Spigreen
Notícias recentes
Deputado é condenado por desvio de R$ 1,5 milhão da ALMT cometido há 22 anos

Deputado é condenado por desvio de R$ 1,5 milhão da ALMT cometido há 22 anos

access_time15/06/2018 10:20

O deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) foi condenado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT)

Empresas suspeitas de extração ilegal de madeira são alvos de operação da PF e Ibama

Empresas suspeitas de extração ilegal de madeira são alvos de operação da PF e Ibama

access_time14/11/2018 10:30

Uma organização criminosa suspeita de extração ilegal de madeira é alvo de uma operação nesta quarta

Criança de 6 anos está desaparecida há duas semanas e polícia tenta refazer trajetos que ela possa ter feito em MT

Criança de 6 anos está desaparecida há duas semanas e polícia tenta refazer trajetos que ela possa ter feito em MT

access_time05/11/2019 08:52

Samuel Victor da Silva Gomes Carvalho, de 6 anos, está desaparecido há duas semanas em Rondonópolis,

Temer assina extradição de Battisti, que está foragido

Temer assina extradição de Battisti, que está foragido

Italiano foi condenado por crimes na década de 1970. Em 2007, Itália pediu a extradição, autorizada pelo STF, mas rejeitada por Lula em 2010. Ministro Fux mandou PF prender Battisti

access_time14/12/2018 17:31

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência informou que o presidente Michel Temer assinou nesta sexta-feira (14) o decreto de extradição de Cesare Battisti. Segundo a Polícia Federal, Battisti está em local "incerto" e é considerado foragido.

Segundo a assessoria de Temer, o decreto deve ser publicado ainda nesta sexta, em edição extra do "Diário Oficial da União".

Nesta quinta, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou prender o italiano atendendo a um pedido da Interpol, abrindo o caminho para a extradição. A defesa de Battisti recorreu.

Battisti é acusado pela Interpol de ter cometido os crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Cesare Battisti foi condenado por quatro homicídios na Itália na década de 1970.

Em 2007, a Itália pediu a extradição dele e, no fim de 2009, o STF julgou o pedido procedente, mas deixou a palavra final ao presidente da República. Na época, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou a extradição.

No passado, o governo italiano pediu ao presidente Michel Temer que o Brasil revisasse a decisão sobre Battisti, e no mês passado a Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo que desse prioridade ao julgamento que poderia resultar na extradição.

Luiz Fux
O ministro Luiz Fux participou nesta sexta de uma solenidade na sede do Ministério Público do Rio de Janeiro e, ao comentar a decisão sobre Battisti, frisou que a entrega do italiano às autoridades do país europeu estava sujeita à decisão do presidente da República.

"O Supremo Tribunal Federal já tinha autorizado a extradição. Só que a entrega do extraditando fica sujeita ao presidente. Como esse novo presidente, Michel Temer, manifestou o desejo de extraditar, nós instruímos o processo, cumprimos o processo legal, demos chance à defesa e chegamos à conclusão de que o presidente Temer pode extraditá-lo porque tem um pensamento diferente do outro chefe do Executivo", disse o ministro.

Bolsonaro
Em 5 de novembro, poucos dias após ter sido eleito presidente, Jair Bolsonaro recebeu no Rio de Janeiro o embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini.

De acordo com Bernardini, no encontro, os dois conversaram sobre a extradição de Battisti. Mais cedo, nesta sexta-feira, Bolsonaro afirmou no Twitter que, diante da decisão de Fux, a Itália pode "contar" com ele no processo de extradição.

Entenda
Battisti foi condenado à prisão perpétua em 1993 sob a acusação de ter cometido quatro assassinatos no país nos anos 1970.

Battisti nega envolvimento com os homicídios e se diz vítima de perseguição política. Em entrevista em 2014 ao programa Diálogos, de Mario Sergio Conti, na GloboNews, ele afirmou que nunca mantou ninguém.

Cesare Battisti fugiu da Itália, viveu na França e chegou ao Brasil em 2004. Ele foi preso no Rio de Janeiro em 2007 e, dois anos depois, o então ministro da Justiça, Tarso Genro, concedeu refúgio.





Por: Filipe Matoso, G1

Outras notícias

Comentários