anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Menino de 6 anos cai de carroceria de caminhonete e morre

Menino de 6 anos cai de carroceria de caminhonete e morre

access_time21/11/2023 11:14

O pequeno Thierry Rafael da Silva Santos, 6 anos, morreu no domingo (19), depois de cair da carrocer

Justiça nega pedido de lobista do VLT de Cuiabá preso por tráfico internacional de drogas

Justiça nega pedido de lobista do VLT de Cuiabá preso por tráfico internacional de drogas

access_time20/06/2023 07:04

O juiz federal Fábio Roque da Silva Araújo, da 2ª Vara Criminal da Justiça Federal da Bahia, negou o

Itaú acende alerta vermelho para a economia sob Lula

Itaú acende alerta vermelho para a economia sob Lula

access_time12/01/2023 17:49

O Itaú Asset, braço de gestão de recursos do banco Itaú, alertou para os impactos políticos e econôm

STF anula apreensão de quase 700 quilos de cocaína
O ministro Nunes Marques seguiu interpretação de Fachin, no caso | Foto: Felipe Sampaio/SCO/STF

STF anula apreensão de quase 700 quilos de cocaína

Ministros da 2ª Turma entenderam que falta de mandado judicial invalidou a prova

access_time07/06/2023 10:13

A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) acatou recurso de um réu e invalidou a apreensão de cerca de 700 quilos (kg) de cocaína em um galpão no Porto de Itaguaí (RJ).

A droga foi apreendida em uma ação das polícias Federal e Civil, em 2021. Escondido em pequenas porções em mangas (frutas), o entorpecente seria levado à Europa. O voto do relator Nunes Marques, em favor do réu, foi seguido por unanimidade pelos outros quatro ministros.

Em agosto do ano passado, a 2ª Turma já havia declarado, em relação a outro réu do mesmo caso, a nulidade da prova. Seguindo o voto do então relator Edson Fachin, os ministros entenderam que os policiais entraram no local sem mandado de busca, o que invalida a prova.

Policiais federais receberam denúncia anônima sobre o tráfico internacional e passaram a fazer vigilância no local. Em uma investigação autônoma, policiais civis, que também averiguavam a mesma situação, entraram no galpão. Foram seguidos, então, pelos federais.

STF, MPF e cocaína

Para o Ministério Público Federal (MPF), não houve qualquer ilegalidade, tampouco invasão de domicílio.

“A dinâmica da operação policial bem demonstra que o ingresso no galpão se alicerçou na presença de razoável suspeita da prática de crime de tráfico de drogas, levando os policiais a empreender averiguações, que, robustecidas pela movimentação e demais circunstâncias atípicas identificadas nas proximidades do galpão, mostraram-se ao final exitosas, com a pronta apreensão de quase 700 kg de cocaína, já em vias de ser remetidas para o exterior, e a subsequente prisão em flagrante dos réus”, afirmou o MPF, no recurso contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).

Fachin, contudo, relator daquele habeas corpus de 2022, entendeu que os policiais não conseguiram apresentar, de maneira clara, as “fundadas razões” para entrar no galpão sem autorização judicial. A jurisprudência entende que só é “lícita a entrada forçada em domicílio, sem mandado judicial, quando amparada em fundadas razões, o que não ocorre na espécie, na medida em que o tribunal de origem asseverou que ‘os policiais federais não conseguiram justificar de maneira clara, concreta e objetiva, para além da referência a informações de inteligência policial e ao ingresso prévio da polícia civil ao local, que estavam diante de uma situação de flagrante delito’”, sustentou o ministro.

Agora, no julgamento do segundo réu do caso, o ministro Nunes Marques invocou a interpretação de Fachin para invalidar a prova. “Entendo que as situações fáticas e processuais apresentadas pelo embargante são idênticas àquelas relativas ao corréu, notadamente quanto à ilicitude da prova obtida ante a apreensão das drogas”, disse. “Dessa forma, a mesma decisão deve beneficiar o réu deste segundo processo.”

Sessão da 2ª Turma do STF em 23/05/2023 | Foto: Divulgação/STF





Por: Cristyan Costa e Loriane Comeli da Revista Oeste

Outras notícias

Comentários