ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Toffoli determina que Lava Jato compartilhe todos os dados com a PGR

Toffoli determina que Lava Jato compartilhe todos os dados com a PGR

access_time10/07/2020 08:18

Integrantes da força-tarefa da Lava Jato de SP, RJ e PR devem imediatamente enviar ao PGR todas as b

Usina de reciclagem de lixo deve ser criada em Peixoto de Azevedo

Usina de reciclagem de lixo deve ser criada em Peixoto de Azevedo

access_time05/03/2021 14:05

O presidente da Câmara de Vereadores de Peixoto de Azevedo, Evandro Kommers (MDB), esteve juntamente

Deputado e suplente são alvos de operação que apura fraude em licitação de transporte

Deputado e suplente são alvos de operação que apura fraude em licitação de transporte

access_time14/05/2021 08:42

Um deputado estadual, um suplente de deputado e uma assessora parlamentar foram alvos de uma operaçã

Presas agridem mãe e madrasta acusadas por morte de criança

Presas agridem mãe e madrasta acusadas por morte de criança

access_time30/11/2019 07:32

Fabiola Pinheiro Bracelar e Luana Marques Fernandes – acusadas de torturar até a morte um menino de 3 anos, da qual são madrasta e mãe, respectivamente –, foram agredidas por detentas na tarde desta sexta-feira (29), na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá.

As duas mulheres são acusadas do crime de tortura qualificada que resultou na morte da criança, em Nova Marilândia (a 392km de Cuiabá), na noite de terça-feira (26).

As duas foram trazidas nesta sexta-feira para Cuiabá por motivo de segurança. Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), elas estão em uma ala diferente das outras detentas que cometeram crimes semelhantes. Conforme apurou a reportagem, duas detentas, revoltadas com o crime de Fabiola e Luana, começaram a agredi-las.

Uma equipe de agentes penitenciárias de plantão interveio e evitou o agravamento da situação. Devido às agressões, Fabiola e Luana ficaram com hematomas no rosto e foram levadas para a formalizar um boletim de ocorrência e posteriormente para o atendimento médico e realização do exame de corpo delito.

De acordo com a Sesp, a direção da unidade já separou as duas presidiárias que iniciaram a agressão.

O caso

Um laudo médico apontou que o menino de 3 anos foi morto por espancamento e esmagamento. A madrasta da criança confessou em depoimento à Polícia Civil que batia no enteado. 

Ela foi presa junto com a mãe na noite de terça-feira (26), quando levaram o menino já sem vida para uma unidade de saúde da cidade e em seguida o abandonaram.

Segundo a Polícia Civil, Fabiola contou que espancou o menino e o agredia com freqüência, para, segundo ela, “corrigi-lo”, pois ele seria muito arteiro e desobediente.

Luana, por sua vez, negou que batesse no filho e disse que no dia em que ele foi espancado pela companheira estava no trabalho. No entanto, o laudo realizado no corpo do menino comprovou que as lesões em seu corpo foram provocadas por uma sessão de espancamento, uma vez que além das lesões externas, o menino estava com vários pontos de hemorragia interna na região do abdômen.





Por: Mídia News

Outras notícias

Comentários