anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Máquina agrícola derruba torre de transmissão de energia em Sorriso

Máquina agrícola derruba torre de transmissão de energia em Sorriso

access_time06/11/2020 18:25

Uma máquina agrícola colidiu, na manhã desta sexta-feira (06), com uma torre de distribuição de ener

Moradora de rua é morta a pedradas às margens de rio em Cuiabá

Moradora de rua é morta a pedradas às margens de rio em Cuiabá

access_time10/12/2018 00:39

Uma moradora de rua foi assassinada a pedradas no final da manhã deste domingo (9), na região do Bai

Sobe para 20 o número de cães supostamente mortos por envenenamento em MT

Sobe para 20 o número de cães supostamente mortos por envenenamento em MT

access_time16/01/2019 07:53

De acordo com um grupo de proteção ao animais de Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, já mais de 20 de

Startup dos EUA quer voos de 4 horas por US$ 100 para qualquer lugar do mundo

Startup dos EUA quer voos de 4 horas por US$ 100 para qualquer lugar do mundo

Empresa promete construir avião supersônico zero carbono e encurtar – muito – o tempo de viagem em voos internacionais

access_time19/05/2021 10:14

A indústria da aviação está em crise, há uma pressão global para reduzir as emissões de carbono e muitos de nós não entramos em um avião ou abraçamos pessoas queridas que moram longe há mais de um ano.

No momento em que vivemos, reviver o sonho de colocar um avião supersônico para voar comercialmente parece uma fantasia. O avião franco-britânico Concorde, um dos dois únicos jatos supersônicos a operar comercialmente, voou de 1969 a 2003 e foi ridiculamente caro, além de um desastre ambiental.

Mas agora um novo grupo de startups está trabalhando em projetos supersônicos e hipersônicos. Em outubro passado, a Boom Supersonic foi a primeira a lançar uma aeronave de demonstração, o XB1.

A CNN Internacional conversou com seu fundador e CEO, Blake Scholl, para falar sobre a Overture, o avião comercial Mach 2.2, que ele deseja colocar no ar até 2026 e os ambiciosos planos de longo prazo da empresa.

Quebrando a barreira do tempo
"Ou falhamos, ou mudamos o mundo", disse Scholl em uma videochamada de Denver, no estado norte-americano do Colorado.

Não houve grande aceleração nos tempos de viagem desde a Era do Jato dos anos 50 e 60 e sua equipe espera mudar isso. "Essa barreira do tempo é o que nos mantém separados. Acreditamos que é muito importante quebrar a barreira do tempo, mais do que a barreira do som."

Projetado para acomodar entre 65 e 88 pessoas, a Overture se concentrará em mais de 500 rotas transoceânicas que se beneficiarão das velocidades Mach-2.2 da aeronave – cerca de três vezes mais rápido que os jatos comerciais subsônicos de hoje.

Uma viagem de Nova York a Londres levaria apenas três horas e 15 minutos – hoje leva cerca de 7 horas –, enquanto Los Angeles a Sydney seria reduzida para oito horas e meia – trajeto que hoje é percorrido em 15 horas. 

Romper a barreira do tempo pode mudar minha vida, diz Scholl. "Muda onde podemos tirar férias, muda onde podemos fazer negócios, mudanças pelas quais você pode se apaixonar."

Qualquer lugar em 4 horas
O cronograma atual da Boom Supersonic é voar com a aeronave protótipo XB1, que tem um terço do tamanho do projeto final, "por volta do final do ano", inaugurar uma nova fábrica nos EUA em 2022 (local a ser definido) e, em seguida, começar a construir o primeiro avião Overture em 2023.

“Nós nos vemos retomando de onde o Concorde parou e consertando as coisas mais importantes que são a sustentabilidade econômica e ambiental”, diz Scholl.

Acessibilidade é a chave. Seu objetivo é que as companhias aéreas possam definir tarifas em um nível de preço semelhante ao da classe executiva, ao contrário do Concorde, que nos anos 90 cobrava cerca de US$ 12.000 para uma viagem de ida e volta, ou US$ 20.000 no valor atual.

"Isso não é viajar, é algo que você pode esperar fazer uma vez na vida, contra onde queremos chegar, que é em qualquer lugar do mundo em quatro horas por US$ 100."

Sim, você leu direito.

“Agora vamos levar algum tempo para chegar lá”, diz Scholl. O sonho de quatro horas e US$ 100 é o objetivo de longo prazo da Boom, duas ou três gerações de aeronaves no futuro.

“Muitas pessoas pensam um ou dois passos à frente”, diz ele. “Acho útil pensar muito mais longe e dizer: 'onde queremos estar em uma ou duas décadas? E o que é possível nessa escala de tempo?’ Então você trabalha de trás para frente e diz: 'como vamos chegar lá?'”.

