ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Jovem denuncia namorado por obrigá-la a manter relações sexuais com outros homens na frente dele

Jovem denuncia namorado por obrigá-la a manter relações sexuais com outros homens na frente dele

access_time21/02/2020 15:50

Uma jovem de 19 anos denunciou o namorado, com quem convive há dois anos, por obrigá-la a manter rel

Juiz absolve Temer e outros acusados do

Juiz absolve Temer e outros acusados do "quadrilhão do MDB"

access_time06/05/2021 08:00

Nesta quarta-feira, 5, o juiz Federal Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª vara Federal do DF, absolv

Avião transportando combustível cai e explode no Pará; piloto morre

Avião transportando combustível cai e explode no Pará; piloto morre

access_time10/09/2021 20:41

Uma aeronave acabou explodindo, hoje, em uma região de garimpo localizada entre os municípios de Ita

STF forma maioria para proibir Ministério da Justiça de montar 'dossiê antifascista'

STF forma maioria para proibir Ministério da Justiça de montar 'dossiê antifascista'

access_time14/05/2022 08:31

É considerado desvio de finalidade o uso da máquina para produção e compartilhamento de informações sobre servidores que se opõem ao governo Bolsonaro. Em torno desse entendimento, o Supremo Tribunal Federal formou maioria para julgar inconstitucional a produção do dossiê elaborado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, com informações sobre servidores classificados como "antifascistas".

A relatora, ministra Cármen Lúcia, votou contra a produção dos dossiês. Os ministros Rosa Weber, Lewandowski, Alexandre, Toffoli, Luiz Edson Fachin, Barroso e Fux seguiram o voto da relatora. O ministro André Mendonça, que era ministro da Justiça à época, se declarou suspeito.

"O uso da máquina estatal para a colheita de informações de servidores com postura política contrária ao governo caracteriza desvio de finalidade e afronta aos direitos fundamentais de livre manifestação do pensamento, de privacidade, reunião e associação", afirmou a ministra em voto.

O julgamento no STF foi motivado por ação apresentada pela Rede Sustentabilidade contra o Ministério da Justiça por promover a investigação sigilosa. Por outro lado, tanto a Advocacia-Geral da União, quanto a Procuradoria-Geral da República defenderam o monitoramento do Ministério como legítimo, configurando atividade de inteligência.

Em agosto de 2020, o Plenário já tinha determinado que a pasta não podia juntar dados sobre a vida pessoal, além de escolhas pessoais e políticas de servidores públicos e professores universitários.

A determinação aconteceu após notícia de que o Ministério da Justiça fez uma investigação sigilosa para mapear um grupo de 579 servidores federais e estaduais de segurança e três professores universitários identificados como participantes do "movimento antifascismo".

Clique aqui para ler o voto da relatora
ADPF 722





Por: Conjur

Outras notícias

Comentários