ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Mato-grossense é investigado sobre suposto plano para matar Lula

Mato-grossense é investigado sobre suposto plano para matar Lula

access_time27/02/2023 12:21

O mato-grossense Alan Diego dos Santos Rodrigues, 32 anos, preso por envolvimento em um plano terror

Especialistas alertam: fumo é a maior causa de câncer de pulmão

Especialistas alertam: fumo é a maior causa de câncer de pulmão

access_time29/08/2023 12:34

Nesta terça-feira, 29 de agosto, é a data que celebra o Dia Nacional de Combate ao Fumo, principal f

TSE libera monetização de canais de direita

TSE libera monetização de canais de direita

access_time03/03/2023 17:17

O corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Benedito Gonçalves, decidiu restab

Por decisão do TJ, prefeito deve ir a júri popular por duplo homicídio
O desembargador entendeu que o crime cometido no trânsito não guarda relação com as atribuições inerentes ao mandato de prefeito

Por decisão do TJ, prefeito deve ir a júri popular por duplo homicídio

Crime não guarda relação com exercício do mandato, diz desembargador

access_time12/07/2023 13:05

O Tribunal de Justiça determinou que o prefeito de Confresa seja julgado em primeira instância pela suspeita de homicídio por dolo eventual (quando o autor assume o risco de matar) pela morte de Célia Marcelino da Silva e Moisés Cardoso Teixeira em um acidente de trânsito em abril de 2019 em um dos trechos da BR-158, próximo ao município de Barra do Garças. A decisão foi publicada nesta terça-feira (12) no Diário da Justiça.

O desembargador Gilberto Giraldelli entendeu que o crime cometido no trânsito não guarda relação com as atribuições inerentes ao mandato de prefeito, o que afasta o foro por prerrogativa de função que assegura ao agente político ser julgado por tribunais. A investigação da Polícia Civil já foi concluída e a denúncia do Ministério Público deverá ser encaminhada a 1ª Vara Criminal de Barra do Garças. Diante disso, o prefeito poderá ser submetido a júri popular.

O magistrado ressaltou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já adota interpretações restritivas em relação ao foro por prerrogativa de função que é aplicado para proteger o mandato e não a pessoa. "A proposta de redução do foro por prerrogativa é harmoniosa com restrições interpretativas que o próprio STF impõe até mesmo à imunidade material dos parlamentares, como ocorreu no Inq. 3.932/DF. Se, portanto, o tribunal admite a restrição da imunidade dita absoluta, com mais razão deve se permitir interpretar restritivamente a imunidade relativa, especialmente diante dos efeitos deletérios que sua aplicação incondicional pode causar", argumentou.

O inquérito policial que realizou as diligências preliminares do acidente concluiram que o prefeito não estava sob efeito de álcool quando provocou o acidente. O veículo que dirigia, uma caminhonete de propriedade do município de Confresa, bateu na traseira da motocicleta, matando na hora Moisés Cardoso e Célia Marcelino.

Na época, a Prefeitura de Confresa publicou uma nota informando que Ronio Condão, que é médico, chegou a prestar os primeiros socorros mas alegou que foi necessário seguir adiante para uma “agenda política” em Cuiabá, após prestar depoimento à polícia.





Por: RAFAEL COSTA DO REPÓRTERMT

Outras notícias

Comentários