ALUGAR CAMPO
Notícias recentes
Mundo viveu o mês de agosto mais quente da história, diz agência

Mundo viveu o mês de agosto mais quente da história, diz agência

access_time22/09/2023 14:08

O mundo viveu o mês de agosto mais quente de sua história em 2023. Segundo dados divulgados pela Agê

Lula manda pagar R$ 9 bilhões das emendas de relator

Lula manda pagar R$ 9 bilhões das emendas de relator

access_time10/05/2023 12:04

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva mandou pagar R$ 9 bilhões em emendas de relator que tinham si

Brasil é mais rígido ao punir participantes de atos do 8 de janeiro do que os EUA por invasão ao Capitólio

Brasil é mais rígido ao punir participantes de atos do 8 de janeiro do que os EUA por invasão ao Capitólio

access_time15/09/2023 12:42

Na mesma semana em que o Supremo Tribunal Federal deu início os julgamentos dos primeiros réus pelos

Suprema Corte da Venezuela impede líder da oposição de concorrer nas eleições
Decisão contra María Corina Machado aumenta obstáculos da oposição na Venezuela (AP Photo/Jesus Vargas)

Suprema Corte da Venezuela impede líder da oposição de concorrer nas eleições

María Corina Machado está impedida de concorrer a cargos públicos por 15 anos sob a acusação de ter participado de esquema de corrupção vinculado Guaidó; medida foi criticada por políticos e ativistas

access_time27/01/2024 09:55

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela confirmou a proibição da líder da oposição, María Corina Machado, de ocupar cargos públicos por 15 anos. A decisão aumenta os obstáculos para a oposição nas eleições e favorece a permanência do ditador Nicolás Maduro no poder. Além de Corina Machado, Henrique Capriles, outra figura proeminente da oposição, também teve confirmada sua inabilitação por 15 anos. Enquanto isso, Leocenis García e Richard Mardo tiveram suas inabilitações canceladas. A medida do TSJ é criticada por políticos e ativistas venezuelanos, que a consideram uma tentativa do regime de enfraquecer a oposição, retirando suas principais figuras do cenário político.

A decisão baseia-se em alegações de que María Corina Machado teria participado de um esquema de corrupção vinculado a Juan Guaidó, durante o período de 2019 a 2023, quando este foi reconhecido como presidente interino por parte da oposição e de outros países. A decisão também levanta preocupações sobre a violação do Tratado de Barbados, assinado entre o governo e a oposição, que buscava garantir eleições livres e justas em troca do relaxamento de sanções dos Estados Unidos. Além disso, a situação política na Venezuela se intensifica com a prisão de colaboradores de María Corina Machado por supostas conspirações. O procurador-geral do país, Tarek William Saab, indiciou líderes regionais da sua campanha por envolvimento em uma suposta conspiração contra o governo.

Apesar das pressões, a oposição reafirma sua intenção de manter a rota eleitoral, considerando a decisão do TSJ como um obstáculo, mas sem abandonar a via democrática. O enfraquecimento do regime de Maduro é percebido como a principal razão para sua postura mais defensiva e agressiva contra os opositores. A Constituição venezuelana e a inabilitação de mais de 1.400 cidadãos para cargos públicos desde 2002 levantam questões sobre a legalidade dessas sanções administrativas. A Noruega, envolvida nas negociações entre Maduro e a oposição, propôs um mecanismo de revisão das inelegibilidades, mas as recentes decisões do TSJ indicam uma falta de avanço nesse processo. A crise política e as ameaças de reversão de medidas pelos Estados Unidos intensificam a instabilidade interna no país, enquanto Maduro declara que os acordos assinados com a oposição estão “mortalmente feridos”.

*Com informações do Estadão Conteúdo





Por: Jovem Pan

Outras notícias

Comentários