Kurupí
Notícias recentes
Idosa é atacada por cachorro enquanto entregava leite e animal é morto a pauladas em Sinop

Idosa é atacada por cachorro enquanto entregava leite e animal é morto a pauladas em Sinop

access_time15/01/2020 11:26

Uma idosa de 61 anos foi atacada por um cachorro pitbull enquanto trabalhava entregando leite em cas

A pedido do MEC, governo adia horário de verão para 18 de novembro

A pedido do MEC, governo adia horário de verão para 18 de novembro

access_time04/10/2018 07:58

O horário de verão começará no dia 18 de novembro — depois da realização das provas do Enem (Exame N

Beneficiários de planos de saúde coletivos podem fazer portabilidade

Beneficiários de planos de saúde coletivos podem fazer portabilidade

access_time03/06/2019 16:31

Entraram em vigor hoje (3) as novas regras para portabilidade de planos de saúde, que incluem os ben

Urnas testadas por 'hackers' apresentaram duas falhas superficiais, diz TSE
Urnas eletrônicas que serão utilizadas na eleição 2020 — Foto: Diêgo Holanda/G1

Urnas testadas por 'hackers' apresentaram duas falhas superficiais, diz TSE

Tribunal afirma que grupo conseguiu mudar apenas dados de menor relevância que não alteram a segurança do processo eleitoral

access_time29/11/2019 22:34

Um grupo de peritos da Polícia Federal encontrou duas falhas consideradas superficiais no sistema da urna eletrônica durante a semana do Teste Público de Segurança, informou nesta sexta-feira (28) o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com o tribunal, as falhas detectadas não alteram a segurança do processo eleitoral.

De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, os peritos conseguiram entrar no sistema que alimenta as urnas eletrônicas com dados de eleitores e de candidatos e com isso quebraram uma barreira de segurança.

Segundo Janino, eles também conseguiram mudar algumas palavras ou expressões – como alterar a inscrição "boletim de urna" para "boletim", por exemplo – mas não obtiveram êxito na tentativa de mudar nome de candidato ou de eleitor.

O secretário explicou que, para a semana de testes públicos, o TSE remove barreiras a fim de que os investigadores tenham facilidades para avançar e descobrir fragilidades. Mas destacou que, mesmo assim, não foi detectada nenhuma falha grave.

“A urna tem 30 barreiras digitais. Para o teste, o TSE retira essas barreiras, dá acesso a informações, algoritmos. Eles têm facilidades para avançar. Encontraram fragilidades, mas não existe nenhum risco. Mesmo assim, vamos trabalhar para corrigir esses pontos e fortalecer a segurança da urna”, afirmou o secretário após a divulgação dos resultados.

Os testes públicos tiveram início na última segunda-feira (25). Vinte e cinco investigadores de diversos locais do país, entre os quais policiais federais, acadêmicos, estudantes e profissionais da tecnologia, passaram a semana buscando fragilidades no sistema. Foi a quinta vez que o TSE realizou esses testes, e em outras edições os especialistas também encontraram fragilidades, corrigidas posteriormente.

Os 25 investigadores atuaram em sete grupos e, segundo o TSE,

  • não conseguiram alterar os boletins de urna;
  • tentaram usar inteligência artificial para acessar o sistema mas não conseguiram;
  • não encontraram vulnerabilidades nas chaves criptográficas e bibliotecas (no último teste tinha sido identificada fragilidade);
  • mapearam rotina de algoritmos e padrões de urna, mas não quebraram sigilo nem adulteraram informações;
  • não conseguiram entrar no sistema de rede;
  • tentaram usar pulsos elétricos para captar digitação na urna, e assim identificar o voto, mas não conseguiram (no último teste tinham identificado falha, mas os teclados foram blindados).

As duas falhas identificadas pelos peritos da Polícia Federal foram verificadas no grupo que apresentou projeto para extrair conteúdo do sistema, tentar inserir dados na urna e extrair dados de totalização de votos.

“Esta é a quinta edição deste evento, que tem o objetivo de fortalecer o sistema eletrônico de votação, verificar se os recursos implementados na urna atendem as necessidades de segurança. E para correção de eventuais vulnerabilidades que venham a ser detectadas", afirmou a ministra Rosa Weber, presidente do TSE.

Segundo ela, "é o momento de abertura dos sistemas de segurança ao olhos da comunidade científica, partidos, estudantes, é um chamado para que atuem como hackers a fim de identificar falhas na integridade da urna”. De acordo com a ministra, os testes garantirão eleições seguras em 2020.

O resultado apresentado nesta sexta, que identificou as duas fragilidades, é parcial. O TSE apresentará um balanço definitivo em 10 de dezembro. Técnicos do TSE trabalharão para corrigir as falhas, e uma nova rodada de testes será realizada no ano que vem.





Por: Por Mariana Oliveira, TV Globo

Outras notícias

Comentários