anuncie aqui
Notícias recentes
Secretária de Saúde de Peixoto de Azevedo alerta população para vacinação contra sarampo

Secretária de Saúde de Peixoto de Azevedo alerta população para vacinação contra sarampo

access_time17/07/2018 16:49

Apesar da eliminação da circulação do vírus do sarampo, a Secretária de Saúde do município de Peixot

Brasil vai sediar Cúpula do Brics em novembro

Brasil vai sediar Cúpula do Brics em novembro

access_time13/03/2019 07:51

Pela terceira vez, o Brasil vai sediar uma Cúpula do Brics (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, C

Convite Audiência Pública dia 05 de Junho de 2018

Convite Audiência Pública dia 05 de Junho de 2018

access_time30/05/2018 12:04

CONVITE DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 1º QUADRIMESTRE/2018 Realização: 05/06/2018 A Prefeitura Munic

STJ rejeita denúncia de corrupção contra governador do Pará
O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) — Foto: Antonio Silva/Ag. Pará

STJ rejeita denúncia de corrupção contra governador do Pará

Simão Jatene (PSDB) era acusado de ter recebido propina e doações ilegais para campanha eleitoral em 2002. Para ministros do STJ, prática do crime não foi comprovada

access_time20/09/2018 08:28

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta quarta-feira (19) uma denúncia por corrupção passiva contra o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB).

A acusação baseia-se em fatos de 2002, antes de o tucano assumir o governo do Estado no ano seguinte. O caso envolve uma lei, sancionada em 2003, que teria levado ao perdão parcial de dívidas tributárias da Cervejaria Paraense.

Jatene era acusado de receber propinas e doações ilegais de mais de R$ 16 milhões para a campanha eleitoral em 2002. A contrapartida seria a concessão de incentivos fiscais e perdão de dívida fazendária da cervejaria.

A maioria dos ministros acompanhou o voto do relator, ministro Napoleão Nunes. Ele considerou que as provas apresentadas não comprovam a prática do crime.

“Um exame detido do inquérito não indica que o governador do estado nem mesmo quando era candidato tenha participado da supostas reuniões que teriam decidido pela remição tributária. Não há nenhuma prova sobre isso”, afirmou o relator.

Maria Thereza foi a única a divergir e votar pelo recebimento da denúncia. A ministra considerou que há base empírica no processo que justificaria a admissibilidade da denúncia, mas ficou vencida.

“Concluo pela materialidade de indício de autoria e suporte mínimo para a submissão do escrutínio”, afirmou a magistrada.





Por: G1

Outras notícias

Comentários