ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Cuiabá vence União por 4x0 na Arena e é campeão estadual

Cuiabá vence União por 4x0 na Arena e é campeão estadual

access_time02/04/2022 19:02

O Cuiabá é o campeão do Mato-Grossense 2022. Com goleada de 4 a 0, o Dourado venceu o time do União,

Mais de 2,6 mil vagas de emprego estão disponíveis nesta semana em Mato Grosso

Mais de 2,6 mil vagas de emprego estão disponíveis nesta semana em Mato Grosso

access_time24/08/2021 16:02

O Sistema Nacional de Emprego (Sine), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Assistência Social e

Pagamento de 13º salário em MT deve injetar R$ 3,3 bilhões na economia do estado

Pagamento de 13º salário em MT deve injetar R$ 3,3 bilhões na economia do estado

access_time07/11/2019 08:52

O pagamento do 13º salário dos mato-grossenses deve injetar R$ 3,3 bilhões na economia do estado. O

Putin nega que míssil que derrubou avião na Ucrânia fosse russo
Investigador da Malásia inspeciona o local do acidente do voo MH17, perto da aldeia de Hrabove, na região de Donetsk (Foto: Maxim Zmeyev/Reuters)

Putin nega que míssil que derrubou avião na Ucrânia fosse russo

União Europeia, Otan e EUA pedem que Rússia reconheça responsabilidade na queda do voo MH17 em 2014

access_time25/05/2018 13:46

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta sexta-feira (25) que o míssil que derrubou o voo MH17 da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia não era russo. A declaração é feita horas após Holanda e Austrália acusarem o Kremlin de envolvimento na tragédia que custou a vida de 298 pessoas, a maioria delas holandesas e australianas.

"Não, certamente não", disse Putin durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, ao responder à pergunta do moderador do debate sobre se o míssil que derrubou o avião era russo, de acordo com a Efe.

Os governos de Holanda e Austrália responsabilizaram formalmente a Rússia de "participar" da destruição do avião depois que o grupo internacional que investiga a tragédia informou na quinta-feira que o míssil utilizado pertencia a uma unidade militar russa.

"Existem muitas versões, incluindo a versão de um míssil do Exército ucraniano, de um avião [ucraniano]. Mas não há nada [no relatório dos investigadores] que nos transmita confiança nas suas conclusões. Nem haverá sem a nossa plena participação na investigação", ressaltou o governante, ao lamentar que os investigadores não atendam aos argumentos da Rússia.

A Equipe Conjunta de Investigação (JIT, em inglês), formada depois do desastre, revelou na quinta-feira (24) que o sistema de mísseis aéreos que derrubou o avião malaio pertencia a uma unidade militar russa, que o transferiu de Kursk (Rússia) até Donetsk (Ucrânia) um mês antes do ataque a esse território controlado por separatistas pró-Rússia.

O Ministério da Defesa russo respondeu que o míssil que derrubou o avião malaio foi lançado de território controlado pelos militares ucranianos e acusou os investigadores de desprezarem os depoimentos das testemunhas do acidente.

A pasta também acusou a equipe de investigação "de basear as suas conclusões em imagens (tiradas) das redes sociais e manipuladas com recursos gráficos por computador".

A alta representante para a Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, pediu nesta sexta-feira para que a Rússia assuma a responsabilidade na destruição da aeronave.

Apelo internacional
Mais cedo, os Estados Unidos pediram nesta terça-feira para que o governo russo "reconheça o seu papel" na destruição do avião da Malaysia Airlines.

"É o momento da Rússia reconhecer o seu papel na demolição do MH17 e cessar a sua monstruosa campanha de desinformação. Exigimos que a Rússia responda os pedidos legítimos de Austrália e Holanda", declarou em comunicado a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert.

Em outro comunicado, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, também fez um pedido à Rússia para que "aceite a responsabilidade e coopere". "A derrubada do MH17 foi uma tragédia mundial e os responsáveis devem prestar contas", completou.





Por: G1

Outras notícias

Comentários