Banner Outras
Notícias recentes
Criança de 12 anos morre em tanque de aproximadamente 5 metros de profundidade

Criança de 12 anos morre em tanque de aproximadamente 5 metros de profundidade

access_time28/04/2019 18:49

Uma criança de 12 anos morreu afogada nesse sábado (27) em um tanque de psicultura, em Peixoto de Az

Governo Trump é processado por liberar impressão 3D de armas de fogo

Governo Trump é processado por liberar impressão 3D de armas de fogo

access_time02/08/2018 08:04

No mês passado, Cody Wilson e seu grupo sem fins lucrativos Defense Distributed encerraram uma longa

Peixoto de Azevedo realizou desfile cívico de Sete de Setembro com grande presença da população

Peixoto de Azevedo realizou desfile cívico de Sete de Setembro com grande presença da população

access_time08/09/2018 08:58

A Prefeitura Municipal de Peixoto de Azevedo, através da Secretaria de Educação, Assistência Social,

PSDB não apoia Bolsonaro nem Haddad e libera diretórios para fazer a escolha que quiserem
PSDB decide não apoiar Bolsonaro nem Haddad

PSDB não apoia Bolsonaro nem Haddad e libera diretórios para fazer a escolha que quiserem

Decisão foi anunciada hoje (9) por Geraldo Alckmin, presidente do partido e 4º lugar na eleição deste ano

access_time09/10/2018 20:07

O presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, informou nesta terça-feira (9) que o partido não apoiará Jair Bolsonaro (PSL) nem Fernando Haddad (PT) no segundo turno da eleição presidencial. Segundo ele, a legenda também não vai compor o governo de quem vencer.

O anúncio foi feito por Alckmin após reunião da Executiva Nacional do PSDB. Ex-governador de São Paulo, ele disputou a eleição presidencial pela segunda vez e ficou em quarto lugar – recebeu 5.096.349 votos (4,76%).

Segundo Alckmin, a cúpula do PSDB decidiu liberar os diretórios estaduais da legenda e os filiados para fazer a escolha que quiserem.

De acordo com Alckmin, o filiado ao PSDB que anunciar apoio a Haddad ou a Bolsonaro o fará em "caráter pessoal, não em nome do partido".

'Terceira via'
Durante a campanha presidencial, o tucano tentou se apresentar como alternativa a Bolsonaro e a Haddad, afirmando que os dois candidatos representavam o "radicalismo" de direita e de esquerda.

A mesma estratégia foi adotada por Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Henrique Meirelles (MDB).

"Nós não nos sentimos representados nem por um nem pelo outro. Falamos isso a campanha inteira. Só estamos repetindo de forma coerente aquilo que nós falamos na campanha. [...] É evidente que o partido não estará em governo nenhum", declarou.

Nesta terça-feira, Alckmin disse que, na opinião dele, o PSDB deve fazer oposição a Haddad e a Bolsonaro.





Por: Por G1

Outras notícias

Comentários