Spigreen
Notícias recentes
O cientista de 104 anos que saiu de casa porque decidiu morrer

O cientista de 104 anos que saiu de casa porque decidiu morrer

access_time02/05/2018 20:59

Nesta quarta-feira, o cientista David Goodall, de 104 anos, se despediu de sua casa na Austrália par

Corpo é trocado e família faz cortejo com pessoa errada

Corpo é trocado e família faz cortejo com pessoa errada

access_time28/08/2020 08:48

A agente de saúde Silvana Nardes, de 43 anos, que morreu de Covid-19 na quarta-feira (26), teve o co

Presas agridem mãe e madrasta acusadas por morte de criança

Presas agridem mãe e madrasta acusadas por morte de criança

access_time30/11/2019 07:32

Fabiola Pinheiro Bracelar e Luana Marques Fernandes – acusadas de torturar até a morte um menino de

Prefeito é suspeito de fazer licitação 10 dias depois de inauguração de obra para simular legalidade
Prefeito é denunciado por MPE por suposta fraude em licitação (Foto: Prefeitura de Alta Floresta/Divulgação)

Prefeito é suspeito de fazer licitação 10 dias depois de inauguração de obra para simular legalidade

MPE diz que ainda existe a suspeita de desvio de recursos no pagamento da obra. Denúncia foi oferecida à Justiça contra prefeito de Alta Floresta e outras seis pessoas.

access_time23/05/2018 09:19

O prefeito de Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, Asiel Bezerra de Araújo (MDB), foi denunciado à Justiça, nesta terça-feira (22), pelo Ministério Público Estadual (MPE) por suposta contratação de empresa sem licitação. Depois da obra executada, foi feita uma licitação para supostamente fingir lisura e legalidade no processo.

De acordo com assessoria da prefeitura, o prefeito está afastado por questões de saúde e não vai se pronunciar sobre o assunto.

Na denúncia consta que, 10 após dias a inauguração do prédio, a prefeitura abriu processo licitatório na tentativa de legalizar uma obra que já havia sido executada.

O MPE suspeita ainda que haja desvio de recursos no pagamento da obra. Segundo a denúncia, os serviços teriam sido orçados no valor de R$ 68.138,89, mas, ao final, foram pagos R$ 90.828,49.

“Tais fatos somente reforçam as fraudes praticadas pelos agentes públicos na contratação dos serviços de adequação do prédio em que funcionaria o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso”, diz a denúncia.

Além do prefeito, outros agentes públicos foram denunciados, como o secretário de Cidade na época, Waldiney Trujilo, o secretário de Finanças, Nilton Marques Machado, o presidente da comissão de licitação, Celço Ferreira dos Santos, outros integrantes da comissão: Carlos Paes de Mello e Miraldo Gomes de Souza, e o representante da empresa A da Cruz Serviços, José Amilton da Cruz.

Esse grupo já responde a outro processo por fraude. A reportagem ainda não conseguiu localizar as defesas dos citados.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários