anuncie aqui
Notícias recentes
Motorista e passageiro são presos em MT com quase 400 kg de maconha trazidos de MS

Motorista e passageiro são presos em MT com quase 400 kg de maconha trazidos de MS

access_time03/09/2018 08:35

Um motorista e um passageiro de um carro foram presos na madrugada desta segunda-feira (3) com quase

Mau tempo e tempestades de areia deixam 41 mortos na Índia

Mau tempo e tempestades de areia deixam 41 mortos na Índia

access_time13/05/2018 18:57

Uma série de tempestades de areia no norte da Índia matou 41 pessoas neste domingo (13) e causou dan

Sem data para votação, STF encerra debate sobre descriminalizar aborto

Sem data para votação, STF encerra debate sobre descriminalizar aborto

access_time07/08/2018 08:20

Terminou no começo desta noite a audiência pública convocada pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tr

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão
Ex-secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques
Foto por: (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão

Paulo Taques, que é ex-chefe da Casa Civil, foi preso nesta quarta-feira (9) em operação que investiga esquema no Detran. Pedro Jorge Taques, irmão dele, e o deputado Mauro Savi (PSB) também foram presos.

access_time09/05/2018 22:38

O ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, que é primo do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), era responsável por manter contrato em um esquema de fraudes no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT). Paulo Taques foi preso nesta quarta-feira (9), durante a Operação Bônus, que investiga o desvio.

De acordo com a decisão do desembargador José Zuquim Nogueira, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que determinou a prisão do ex-secretário, ele teria recebido R$ 2,6 milhões em propina.

Além de Paulo Taques, foram presos o irmão dele, Pedro Jorge Taques, o deputado Mauro Savi (PSB), e os empresários Roque Anildo Reinheimer, Claudemir Pereira dos Santos, vulgo 'Grilo', e José Kobori.

Os irmãos Taques e o deputado passaram por audiência de custódia, tiveram as prisões mantidas e levados para o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Na decisão que manda prendê-los, o desembargador afirma que Paulo Taques mediou a manutenção do contrato entre a empresa usada na fraude e o governo.

"Os primos do atual governador tomaram parte da organização e iniciaram a solicitação de recebimento de propina em razão do cargo público que futuramente Paulo Taques viria a ocupar", diz o magistrado.

A operação é uma continuidade da Operação Bereré, que investiga suspeita de fraudes e desvio de verba do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), segundo o Ministério Público Estadual (MPE), em Cuiabá.

Uma testemunha, ouvida durante o inquérito, afirmou que Paulo Taques recebeu R$ 2,6 milhões em duas parcelas, sendo uma de R$ 1,4 milhão e outra de R$ 1,6 milhão.

Ainda segundo o desembargador, os irmãos Taques "valendo-se do conhecimento jurídico privilegiado que detêm, atuam na órganização criminosa criando engenhosas artimanhas para maquiar o recebimento de propina".

Como justificativa para a prisão de Paulo e Pedro Jorge Taques, o desembargador apontou o foco deles em dificultar a produção de provas a respeito dos crimes por eles praticados.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários