Kurupí
Notícias recentes
Mulher leva três tiros na cabeça ao buscar filha na casa do ex-marido e é internada em estado grave

Mulher leva três tiros na cabeça ao buscar filha na casa do ex-marido e é internada em estado grave

access_time06/09/2018 07:37

Juliano de Souza Lima, de 28 anos, é procurado pela Polícia Militar suspeito de ter efetuado três ti

Dólar sobe e volta a encostar em R$ 3,60

Dólar sobe e volta a encostar em R$ 3,60

access_time09/05/2018 09:46

O dólar operava em alta no início do pregão desta quarta-feira (9), após encostar em R$ 3,60 na vésp

No auge da carreira, Tite completa 57 anos às vésperas da Copa do Mundo

No auge da carreira, Tite completa 57 anos às vésperas da Copa do Mundo

access_time25/05/2018 13:30

O técnico Tite completa 57 anos nesta sexta-feira, a exatos 20 dias de se tornar a 15º pessoa a coma

STJ rejeita denúncia de corrupção contra governador do Pará
O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) — Foto: Antonio Silva/Ag. Pará

STJ rejeita denúncia de corrupção contra governador do Pará

Simão Jatene (PSDB) era acusado de ter recebido propina e doações ilegais para campanha eleitoral em 2002. Para ministros do STJ, prática do crime não foi comprovada

access_time20/09/2018 08:28

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta quarta-feira (19) uma denúncia por corrupção passiva contra o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB).

A acusação baseia-se em fatos de 2002, antes de o tucano assumir o governo do Estado no ano seguinte. O caso envolve uma lei, sancionada em 2003, que teria levado ao perdão parcial de dívidas tributárias da Cervejaria Paraense.

Jatene era acusado de receber propinas e doações ilegais de mais de R$ 16 milhões para a campanha eleitoral em 2002. A contrapartida seria a concessão de incentivos fiscais e perdão de dívida fazendária da cervejaria.

A maioria dos ministros acompanhou o voto do relator, ministro Napoleão Nunes. Ele considerou que as provas apresentadas não comprovam a prática do crime.

“Um exame detido do inquérito não indica que o governador do estado nem mesmo quando era candidato tenha participado da supostas reuniões que teriam decidido pela remição tributária. Não há nenhuma prova sobre isso”, afirmou o relator.

Maria Thereza foi a única a divergir e votar pelo recebimento da denúncia. A ministra considerou que há base empírica no processo que justificaria a admissibilidade da denúncia, mas ficou vencida.

“Concluo pela materialidade de indício de autoria e suporte mínimo para a submissão do escrutínio”, afirmou a magistrada.





Por: G1

Outras notícias

Comentários