Banner Outras
Notícias recentes
Casos suspeitos de coronavírus sobem para 12 no Brasil

Casos suspeitos de coronavírus sobem para 12 no Brasil

access_time31/01/2020 17:53

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (31) que o número de casos considerados suspeitos d

A triste fileira de 145 baleias mortas na Nova Zelândia

A triste fileira de 145 baleias mortas na Nova Zelândia

access_time27/11/2018 07:25

Um grupo de 145 baleias piloto morreu após ficar encalhado em uma praia da Ilha de Stewart, na Nova

Novas tecnologias digitais aumentam produtividade de empresas

Novas tecnologias digitais aumentam produtividade de empresas

access_time09/12/2019 09:11

Um programa piloto realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), com 43 empres

Temendo ameaças, Jean Wyllys desiste de mandato e viverá fora do Brasil
O deputado federal Jean Wyllys (PSOL) - 04/09/2018 (Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

Temendo ameaças, Jean Wyllys desiste de mandato e viverá fora do Brasil

Pelas redes sociais, parlamentar afirmou que se 'preservar' é 'estratégia de luta por dias melhores' e que se dedicará à carreira acadêmica

access_time24/01/2019 18:51

O deputado federal reeleito Jean Wyllys (PSOL-RJ) anunciou nesta quinta-feira 24 que desistiu de assumir o terceiro mandato como parlamentar pelo Rio de Janeiro em virtude de ameaças contra sua vida.

Ele afirmou que viverá fora do Brasil, se dedicando à carreira acadêmica. “Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores”, escreveu. Jean era o único deputado federal assumidamente homossexual do Congresso Nacional.

Jornalista de formação, Jean Wyllys se tornou uma figura nacional após a sua participação no reality show Big Brother Brasil, da TV Globo, do qual se saiu vencedor. Posteriormente, filiado ao PSOL, iniciou sua carreira política vencendo o pleito para a Câmara dos Deputados em 2010. Foi reeleito em 2014 e mais uma vez neste ano.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, que acompanha a nota publicada nas redes sociais do deputado, Jean afirma que tomou a decisão após alguns meses vivendo sob escolta policial a partir do assassinato da vereadora Marielle Franco, que era sua correligionária.

Segundo o parlamentar, ele sofreu nos últimos meses episódios de agressividade em locais públicos, que citavam notícias falsas produzidas sobre ele, como a de que ele teria feito “elogio da pedofilia”. “Eu vi minha reputação ser destruída por mentiras e eu, impotente, sem poder fazer nada. Isso se estendendo à minha família. As pessoas não têm ideia do que é ser alvo disso”.

Para exemplificar o risco que avalia correr, Jean Wyllys cita uma medida cautelar emitida pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que, segundo ele, considerava “pífia” a proteção que o Estado brasileiro oferecia a ele. De acordo com o parlamentar, a resposta do governo foi de não reconhecer a existência de uma violência homofóbica no Brasil.

Questionado sobre a atuação em defesa dos direitos da população LGBT, o deputado afirmou que “há tantas maneiras maneiras de lutar por essa causa que não passam pelo espaço da institucionalidade”. “Para o futuro dessa causa, eu preciso estar vivo. Eu não quero ser mártir. Eu quero viver”, afirmou.





Por: Veja.com

Outras notícias

Comentários