anuncie aqui 596-81
Notícias recentes
Proposta do Governo de MT que libera pesca de mais de 100 espécies de peixes é aprovada em 2ª votação na AL

Proposta do Governo de MT que libera pesca de mais de 100 espécies de peixes é aprovada em 2ª votação na AL

access_time28/02/2024 13:00

A proposta do Governo de Mato Grosso para flexibilização da Lei do Transporte Zero foi aprovada pelo

Quadro ‘amaldiçoado’ é devolvido duas vezes na Inglaterra após assustar compradores: ‘Ela voltou’

Quadro ‘amaldiçoado’ é devolvido duas vezes na Inglaterra após assustar compradores: ‘Ela voltou’

access_time26/08/2023 09:20

Uma pintura que mostra uma garotinha está sendo classificada como quadro ‘amaldiçoada’, após ter sid

Bando que aterrorizou Confresa troca tiros com a PM de Tocantins na divisa com MT

Bando que aterrorizou Confresa troca tiros com a PM de Tocantins na divisa com MT

access_time10/04/2023 17:50

A Polícia Militar do Tocantins entrou em confronto, na tarde desta segunda-feira (10), com alguns do

Supremo adia votação de ação para derrubar taxa de mineração em Mato Grosso

Supremo adia votação de ação para derrubar taxa de mineração em Mato Grosso

access_time22/11/2023 18:12

O Supremo Tribunal Federal adiou, esta tarde, a conclusão da votação da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que visa derrubar a cobrança da taxa de mineração em Mato Grosso. Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes pediram vistas após reunião dos magistrados com o governador Mauro Mendes, os secretários estaduais Rogério Gallo (Fazenda) e Fábio Garcia (Casa Civil).

O julgamento da ação, movida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), teve três votos até agora. Os ministros Luis Barroso, Carmen Lucia e André Mendonça votaram por derrubar a taxa. Já Edson Fachin votou por mantê-la. Há também pedido de vistas de Alexandre de Moraes.

A CNI alega que a taxa de controle, acompanhamento e fiscalização das atividades de pesquisa, lavra, exploração e aproveitamento de recursos minerários está usurpando a competência da  Agência Nacional de Mineração (ANM), e criando uma bitributação em valores desproporcionais. O governo de Mato Grosso refutou a tese e citou os gastos milionátios para a fiscalização do setor, de forma a garantir o cumprimento da lei e o respeito ao meio ambiente.

“Ainda de acordo com as demonstrações contidas na nota técnica, o valor orçado para as atividades de fiscalização correspondem ao valor arrecadado da TFRM até o mês passado (R$ 26 milhões), sendo que o citado valor orçado não se refere aos custos com despesa de pessoal (subsídios e encargos sociais) para o exercício dessa atividade, os quais constam de rubrica distinta, nem aos custos da Secretaria de Meio Ambiente e da Secretaria de Fazenda, as quais devem prestar apoio operacional para o exercício da fiscalização”, informa.

Os argumentos do governo do Estado também foram acatados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que deu parecer para manter a taxa. “Quando não é possível prevenir os danos ambientais, uma vez que inerentes a determinadas atividades econômicas altamente poluentes, a exemplo da extração de minérios, a Constituição Federal admite que a lei preveja formas de compensar financeiramente as unidades federadas prejudicadas”, manifestou o procurador-geral da República, Augusto Aras.





Por: Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)

Outras notícias

Comentários