ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Vendas do comércio crescem 0,3% de fevereiro para março, diz IBGE

Vendas do comércio crescem 0,3% de fevereiro para março, diz IBGE

access_time09/05/2019 09:53

O volume de vendas do comércio varejista brasileiro cresceu 0,3% na passagem de fevereiro para março

Facebook terá centro de operações para acompanhar eleições no Brasil

Facebook terá centro de operações para acompanhar eleições no Brasil

access_time12/05/2022 13:02

A Meta, empresa que gerencia o Facebook, Instagram e WhatsApp, informou que vai montar um centro de

Mato Grosso receberá 3 mil testes para diagnóstico de Covid-19 doados pela Petrobras

Mato Grosso receberá 3 mil testes para diagnóstico de Covid-19 doados pela Petrobras

access_time16/05/2020 10:40

Um lote de 3 mil testes para diagnóstico de Covid-19 será doado ao Laboratório Central do Mato Gross

STF determina novo júri diante de absolvição de réu contra provas dos autos

STF determina novo júri diante de absolvição de réu contra provas dos autos

Decisão é da 1ª turma

access_time10/03/2020 22:37

Por maioria de votos, a 1ª turma do STF decidiu que o Tribunal do Júri pode realizar nova deliberação em processo-crime julgado de forma contrária às provas. A decisão foi tomada na sessão desta terça-feira, 10, em recurso que trata da possibilidade de o MP recorrer de julgamento em que o Júri absolve o réu, mesmo após admitir a existência de materialidade e de indícios de autoria ou participação no delito.

A turma começou a julgar o caso em dezembro de 2019. O relator, ministro Marco Aurélio, votou pelo provimento do RHC, por entender que não se trata de contradição, pois o júri havia respondido "sim" à pergunta “O jurado absolve o acusado?”, contida no CPP. Ele observou que o Conselho de Sentença não é um órgão técnico e tem liberdade de decisão.

O ministro Alexandre de Moraes abriu divergência. Ele admite a possibilidade de recurso para que seja realizado novo julgamento pelo Júri quando uma das partes entender que a decisão foi contrária às provas, como ocorreu no caso. “A palavra final sobre o mérito da acusação é do Júri”, afirmou. “Se o Júri entender novamente dessa maneira, não cabe novo recurso”. O ministro Luís Roberto Barroso votou no mesmo sentido.

Na sessão de hoje, o ministro Luiz Fux acompanhou a divergência. Para S. Exa., apesar de a lei ter incluído o novo quesito absolutório a ser respondido pelo Júri, isto não inibe o parquet de interpor um recurso referente à absolvição contra a prova dos autos. A ministra Rosa Weber seguiu o relator.





Por: Migalhas

Outras notícias

Comentários