Oportunidade durante a pandemia
A Boom planeja alcançar seu objetivo projetando um novo avião 100% neutro em carbono do zero. O atual momento difícil do mundo foi, na verdade, um bônus não intencional.

“Eu não desejaria a pandemia no mundo, mas na verdade vai acelerar a adoção do supersônico”, diz Scholl.

As companhias aéreas tiveram que reduzir o tamanho de suas frotas e, em alguns casos, isso forçou uma aposentadoria precoce para jatos de fuselagem larga, como o Boeing 777 e o Airbus A380.

"Conforme as coisas voltam ao modo de crescimento", diz Scholl, "há uma oportunidade de construir uma frota de nova geração que é supersônica embutida nela. Isso realmente torna a tecnologia mais fácil de adotar."

"A física não permite que você projete um jato supersônico feio", diz Scholl. Mas por mais chique que seu exterior possa ser, "tem quase o mesmo formato de um 757, então cabe em portões estreitos, o que realmente faz com que as companhias aéreas realmente o amem."

Portões de grande porte são valiosos nos aeroportos congestionados de hoje, então pode ser difícil de encontrar espaço para aviões grandes e gordos – mas não para um humilde Boeing 557, 737 ou, diz, Scholl, uma Overture, da Boom.

Experiência a bordo
"Um supersônico tem algumas vantagens embutidas", diz Scholl. "Por exemplo, se você não quer estar em um avião porque está preocupado com a próxima pandemia, é melhor ficar no avião por um período de tempo mais curto."

A primeira missão da Boom, diz ele, era ser rápido o suficiente para fazer a diferença. Embora, em última análise, sua equipe queira ser capaz de conectar qualquer ponto do mundo em quatro horas, neste estágio, um objetivo principal era ser capaz de transformar um voo noturno em um voo diurno.

“Em vez de pagar na classe executiva por uma cama voadora, você ganha a melhor cama do mundo, que é a da sua casa na noite anterior à sua partida”, diz Scholl.

Com menos foco nas comodidades de longa distância, isso significa que a equipe foi capaz de se concentrar em tornar a experiência a bordo limpa, organizada e o mais relaxada possível.

Neutro em carbono
Para muitos, é difícil afastar a ideia de que a viagem supersônica deve ser inerentemente cara e um desperdício. Mas diz Scholl: "ajuda lembrar que estamos falando sobre a tecnologia dos anos 1960. Muita coisa mudou."

A tecnologia de aviões "foi do alumínio para a fibra de carbono, de papel de desenho e réguas de cálculo e túneis de vento para ser capaz de otimizar aviões para simulação de computador. Mudamos completamente a forma como construímos motores a jato, então agora eles são mais silenciosos e economizam mais combustível "

Isso significa que os custos do voo supersônico diminuíram e, ao mesmo tempo, agora podemos construir um suporte para combustíveis alternativos.

"O que você basicamente faz é sugar o carbono da atmosfera, liquefazê-lo no combustível de aviação e depois colocá-lo no avião", diz Scholl. "Então, quando ele sai pela parte de trás do avião, você está apenas movendo o carbono em um círculo."

'Uma meta audaciosa'
Então, quão realista é a ambição de longo prazo da Boom Supersonic de se conectar a qualquer lugar do mundo em quatro horas, a um preço de apenas US$ 100, em dinheiro de hoje?

"É uma meta audaciosa!" diz o professor Sean O'Keefe, um especialista da indústria de aviação na Univesidade de Syracuse, que serviu como ex-presidente da Airbus e secretário da Marinha dos EUA. "E às vezes é isso que é necessário: conseguir que alguém que realmente acredita em sua capacidade de fazer algo assim realmente faça acontecer."

O maior obstáculo é que "além de apenas atingir a velocidade, ele gera uma quantidade feroz de calor. Qualquer motor convencional que você montasse derreteria." São necessários mais avanços na ciência dos materiais – e isso depende de mais invenções ou descobertas.

Embora seja viável, O'Keefe avalia que "isso vai exigir duas ou três gerações de tecnologia, desenvolvimento e inovação – o que equivale a cerca de 20 anos".

O interesse no projeto da Boom tem sido alto. Algumas semanas atrás, Scholl falou ao Subcomitê de Aviação da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e, em abril, a American Express Ventures foi o mais recente investidor de alto perfil a abrir sua carteira. A Boom diz que atualmente tem US$ 6 bilhões em encomendas de aeronaves Overture.

O concorrente mais quente da Boom na corrida supersônica é a Aerion, com sede na Flórida, que em março de 2021 revelou seus planos para um avião comercial Mach 4+ chamado Aerion AS3, que seria capaz de transportar 50 passageiros.





Por: Maureen O'Hare, da CNN Internacional

Outras notícias

Comentários