Spigreen
Notícias recentes
Boeing corta produção do 737 MAX após acidentes com modelo

Boeing corta produção do 737 MAX após acidentes com modelo

access_time06/04/2019 07:35

A Boeing anunciou nesta sexta-feira (5) que planeja reduzir a produção mensal do jato 737 MAX em qua

Jovem denuncia namorado por obrigá-la a manter relações sexuais com outros homens na frente dele

Jovem denuncia namorado por obrigá-la a manter relações sexuais com outros homens na frente dele

access_time21/02/2020 15:50

Uma jovem de 19 anos denunciou o namorado, com quem convive há dois anos, por obrigá-la a manter rel

Ponte entre municípios pega fogo e governo registra boletim para apurar vandalismo

Ponte entre municípios pega fogo e governo registra boletim para apurar vandalismo

access_time12/09/2018 08:35

Após o incêndio em uma ponte de madeira que fica na MT-320 entre os municípios de Nova Santa Helena

Variante do coronavírus encontrada no Japão tem origem no Amazonas

Variante do coronavírus encontrada no Japão tem origem no Amazonas

access_time13/01/2021 08:18

Trabalhos de sequenciamento genético do novo coronavírus conduzidos pela Fiocruz Amazônia indicam que a nova linhagem do Sars-CoV-2 identificada em japoneses que estiveram no Amazonas, é inédita, tem origem no estado e pode ser mais infecciosa do que as demais linhagens que circulam no Brasil. As informações foram divulgadas pelo UOL. Em entrevista ao portal, o pesquisador da instituição Felipe Naveca afirmou que a variante, identificada como B.1.1.28, sofreu uma série de mutações na chamada proteína spike, responsável pela infecção do patógeno nas células humanas.

De acordo com Naveca, as alterações identificadas no Japão foram comparadas com sequenciamentos de variantes identificadas no Amazonas entre abril e dezembro. A B.1.1.28 é a mais recorrente nesse período, identificada em 47% das amostras, mas há mudanças expressivas. O pesquisador afirma que há semelhanças com as variantes identificadas no Reino Unido e na África do Sul, mas sublinha que as mutações trazem indícios de que se trata de uma variação brasileira.

O pesquisador da Fiocruz Amazônia relatou ainda que uma pesquisa independente conduzida pela parceria entre a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade de Oxford (Reino Unido) chegou às mesmas conclusões "simultaneamente". A definição em torno de uma nova variante brasileira, no entanto, depende de curadoria internacional e de estudos mais aprofundados, ainda segundo Naveca.

O Amazonas enfrenta uma alta no número de casos e óbitos pela Covid-19. O número de inernações no início de janeiro, por exemplo, já superou o total de hospitalizações registradas durante todo o mês de dezembro do ano passado, quando 1.371 pessoas foram internadas com a doença. Segundo o consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, UOL, Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo, o estado soma 216.112 infectados e 5.756 vítimas fatais.

Na entrevista ao UOL, Naveca afirma que é cedo para concluir se o novo surto amazonense guarda relação com a B1.1.28, uma vez que o estado pode estar sofrendo os reflexos dos protestos de dezembro contra o fechamento do comércio e das aglomerações em festas de fim de ano.





Por: Extra.Globo

Outras notícias

Comentários