Spigreen
Notícias recentes
Futsal Masculino Sub17 de Peixoto de Azevedo ficou em 3º lugar no estadual

Futsal Masculino Sub17 de Peixoto de Azevedo ficou em 3º lugar no estadual

access_time10/09/2018 09:32

O futsal masculino da categoria A de Peixoto de Azevedo e da Escola Estadual 19 de Julho ficaram em

PF faz operação combatendo fraudes ambientais; avião e veículos apreendidos; um preso

PF faz operação combatendo fraudes ambientais; avião e veículos apreendidos; um preso

access_time06/02/2019 07:55

Policiais federais e fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renová

Morre o quinto pastor da Assembleia de Deus por causa da Covid-19 em MT

Morre o quinto pastor da Assembleia de Deus por causa da Covid-19 em MT

access_time03/08/2020 17:04

O pastor Beneamito Borges de Moraes Camargo, conhecido como pastor Camargo, morreu com Covid-19, nes

RS, Rondônia, Acre e Paraná viram zona livre de vacinação da febre aftosa

RS, Rondônia, Acre e Paraná viram zona livre de vacinação da febre aftosa

Normativa do Ministério da Agricultura oficializou status dos quatro estados e também de duas regiões de Amazonas e Mato Grosso. RS vacinou 90% do rebanho em 2020, diz secretaria

access_time12/08/2020 06:23

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) reconheceu, nesta terça-feira (11), os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Rondônia e Acre, além de duas regiões do Amazonas e do Mato Grosso, como zonas livres da vacinação para febre aftosa. A medida, que já havia sido anunciada, foi confirmada com a assinatura de uma instrução normativa pela ministra Tereza Cristina.

A mudança passa a valer em 1º de setembro. Com isso, o ano de 2020 será o último com vacinação nestes estados.

A normativa, que deve ser publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (12), dá reconhecimento nacional à medida. A partir disso, o governo federal poderá encaminhar o pedido de status internacional à Organização Mundial de Saúde Animal. Com assembleia prevista para maio do ano que vem, a entidade internacional pode emitir a certificação que vai permitir a entrada dos estados em novos mercados mundiais.

Técnicos e especialistas apontam que a retirada da vacinação tem potencial de abrir mercados como Japão, Coreia do Sul, México, Estados Unidos, Chile, Filipinas, China (carne com osso) e Canadá. No setor dos suínos, a expectativa é de que haja um incremento nas exportações em cerca de R$ 600 milhões anuais.

90% do rebanho vacinado no RS

Até agora, o RS já vacinou 90% do rebanho, segundo o secretário da Agricultura, Covatti Filho. Na semana passada, auditores do ministério estiveram na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural do RS para avaliar o cumprimento das exigências feitas para a obtenção do novo status sanitário.

“Vai gerar imenso impacto na economia gaúcha. Com a retirada da vacina, o estado poderá alcançar 70% dos mercados mundiais disponíveis”, afirma Covatti Filho.

A febre aftosa é uma das principais doenças da criação de gado, que começa com aftas na boca dos animais, podendo levar a problemas cardíacos e até a morte. Ela é contagiosa entre os animais, mas não infecta humanos. Conforme o governo federal, o Brasil não registra novos casos desde 2006.

A Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul se manifestou favoravelmente à instrução normativa. Leia abaixo:

A Farsul comunica que, após reunião realizada com os representantes dos sindicatos rurais integrantes da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, apoia o processo de retirada da vacinação contra a febre aftosa no estado. A decisão foi tomada por meio de votação entre os participantes, mantendo a tradição democrática da entidade de ser representante das demandas e posições dos produtores rurais do Rio Grande do Sul. É sabido que ainda existem itens a serem concluídos pelo Governo do Estado para o cumprimento de todo o protocolo estipulado para que o Rio Grande do Sul receba o status de livre de aftosa sem vacinação, pela OIE. Competirá a nós o acompanhamento da evolução desses pontos, auxiliando no que nos cabe e cobrando os que são compromissos de outros. Somos cientes das responsabilidades que cairão sobre os produtores, especialmente quanto a vigilância no campo. Pois, além das dificuldades conhecidas do setor público para tal, são os produtores os principais interessados na manutenção da segurança sanitária no nosso setor. Entretanto, necessitamos que, após a conclusão do processo, tenhamos a garantia do Poder Público de que as medidas apresentadas serão, efetivamente, colocadas em prática para que aquele que é o principal interessado, o produtor rural, tenha tranquilidade em exercer sua atividade sabendo que está respaldado jurídica e sanitariamente.





Por: Por G1 RS

Outras notícias

Comentários