Spigreen
Notícias recentes
Prefeito Maurício acompanhou início de Obra no Bairro Nova Esperança

Prefeito Maurício acompanhou início de Obra no Bairro Nova Esperança

access_time25/10/2018 16:57

Teve início nesta quarta-feira (24) as Obras de Drenagem do Bairro Nova Esperança, um bairro em que

Nº de brasileiros que pedem demissão cresce em 2018

Nº de brasileiros que pedem demissão cresce em 2018

access_time24/09/2018 14:11

Embora o mercado de trabalho esteja muito distante do seu melhor momento, a retomada da criação de v

Casamento entre pessoas do mesmo sexo aumenta mais de 60% em 2018

Casamento entre pessoas do mesmo sexo aumenta mais de 60% em 2018

access_time04/12/2019 10:25

A pesquisa Estatísticas do Registro Civil 2018 mostra que o casamento entre pessoas do mesmo sexo te

Por ataque de pragas e doenças, quilo do tomate fica 71% mais caro em MT, diz IBGE
Tomate está mais caro em MT — Foto: Reprodução/TVCA

Por ataque de pragas e doenças, quilo do tomate fica 71% mais caro em MT, diz IBGE

Valor do quilo para revenda para R$ 8, na tentativa de minimizar os prejuízos para o agricultor

access_time22/04/2019 08:56

De acordo com um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o preço do quilo do tomate aumentou 71%, nos últimos meses, em Mato Grosso. A razão, segundo os produtores, seria o ataque de pragas e doenças nas plantações do estado.

Na fazenda de João Sedane, em Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, os 2 mil pés de tomate, plantados em dois barracões, foram atacados pela traça do tomateiro, uma espécie de lagarta pequena que compromete a qualidade dos frutos.

Com menos oferta de produto, os preços tendem a subir. Em outras safras, João já chegou produzir uma média de 300 caixas de tomate, hoje, só está conseguindo 50 caixas, por barracão.

A perda somada aos custos de produção fez com que agricultor aumentasse o valor do quilo para revenda para R$ 8, na tentativa de minimizar os prejuízos.

O custo que João tem para cultivar mil pés de tomate é R$ 5 mil, entre fornecedores e despesas para manter as plantações.


“Então, se eu coloco o preço muito baratinho, não consigo quitar dívida com os fornecedores. Este ano, o retorno não está compensando”, explicou.

Em outra propriedade no mesmo município, a guerra é contra os nematóides. Mesmo com toda a estrutura da estufa, com cobertura e proteção, a produção caiu consideravelmente.

De acordo com o produtor Jair Júnior, a falta de assistência técnica agrava a situação.

Na propriedade de Jari, a média de produção, este ano, é de 100 caixas para cada mil pés de tomate, com um custo de R$ 50 por caixa. Com a pouca oferta no mercado, ele tem conseguido vender cada caixa por R$ 100, com vinte quilos de tomate, cada uma.

O técnico da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Leonardo Dias, explica que o manejo de tomate é bem delicado. Segundo ele, a construção de estufas é fundamental.

“O agricultor precisa ter um cuidado maior durante o desenvolvimento da planta para ter uma produção de qualidade e livre de doenças”, alertou.

Ainda segundo o técnico, o agricultor precisa de cultivares resistentes e estudar o manejo mais adequado para cada situação.





Por: José Pereira, TV Centro América

Outras notícias

Comentários