Spigreen
Notícias recentes
Copom deve manter Selic em 6,5% ao ano, aposta mercado

Copom deve manter Selic em 6,5% ao ano, aposta mercado

access_time20/06/2018 08:50

O Comitê de Política Monetária (Copom) deve manter a taxa básica de juros em 6,5% na reunião que com

Advogados do PT avaliam que TSE pode julgar registro de Lula antes do início do horário eleitoral

Advogados do PT avaliam que TSE pode julgar registro de Lula antes do início do horário eleitoral

access_time13/08/2018 13:03

Advogados do PT avaliam nos bastidores que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode julgar o registr

Nasa e SpaceX fazem lançamento espacial histórico neste sábado (30)

Nasa e SpaceX fazem lançamento espacial histórico neste sábado (30)

access_time30/05/2020 08:38

Anos de pesquisas e testes trouxeram a parceria pioneira entre a Nasa (Agência espacial americana) e

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão
Ex-secretário da Casa Civil de Mato Grosso, Paulo Taques
Foto por: (Foto: Mayke Toscano/Secom-MT)

Primo de governador de MT era responsável por manter contrato em esquema e recebeu R$ 2,6 milhões em propina, diz decisão

Paulo Taques, que é ex-chefe da Casa Civil, foi preso nesta quarta-feira (9) em operação que investiga esquema no Detran. Pedro Jorge Taques, irmão dele, e o deputado Mauro Savi (PSB) também foram presos.

access_time09/05/2018 22:38

O ex-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, que é primo do governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), era responsável por manter contrato em um esquema de fraudes no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT). Paulo Taques foi preso nesta quarta-feira (9), durante a Operação Bônus, que investiga o desvio.

De acordo com a decisão do desembargador José Zuquim Nogueira, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que determinou a prisão do ex-secretário, ele teria recebido R$ 2,6 milhões em propina.

Além de Paulo Taques, foram presos o irmão dele, Pedro Jorge Taques, o deputado Mauro Savi (PSB), e os empresários Roque Anildo Reinheimer, Claudemir Pereira dos Santos, vulgo 'Grilo', e José Kobori.

Os irmãos Taques e o deputado passaram por audiência de custódia, tiveram as prisões mantidas e levados para o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC).

Na decisão que manda prendê-los, o desembargador afirma que Paulo Taques mediou a manutenção do contrato entre a empresa usada na fraude e o governo.

"Os primos do atual governador tomaram parte da organização e iniciaram a solicitação de recebimento de propina em razão do cargo público que futuramente Paulo Taques viria a ocupar", diz o magistrado.

A operação é uma continuidade da Operação Bereré, que investiga suspeita de fraudes e desvio de verba do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), segundo o Ministério Público Estadual (MPE), em Cuiabá.

Uma testemunha, ouvida durante o inquérito, afirmou que Paulo Taques recebeu R$ 2,6 milhões em duas parcelas, sendo uma de R$ 1,4 milhão e outra de R$ 1,6 milhão.

Ainda segundo o desembargador, os irmãos Taques "valendo-se do conhecimento jurídico privilegiado que detêm, atuam na órganização criminosa criando engenhosas artimanhas para maquiar o recebimento de propina".

Como justificativa para a prisão de Paulo e Pedro Jorge Taques, o desembargador apontou o foco deles em dificultar a produção de provas a respeito dos crimes por eles praticados.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários