Kurupí
Notícias recentes
Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

access_time22/05/2019 09:59

O governo federal publicou hoje (22) novo decreto que altera regras do Decreto nº 9.785, de 7 de mai

Saúde de MT deve receber investimentos de quase R$ 170 milhões da bancada federal

Saúde de MT deve receber investimentos de quase R$ 170 milhões da bancada federal

access_time31/10/2018 08:27

Mato Grosso deve receber um recurso de R$ 169 milhões por meio da emenda impositiva definida pela ba

MP recebe 4,3 mil denúncias de trabalho infantil por ano

MP recebe 4,3 mil denúncias de trabalho infantil por ano

access_time12/06/2019 08:30

De 2014 a 2018, o Ministério Público do Trabalho (MPT) registrou mais de 21 mil denúncias de trabalh

STF retoma julgamento de prisão após condenação em segunda instância
José Cruz/Agência Brasil

STF retoma julgamento de prisão após condenação em segunda instância

access_time07/11/2019 08:46

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (7), às 14h, o julgamento sobre a constitucionalidade da execução provisória de condenações criminais, conhecida como prisão após segunda instância. A expectativa é de que o julgamento seja finalizado hoje, quando ocorre a quinta sessão da Corte para discutir a questão.

Até o momento, o placar do julgamento está 4 votos a 3 a favor da medida. Faltam os votos dos ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Dias Toffoli e da ministra Cármen Lúcia.

No dia 17 de outubro, a Corte começou a julgar definitivamente três ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs), relatadas pelo ministro Marco Aurélio e protocoladas pela Ordem dos Advogados, pelo PCdoB e pelo antigo PEN, atual Patriota.

O entendimento atual do Supremo permite a prisão após condenação em segunda instância, mesmo que ainda seja possível recorrer a instâncias superiores. No entanto, a OAB e os partidos sustentam que o entendimento é inconstitucional e uma sentença criminal somente pode ser executada após o fim de todos os recursos possíveis, fato que ocorre no STF e não na segunda instância da Justiça, nos tribunais estaduais e federais. Dessa forma, uma pessoa condenada só vai cumprir a pena após decisão definitiva do STF.

A questão foi discutida recentemente pelo Supremo ao menos quatro vezes. Em 2016, quando houve decisões temporárias nas ações que estão sendo julgadas, por 6 votos a 5, a prisão em segunda instância foi autorizada. De 2009 a 2016, prevaleceu o entendimento contrário, de modo que a sentença só poderia ser executada após o Supremo julgar os últimos recursos.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o julgamento terá impacto na situação de 4,8 mil presos com base na decisão do STF que autorizou a prisão em segunda instância. Os principais condenados na Operação Lava Jato podem ser beneficiados, entre eles, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril do ano passado, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ter sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no caso do tríplex do Guarujá (SP), além do ex-ministro José Dirceu e ex-executivos de empreiteiras.





Por: André Richter – Repórter da Agência Brasil

Outras notícias

Comentários