suspeita de H1N1 faz população de Matupá lotar unidades de saúde na última semana de vacina

Suspeita de H1N1 faz população de Matupá lotar unidades de saúde na última semana de vacina

access_time30/05/2018 08:48

A movimentação nas unidades de saúde em todos os bairros de Matupá em busca pela vacina contra a gri

Justiça proíbe crianças e adolescentes no Ninho do Urubu

Justiça proíbe crianças e adolescentes no Ninho do Urubu

access_time14/02/2019 08:09

Crianças e adolescentes não poderão entrar no Centro de Treinamento do Flamengo, mais conhecido como

Governo propõe idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres

Governo propõe idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres

access_time15/02/2019 06:50

O presidente Jair Bolsonaro e a equipe econômica do governo decidiram que a proposta de reforma da P

Policiais cumprem mandado de busca e apreensão na casa de ex-prefeito de Peixoto de Azevedo

Policiais cumprem mandado de busca e apreensão na casa de ex-prefeito de Peixoto de Azevedo

access_time12/03/2019 15:52

Policiais civis da delegacia regional de Guarantã do Norte e servidores do Ministério Público cumpriram, esta manhã, mandado de busca e apreensão na casa do ex-prefeito de Peixoto de Azevedo, Edmar Heller.

Um investigador confirmou, que a operação investiga o possível envolvimento de Heller na criação de empresas ‘laranjas’ para favorecimento em licitações. O objetivo da busca é apreender documentos. Ainda não foi confirmado se há mandado de prisão.

Heller foi prefeito de Peixoto em 2000. Ele teve o mandato cassado após ser acusado de desvio de recursos públicos, contratação de pessoal especializado sem licitação e contratação ilegal de veículos automotores de auxiliares de confiança.

Em 2007, como secretário de Administração da prefeita Cleuseli Missassi Heller, sua esposa, chegou a ser preso. Ele foi considerado responsável por improbidade administrativa, configurada pelo favorecimento de uma única empresa em processos licitatórios do município. Dois anos depois, o  Tribunal de Justiça  manteve a condenação.

Na semana passada, a Polícia Civil deflagrou operação Fraudator, em Peixoto de Azevedo para investigar o envolvimento de servidores da prefeitura em um esquema de venda de lotes públicos, loteamento irregular, associação criminosa, inserção de dados falsos em sistema de informação e estelionato. Um servidor foi preso.





Por: Só Notícias/Cleber Romero

Outras notícias

Comentários