anuncie aqui
Notícias recentes
'Relacionamento veio para ficar', diz Bolsonaro sobre escritório comercial do Brasil em Jerusalém

'Relacionamento veio para ficar', diz Bolsonaro sobre escritório comercial do Brasil em Jerusalém

access_time02/04/2019 09:42

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (2), em um evento com empresários israelenses, q

No 12º dia de Copa, primeira fase entra na reta final

No 12º dia de Copa, primeira fase entra na reta final

access_time25/06/2018 09:22

Começa hoje (25) a última rodada da fase de grupos da Copa do Mundo. Chegou a hora H para muitas sel

Inscrições para o Enem 2019 encerram na sexta-feira

Inscrições para o Enem 2019 encerram na sexta-feira

access_time14/05/2019 08:37

Quem ainda não se inscreveu para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 tem até a próxima sext

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão
Ex-secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques
Foto por: (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão

Paulo Taques, que é ex-chefe da Casa Civil, foi preso nesta quarta-feira (9) em operação que investiga esquema no Detran. Pedro Jorge Taques, irmão dele, e o deputado Mauro Savi (PSB) também foram presos.

access_time09/05/2018 22:38

O ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, que é primo do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), era responsável por manter contrato em um esquema de fraudes no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT). Paulo Taques foi preso nesta quarta-feira (9), durante a Operação Bônus, que investiga o desvio.

De acordo com a decisão do desembargador José Zuquim Nogueira, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que determinou a prisão do ex-secretário, ele teria recebido R$ 2,6 milhões em propina.

Além de Paulo Taques, foram presos o irmão dele, Pedro Jorge Taques, o deputado Mauro Savi (PSB), e os empresários Roque Anildo Reinheimer, Claudemir Pereira dos Santos, vulgo 'Grilo', e José Kobori.

Os irmãos Taques e o deputado passaram por audiência de custódia, tiveram as prisões mantidas e levados para o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Na decisão que manda prendê-los, o desembargador afirma que Paulo Taques mediou a manutenção do contrato entre a empresa usada na fraude e o governo.

"Os primos do atual governador tomaram parte da organização e iniciaram a solicitação de recebimento de propina em razão do cargo público que futuramente Paulo Taques viria a ocupar", diz o magistrado.

A operação é uma continuidade da Operação Bereré, que investiga suspeita de fraudes e desvio de verba do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), segundo o Ministério Público Estadual (MPE), em Cuiabá.

Uma testemunha, ouvida durante o inquérito, afirmou que Paulo Taques recebeu R$ 2,6 milhões em duas parcelas, sendo uma de R$ 1,4 milhão e outra de R$ 1,6 milhão.

Ainda segundo o desembargador, os irmãos Taques "valendo-se do conhecimento jurídico privilegiado que detêm, atuam na órganização criminosa criando engenhosas artimanhas para maquiar o recebimento de propina".

Como justificativa para a prisão de Paulo e Pedro Jorge Taques, o desembargador apontou o foco deles em dificultar a produção de provas a respeito dos crimes por eles praticados.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários