anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
CPMI deve começar ouvindo general Dias, Torres e Mauro Cid

CPMI deve começar ouvindo general Dias, Torres e Mauro Cid

access_time06/06/2023 10:45

As primeiras oitivas da CPMI do 8 de Janeiro devem acontecer com as seis pessoas que mais receberam

Advogado da família de estudante de MT que morreu em show diz que houve falha e omissão

Advogado da família de estudante de MT que morreu em show diz que houve falha e omissão

access_time27/12/2023 18:00

Após a divulgação do laudo que apontou que a jovem Ana Clara Benevides Machado, 23 anos, morreu por

PF prende homem que quebrou relógio de Dom João VI

PF prende homem que quebrou relógio de Dom João VI

access_time24/01/2023 07:54

A Polícia Federal (PF) prendeu o mecânico Antônio Cláudio Alves Ferreira, 30 anos, na tarde da segun

Saiba quais remédios são contraindicados em caso de suspeita de dengue
© Marcello Casal JrAgência Brasil

Saiba quais remédios são contraindicados em caso de suspeita de dengue

Tratamento inclui analgésico, antitérmico e medicamento contra vômito

access_time08/02/2024 06:52

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) alertou, nesta quarta-feira (7), para os remédios contraindicados em caso de suspeita da doença. Segundo o Ministério da Saúde, do início deste ano até a última segunda-feira (5), a doença provocou 36 mortes no país.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da SBI, Alberto Chebabo, citou o ácido acetilsalicílico, ou AAS, conhecido popularmente como aspirina, entre os não recomendáveis, por se tratar de medicação que age sobre plaquetas. "Como já tem uma queda de plaquetas na dengue, a gente não recomenda o uso de AAS”, disse o médico. Corticoides ambém são contraindicados na fase inicial da dengue.

Segundo Chebabo, como a dengue é uma doença viral, para a qual não existe antiviral, os sintomas é são tratados. O tratamento básico inclui analgésico, antitérmico e, eventualmente, medicação para vômito. Os principais sintomas relacionados são febre, vômito, dor de cabeça, dor no corpo e aparecimento de lesões avermelhadas na pele.

O infectologista advertiu que, se tiver qualquer um dos sintomas, a pessoa não deve se medicar sozinha, e sim ir a um posto médico para ser examinada. “A recomendação é procurar o médico logo no início, para ser avaliada, fazer exames clínicos, hemograma, para ver inclusive a gravidade [do quadro], receber orientação sobre os sinais de alarme, para que a pessoa possa voltar caso tais sinais apareçam na evolução da doença”.

Os casos devem ser encaminhados às unidades de pronto atendimento (UPAs) e às clínicas de família.

Sintomas graves
Entre os sinais de alarme, Chebabo destacou vômito incoercível, que não para, não melhora e prejudica a hidratação; dor abdominal de forte intensidade; tonteira; desidratação; cansaço; sonolência e alteração de comportamento, além de sinais de sangramento. “Qualquer sangramento ativo também deve levar à busca de atendimento médico”, alertou. No entanto, a maior preocupação dever ser com a hidratação e com sinais e sintomas de que a pessoa está evoluindo para uma forma grave da doença.

Quanto ao carnaval, o infectologista disse os festejos não agravam o problema da dengue, porque não se muda a forma de transmissão, que é o mosquito Aedes aegypti. “Talvez impacte mais a covid do que a dengue, mas é mais uma questão, porque, no carnaval, há doenças associadas, que acabam aumentando a demanda dos serviços de saúde. Esta é uma preocupação”.

Entre os problemas relacionados ao carnaval, Chebabo destacou traumas, doenças respiratórias e desidratação, que podem sobrecarregar ainda mais o sistema de saúde.

Edição: Nádia Franco





Por: Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Outras notícias

Comentários