anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
China tem hospitais lotados com casos de doenças respiratórias

China tem hospitais lotados com casos de doenças respiratórias

access_time24/11/2023 10:45

Hospitais em Pequim e no norte da China têm enfrentado uma onda de casos de doenças respiratórias em

Suprema Corte da Venezuela impede líder da oposição de concorrer nas eleições

Suprema Corte da Venezuela impede líder da oposição de concorrer nas eleições

access_time27/01/2024 09:55

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela confirmou a proibição da líder da oposição, María C

PL e Novo escolhem nomes para CPMI no Senado

PL e Novo escolhem nomes para CPMI no Senado

access_time25/04/2023 16:54

No Senado, o Bloco Vanguarda (composto do PL e do Novo) já escolheu os nomes que vão integrar a Comi

STF retoma julgamento do marco temporal sob olhar atento do Senado
No STF, o placar marca 4 votos a 2 contra a tese do marco temporal (foto: Nelson Jr./SCO/STF)

STF retoma julgamento do marco temporal sob olhar atento do Senado

Enquanto o tribunal já tem 4 votos para rejeitar a tese de que os indígenas só podem reivindicar terras já ocupadas em 5 de outubro de 1988, a CCJ da Casa caminha para aprovar um parecer em sentido contrário

access_time19/09/2023 20:21

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) retoma nesta quarta-feira, 20, o julgamento do recurso extraordinário que discute o marco temporal das terras indígenas. Com repercussão geral reconhecida, o tema é polêmico e alvo de tensões entre o Judiciário e o Legislativo, bem como entre ruralistas e comunidades indígenas. Parlamentares acusam a Corte de invasão de competências, falam em “atropelos” e preparam uma ofensiva no Senado Federal. No STF, o placar marca 4 votos a 2 contra a tese do marco temporal. Isto é: a maioria dos ministros que já se manifestaram entende que o direito à terra pelas comunidades indígenas deve prevalecer, ainda que não estivessem no local em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal. Até o momento, votaram pela rejeição do texto os ministros Edson Fachin (relator), Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin e Luís Roberto Barroso, enquanto Nunes Marques e André Mendonça defendem que a data da Constituição deve ser fixada como marco temporal da ocupação. Os ministros Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Luiz Fux, Rosa Weber e Gilmar Mendes ainda vão votar.

Enquanto a Suprema Corte se prepara para retomar o julgamento em plenário a partir das 14 horas, com chances reais de formar maioria contra a fixação do marco temporal, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal se reúne às 9h30 desta quarta-feira para votar o parecer do relator, senador Marcos Rogério (PL-RO), ao projeto de lei que caminha no sentido oposto e estabelece a data da promulgação da Constituição como parâmetro de marco temporal. O movimento de lideranças contra a proposta ganhou força após o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para criminalizar qualquer porte ou posse de droga – tema também considerado um “atropelo” do STF frente ao Congresso Nacional. A votação do PL do marco temporal faz parte de um pacote de projetos que uma ala do Senado quer levar adiante no Congresso Nacional, em uma espécie de resposta a julgamentos que têm ocorrido na mais alta instância do Judiciário brasileiro. Além da questão envolvendo a demarcação de terras indígenas, líderes da Casa discutem propostas sobre desapropriação de terras, aborto e imposto sindical. O projeto do marco temporal foi aprovado na Câmara dos Deputados no final de maio deste ano, após 15 anos de tramitação. O texto foi aprovado pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) em agosto, com a relatora, senadora Soraya Thronicke (Podemos-MS), rejeitando dez emendas para alteração no texto. Se aprovada pela CCJ do Senado, a matéria segue para decisão do plenário.

O que diz a proposta?

Aprovado com 283 votos favoráveis na Câmara, sob regime de urgência e votação “a toque de caixa”, o projeto de lei propõe que, para ser considerada “terra indígena tradicionalmente ocupada”, será necessário comprovar que o local estava habitado pela comunidade indígena em caráter permanente e utilizada para atividades produtivas na data da promulgação da Constituição. Segundo o texto, também será preciso demonstrar que as terras reivindicadas eram necessárias para a reprodução cultural indígena e a preservação dos recursos ambientais necessários ao seu bem-estar. Se não confirmada a habitação do local pretendido para demarcação em 5 de outubro de 1988, fica descaracterizada a ocupação permanente exigida em lei. O projeto também proíbe a ampliação de terras indígenas já demarcadas e declara nulas as demarcações que não atendam aos novos preceitos.

Palavra do relator

O senador Marcos Rogério defende que o projeto busca garantir segurança jurídica ao campo e às comunidades indígenas. Em entrevista, o parlamentar defendeu que o texto procura explicitar o que já diz a Constituição. “Essa é uma questão que estava resolvida no texto constitucional, a norma me parecia clara. A própria decisão do caso da Raposa Serra do Sol (no Supremo) fixou esse entendimento. Colocou condicionantes na época para aquele caso, que foi o caso de paradigma. Mas recentemente o tema voltou ao Supremo Tribunal Federal e hoje está em julgamento, trazendo novamente inquietação para o campo, insegurança. E com isso pressionou o Congresso Nacional para reafirmar o entendimento”, disse o senador. Para ele, embora o STF, uma vez provocado, submeta o tema a julgamento, cabe ao Parlamento discutir e votar as leis: “Cada um cumprindo o seu papel”, alegou. “O parlamento tem a prerrogativa de legislar, tem a prerrogativa de disciplinar aquilo que entende ser o melhor caminho para o Brasil. Nesse caso, o que o parlamento está fazendo é dar concretude àquilo que está na Constituição Federal, que é estabelecer o marco temporal em 5 de outubro de 1988”, acrescentou.





Por: Jovem Pan

Outras notícias

Comentários