anuncie aqui vermelho
Notícias recentes
Forte divisão marca início de julgamento do impeachment de Trump

Forte divisão marca início de julgamento do impeachment de Trump

access_time22/01/2020 10:29

O julgamento do impeachment do presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump teve início com for

MT é um dos estados com pior qualificação em atendimentos de saúde, segundo Cofen

MT é um dos estados com pior qualificação em atendimentos de saúde, segundo Cofen

access_time05/02/2019 07:39

Uma fiscalização realizada na semana passada, pelos Conselhos Federal (Cofen) e Regional de Enfermag

Governo de MT contrata 530 profissionais de saúde para atuar no combate à Covid-19

Governo de MT contrata 530 profissionais de saúde para atuar no combate à Covid-19

access_time01/07/2020 22:01

O governo estadual, por meio da Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT), continua com processo seletiv

Vacinação, gripários e testagem: o que pode ser feito para evitar um colapso na saúde após explosão de casos de Covid no país
04/01/22: UPA do bairro Belo Horizonte, em Mossoró, registrou aumento de mais 300% nos atendimentos de pacientes com sintomas gripais.
Foto por: Isaiana Santos/ Intertv Costa Branca

Vacinação, gripários e testagem: o que pode ser feito para evitar um colapso na saúde após explosão de casos de Covid no país

O Brasil está vivendo uma nova onda de infecções de Covid-19, com vários estados registrando casos de superlotação nas unidades de pronto atendimento.

access_time08/01/2022 08:31

O Brasil está vivendo uma nova onda de infecções de Covid-19, com vários estados registrando casos de superlotação nas unidades de pronto atendimento. Nesta sexta-feira (7), o país registrou 53,4 mil casos por Covid em 24 horas.

Na cidade de São Paulo, uma estimativa da prefeitura aponta que o número de casos de síndrome gripal com confirmação laboratorial para Covid-19 pode ser o dobro do registrado no pico da pandemia de coronavírus, em abril de 2021, recorde até então. Em Belo Horizonte, os leitos de enfermaria para Covid-19 no SUS chegaram à lotação máxima.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          Além da Covid, o país vive um aumento de casos de gripe. No Distrito Federal, unidades de saúde seguem lotadas de pessoas com sintomas gripais, em busca de testes e tratamento. A situação se repete em outras regiões. Em Mossoró (RN), a procura por atendimento cresceu mais de 300%. Em Florianópolis, há relatos de pessoas que passaram até 24 horas na fila para atendimento.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

O Consórcio Conectar, que representa mais de duas mil cidades brasileiras, pediu apoio ao Ministério da Saúde para reforçar a estrutura de atendimento na rede de saúde.

Mas o que o governo precisa fazer para evitar novos colapsos no sistema de saúde? Especialistas apontam cinco pontos importantes para que o SUS não fique sobrecarregado com a nova onda de infecções:

  • Continuar a vacinação
  • Investir no atendimento em massa da população e ampliar testagem
  • Criar gripários – tendas de atendimento para síndrome gripal
  • Telemedicina e atenção primária
  • Comunicar a população de forma clara                                                                                                                                                                                                                                                                           
  •  "Nessas últimas quatro semanas estamos vendo que a taxa de conversão de um paciente ambulatorial [com Covid] para hospitalizado caiu muito. Quando as outras variantes estavam circulando [cepa original, gama e delta], a chance de hospitalização e até óbito era muito maior", explica o infectologista Alexandre Naime Barbosa, chefe do departamento de Infectologia da Unesp de Botucatu.                                                                                                                                                                                                Naime acredita que essa "mudança" na história da pandemia no Brasil se deu por dois fatores: a vacinação em massa e a ômicron – mais de 67% da população está totalmente imunizada (duas doses ou dose única).

    Gerson Salvador, infectologista do Hospital Universitário da USP, alerta que a ômicron também é grave. Entretanto, parece ser menos grave em quem tomou a vacina. "Quem não está imunizado ou está parcialmente imunizado pode evoluir para caso grave."

    Por isso, a primeira coisa a ser feita neste momento é TOMAR A VACINAR. "Quem não tomou a segunda dose, deve tomar. Quem precisa de reforço, deve procurar o reforço. E precisamos vacinar as crianças o quanto antes. Quando liberar para a idade do seu filho, leve ele para vacinar", diz Salvador.

                
  •                                                                                                                                           




Por: Mariana Garcia, g1

Outras notícias

Comentários