Spigreen
Notícias recentes
Sinop: dois policiais são presos acusados de cobranças ilegais em empresa

Sinop: dois policiais são presos acusados de cobranças ilegais em empresa

access_time20/02/2020 18:21

Dois policiais militares foram presos acusados de envolvimento em cobranças ilegais, há pouco, em um

NOTA OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO

NOTA OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO

access_time07/03/2019 11:46

A administração municipal de Peixoto de Azevedo vem através desta nota oficial se posicionar a respe

Programação Esportiva de Março a Junho

Programação Esportiva de Março a Junho

access_time06/03/2020 11:01

O Chefe Municipal, Lenilton Mardine, da Secretária de Esportes, divulgou os eventos programados de m

Redução de açúcar nos alimentos é pontual e precisa de complementos, dizem especialistas; veja metas
Açúcar — Foto: Reprodução/TV Globo

Redução de açúcar nos alimentos é pontual e precisa de complementos, dizem especialistas; veja metas

Ministério e associações assinaram acordo para reduzir até 144 mil toneladas do produto

access_time28/11/2018 07:44

Uma redução gradativa na quantidade de açúcar foi acordada entre o Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e associações produtoras ligadas à indústria dos alimentos. A proposta é reduzir até 33,8% do açúcar em refrigerantes, até 32,4% para bolos, e até 10,5% para os achocolatados.

Apesar dos percentuais expressivos divulgados pelo governo federal, a redução atinge de forma distinta cada marca e produtos bastante conhecidos do consumidor não necessariamente precisarão reduzir a concentração do ingrediente (veja mais abaixo).

Segundo especialistas ouvidos pelo G1, a medida é um avanço, mas é pontual. "O Brasil é o quarto país que mais consome açúcar no mundo. Foi uma tentativa do governo de controlar, assim como ele tentou com o sal também. A redução equivale a 1,5% da ingestão total de açúcar para as pessoas, então, se a gente pensar ainda é pouco", afirma o endocrinologista Renato Zilli, do hospital Sírio Libanês, as metas são "um começo".

O acordo busca contribuir no combate a doenças associadas ao consumo do açúcar e a obesidade. Os dados mais recentes, de setembro deste ano, apontam que 22% da população é obesa. O brasileiro, segundo comenta o ministério, consome 50% a mais do que a recomendação da Organização Mundial da Saúde – tem uma média de ingestão de 80 gramas de açúcar por dia.

A meta é chegar a uma redução de 144 mil toneladas de açúcar nos próximos 4 anos em bolos, misturas para bolos, produtos lácteos, achocolatados, refrigerantes, e sucos, entre outros produtos

As associações se comprometem a realizar estudos para avaliar a possibilidade de uma nova programação para a redução gradual do açúcar nos quatro anos seguintes a 2022. Elas também devem avaliar a inclusão de novas categorias para o projeto com base em evidências científicas.

O acordo diz, também, que não haverá transferência de recursos por meio do termo de compromisso. Cada órgão e empresa deverá arcar com as próprias despesas.

A estratégia é suficiente?
Cada produto disponível no mercado por categoria tem uma quantidade diferente de açúcar. O ministério divulgou a porcentagem máxima que poderá ser reduzida. No caso dos refrigerantes, cerca de 30%. A Coca-Cola, um dos principais produtos da categoria, tem 11g/100ml. Ou seja: até 2020 não precisará rever o índice de açúcar.

O Reino Unido, campeão da taxa de obesidade na Europa Ocidental, também aumentou a taxação sobre bebidas açucaradas. O preço da Coca-Cola subiu 40%.

"Além da redução do açúcar dos alimentos, seria importante reduzir o preço dos alimentos mais in natura. Temos que ter um aumento da oferta para as pessoas dos produtos realmente saudáveis", disse o endocrinologista Renato Zilli.

Para a nutricionista Gabriela Cilla, outro ponto que ainda precisa ser discutido é a educação nutricional desde cedo.

Segundo ela, a proposta de mudar e esclarecer os rótulos dos alimentos é uma medida complementar que aumenta a eficiência da medida anunciada pelo Ministério da Saúde.

"O problema não é só a quantidade. Eu posso comer uma bolacha recheada. O problema é quantas bolachas recheadas que você consome. As pessoas não sabem a quantidade de açúcar que elas comem realmente".





Por: G1

Outras notícias

Comentários