Spigreen
Notícias recentes
Inscrições para processo seletivo em Campos de Júlio (MT) são abertas; salários vão até R$ 14,4 mil

Inscrições para processo seletivo em Campos de Júlio (MT) são abertas; salários vão até R$ 14,4 mil

access_time21/01/2020 07:44

A Prefeitura de Campos de Júlio, a 692 km de Cuiabá, abriu as inscrições de um processo seletivo par

Criança é levada em UTI aérea a Cuiabá após sofrer queda em escola

Criança é levada em UTI aérea a Cuiabá após sofrer queda em escola

access_time08/04/2019 17:22

Uma criança, de sete anos foi transferida nesse final de semana em uma Unidade de Terapia Intensiva

No reencontro com a torcida, Flamengo vence e avança na Libertadores

No reencontro com a torcida, Flamengo vence e avança na Libertadores

access_time17/05/2018 08:36

O Flamengo afastou de vez um fantasma do ano passado. Depois de frustrantes quedas ainda na fase de

Projeto de lei prevê multa de até R$ 5,2 mil para autores de fake news
Fake news — Foto: Divulgação

Projeto de lei prevê multa de até R$ 5,2 mil para autores de fake news

Projeto de lei dobra multa se infrator for servidor público; dinheiro será destinado a fundo específico

access_time08/05/2020 12:09

Os autores de divulgação ou compartilhamento de fake news (notícias falsas) em Mato Grosso poderão ser punidos com o pagamento de até cinco salários mínimos vigentes, o que corresponde atualmente a R$ 5,2 mil.

É o que prevê o projeto de lei (PL 402/2020) de autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSDB) protocolado no dia 5 de maio na Assembleia Legislativa.

As fake news, informações falsas, já eram passíveis de punição pela lei eleitoral.

A multa será dobrada se o autor for servidor público e cobrada em até quatro vezes a maior se o servidor empregar recursos físicos, infraestrutura de rede ou conexão do órgão onde exerce suas funções, sem prejuízo das demais penalidades disciplinares.

Por outro lado, não será caracterizada como infração a publicação de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social pelos jornalistas devidamente registrados no Ministério do Trabalho.

Na proposta de lei, são classificadas como fake news “notícia informação sabidamente falsa, prejudicialmente incompleta, que altere, corrompa, ou destorça a verdade, em detrimento de pessoa física ou jurídica, que afete interesse público relevante ou que vise à obtenção de vantagem de qualquer natureza”.

Ainda está previsto que o dinheiro arrecadado com as infrações decorrentes de fake news será destinado às ações de enfrentamento à publicação de notícias falsas e em campanhas de conscientização.

Para justificar o projeto de lei, o deputado Wilson Santos ressalta que “o avanço tecnológico, em especial o ingresso nas plataformas virtuais facilitou o acesso aos diversos dispositivos eletrônicos, que permitem conexões com as redes sociais, simplificando tanto a divulgação quanto a criação de conteúdo e a sua disseminação”.





Por: G1 MT

Outras notícias

Comentários