Spigreen
Notícias recentes
Contran suspende prazos para processos de habilitação; entenda

Contran suspende prazos para processos de habilitação; entenda

access_time20/10/2020 09:54

Apesar do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) já ter retomado a aplicação das provas práti

China e EUA voltarão a negociar disputa comercial no final de agosto

China e EUA voltarão a negociar disputa comercial no final de agosto

access_time16/08/2018 07:38

A China enviará um negociador aos Estados Unidos no final de agosto para retomar as conversações com

Águas de Peixoto de Azevedo realiza palestra sobre a importância da água e esgoto tratado para a comunidade

Águas de Peixoto de Azevedo realiza palestra sobre a importância da água e esgoto tratado para a comunidade

access_time22/08/2019 15:29

Neste mês de agosto, a Águas de Peixoto de Azevedo, realizou ações de conscientização, no município,

Presidente argentino envia ao Congresso projeto que legaliza aborto
© Reuters/Gonzalo Fuentes/Direitos Reservados

Presidente argentino envia ao Congresso projeto que legaliza aborto

Movimentos de mulheres pedem aprovação; outros grupos questionam

access_time18/11/2020 08:55

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, enviou nessa terça-feira (17) ao Congresso um projeto para a legalização do aborto, medida bastante esperada pelos movimentos de mulheres que há anos pedem sua aprovação. 

A iniciativa, que conta com amplo respaldo social, mas que é fortemente questionada pelos setores religiosos da sociedade argentina, legalizaria a "interrupção voluntária da gravidez". 

"Minha convicção é que o Estado acompanhe todas as pessoas gestantes em seus projetos de maternidade. Mas também estou convencido de que é responsabilidade do Estado cuidar da vida e da saúde de quem decide interromper a gravidez durante os primeiros momentos de seu desenvolvimento", disse Fernández em mensagem publicada nas redes sociais. 

Atualmente, vigora na Argentina uma lei de 1921 que permite a interrupção voluntária da gravidez apenas quando há riscos graves para a mãe ou em caso de estupro. Ativistas dizem, no entanto, que muitas vezes as mulheres não recebem os cuidados adequados e citam diferenças de acordo com regiões e classes sociais.

Em 2018, o projeto de descriminalização do aborto foi votado no Congresso, mas não chegou a ser aprovado por margem estreita. 

"O debate não é dizer sim ou não ao aborto. Os abortos ocorrem de forma clandestina e colocam em risco a saúde e a vida da mulheres que a eles se submetem. Portanto, o dilema que devemos superar é se os abortos serão realizados na clandestinidade ou no Sistema de Saúde argentino", disse Fernández.





Por: Lucila Sigal - Repórter da Reuters - Buenos Aires

Outras notícias

Comentários