ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
PIB tem alta de 1,2% no primeiro trimestre de 2021

PIB tem alta de 1,2% no primeiro trimestre de 2021

access_time01/06/2021 14:26

O Produto Interno Bruto (PIB) - a soma dos bens e serviços produzidos no Brasil - cresceu 1,2%, no p

Vulcão entra em erupção em ilha indonésia já devastada por terremoto e tsunami

Vulcão entra em erupção em ilha indonésia já devastada por terremoto e tsunami

access_time04/10/2018 08:22

A ilha indonésia de Sulawesi, que foi atingida por um forte terremoto seguido de tsunami, enfrenta n

Pobreza extrema cresce em 25 estados brasileiros, aponta estudo

Pobreza extrema cresce em 25 estados brasileiros, aponta estudo

access_time10/10/2018 10:16

O percentual de famílias que vivem em extrema pobreza aumentou em quase todos os estados do Brasil n

Protestos de 1º de maio terminam com 330 detenções na França
Reuters/Gonzalo Fuentes/Direitos Reservados

Protestos de 1º de maio terminam com 330 detenções na França

Centrais sindicais e coletes amarelos compareceram às mobilizações

access_time02/05/2019 08:00

O Dia do Trabalhador em Paris foi marcado pela tensão e por confrontes entre manifestantes e a polícia. Dezenas de milhares de pessoas, incluindo membros de sindicatos, coletes amarelos e militantes do movimento anarquista black blocs protestaram em várias cidades da França. A maioria dos atos transcorreu pacificamente, mas a da capital registrou confrontos entre manifestantes radicais e forças policiais.

Dados divulgados pela mídia e não confirmados pelas autoridades mencionam pelo menos três policiais feridos, um dos quais foi hospitalizado depois de ser atingido na cabeça por paralelepípedos. Alguns manifestantes teriam sido feridos, mas não há números.

No 13º distrito, na parte sul de Paris, black blocs invadiram uma delegacia de polícia, jogou dois coquetéis molotov e outros itens contra a polícia e saqueou uma agência de seguros. A polícia tentou deter a violência por meio de gás lacrimogêneo.

Estatísticas
A mobilização sindical convocada pela CGT reuniu 40 mil manifestantes, de acordo com o grupo independente Occurence. A CGT informou o comparecimento de 80 mil pessoas, cinco vezes mais que 16 mil participantes informados pela prefeitura de Paris.

As estatísticas também divergem para toda a França. Segundo o sindicato, havia 310 mil manifestantes em todo o país, mais que o dobro dos 150 mil informados pela polícia. No restante do país, as marchas se desenrolaram com mais calma, mas sempre sob alta vigilância policial.

Várias prefeituras, como a de Lyon, impediram manifestações no centro das cidades. Havia cerca de 6,2 mil manifestantes em Lyon, 2,4 mil em Montpellier, 7,7 mil em Bordeaux e 20 mil em Toulouse, conforme a polícia. Entre os slogans mais comuns, estavam “Sem justiça, sem paz”, “O povo odeia Macron”, ou “Obrigado pela Notre Dame, mas não se esqueça dos Miseráveis”.

Incêndio em banco
Outros confrontos ocorreram à noite (horário local), enquanto a marcha dos sindicatos seguia em direção à Praça de Itália, também na região sul da capital. Bombeiros intervieram para extinguir um incêndio em uma agência bancária. Por volta do meio-dia (7h em Brasília), algumas horas antes do início das manifestações, centenas de militantes radicais com os rostos cobertos estavam reunidos no centro de Paris e começaram a gritar palavras de ordem contra a polícia, atacando os agentes com pedras, garrafas e outros objetos.

Os policiais responderam com granadas de efeito moral e gás lacrimogêneo. A marcha dos sindicatos partiu sem o secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Philippe Martinez. Ele foi forçado a sair por causa dos confrontos entre a polícia e os black blocs, chegando à Praça de Itália por volta das 16h (11h da manhã em Brasília), em meio a novos tumultos e lançamentos de gás lacrimogêneo.

Houve também confrontos no leste de Paris, com a destruição de vitrines de lojas e mais incêndios. O Ministério do Interior da França mobilizou mais de 7,4 mil policiais e gendarmes. Até as 18h (13h em Brasília), 330 pessoas haviam sido detidas preventivamente, após verificações preventivas em 17,7 mil manifestantes

Sindicato denuncia repressão
Em comunicado, a CGT, cujo secretário Philippe Martinez cancelou a entrevista coletiva depois de estar no centro da agitação, denunciou “uma repressão sem precedentes e sem discernimento” após “a violência de alguns”. “Nossos camaradas e nosso secretário viram-na chover gás lacrimogêneo e granadas ensurdecedoras”, disse. A CGT classificou a situação de “escandalosa e nunca vista antes, inadmissível em nossa democracia”.

* Com informações da RAI, emissora pública de televisão da Itália





Por: Agência Brasil*

Outras notícias

Comentários