Spigreen
Notícias recentes
Bolsonaro nomeia braço direito de Ramagem na Abin para comandar PF

Bolsonaro nomeia braço direito de Ramagem na Abin para comandar PF

access_time04/05/2020 10:53

O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta segunda-feira o delegado Rolando Alexandre de Souza como no

Paisagista pede que pessoas não se omitam ao ouvir pedido de socorro

Paisagista pede que pessoas não se omitam ao ouvir pedido de socorro

access_time26/02/2019 07:22

A paisagista Elaine Caparroz, violentamente agredida durante um encontro, pelo advogado Vinícius Ser

Onyx Lorenzoni é nomeado ministro extraordinário de Bolsonaro

Onyx Lorenzoni é nomeado ministro extraordinário de Bolsonaro

access_time05/11/2018 06:56

O deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) foi nomeado, nesta segunda-feira (5), ministro extraordin

STJ mantém decisão que autoriza aéreas a cobrar bagagem despachada
Antonio Cruz/Agência Brasil

STJ mantém decisão que autoriza aéreas a cobrar bagagem despachada

access_time25/04/2019 06:26

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu quarta-feira (24) que a Justiça Federal no Ceará deve julgar a questão sobre a validade da resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que permitiu a cobrança pelo despacho de bagagem pelas companhias aéreas no Brasil. Com isso, fica mantida a decisão daquela instância que permitiu a cobrança pelo despacho dos volumes. Por maioria de votos, a Primeira Seção do STJ também decidiu que a Justiça do Ceará é a responsável pelo julgamento do caso.

Desde a entrada em vigor da Resolução nº 400/2016 da Anac, houve várias decisões judiciais conflitantes sobre o tema. O caso foi decidido com base em um recurso da Anac e do Ministério Público Federal (MPF), que queria a suspensão das regras.

A autorização para que as empresas passem a cobrar pelos itens despachados foi aprovada pela Anac em dezembro de 2016 e entrou em vigor em junho de 2017.

Desde então, o passageiro tem direito a transportar como bagagem de mão um volume de até 10 quilos em viagens nacionais e internacionais, com limite de até 55 centímetros (cm) de altura por 40 cm de comprimento.

A mesma norma extinguiu a franquia de bagagem, pela qual o passageiro tinha o direito de despachar gratuitamente um volume de até 23 quilos.

Segundo a agência, a medida é uma prática comum em outros países, e uma das ideias era oferecer preços menores para passageiros que não precisam despachar bagagem.





Por: André Richter - Repórter da Agência Brasil

Outras notícias

Comentários