Spigreen
Notícias recentes
Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a banir canudos plásticos

Rio de Janeiro é a primeira cidade brasileira a banir canudos plásticos

access_time07/07/2018 11:34

O Rio de Janeiro tornou-se a primeira cidade brasileira a banir o uso de canudos de plástico em quio

Saúde de MT deve receber investimentos de quase R$ 170 milhões da bancada federal

Saúde de MT deve receber investimentos de quase R$ 170 milhões da bancada federal

access_time31/10/2018 08:27

Mato Grosso deve receber um recurso de R$ 169 milhões por meio da emenda impositiva definida pela ba

MP investiga compra de R$ 715 mil em papel higiênico e papel toalha pela Prefeitura de Rondonópolis

MP investiga compra de R$ 715 mil em papel higiênico e papel toalha pela Prefeitura de Rondonópolis

access_time05/05/2020 19:42

O Ministério Público Estadual de Contas (MPC) investiga supostas irregularidades em dispensa de lici

ESPORTE

Palmeiras goleia Corinthians e segue sonhando com título brasileiro

access_time19/01/2021 09:22

Em partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, Palmeiras e Corinthians jogaram no início da noite desta segunda-feira (18) no Allianz Parque, em São Paulo. O Alviverde, com duas partidas a menos do que a maioria dos rivais da parte de cima da tabela, entrou em campo com 48 pontos em 7º lugar e tinha como objetivo vencer para se aproximar dos líderes. Já o Corinthians, sem perder desde 14 de novembro, quando foi superado pelo Atlético Mineiro por 2 a 1, queria vencer para seguir se aproximando do G-4. O Timão entrou em campo no 9º lugar com 42 pontos, oito abaixo do grupo que se classifica à Libertadores. E quem se deu bem foi o Verdão. Ao final do primeiro tempo, o time do técnico português Abel Ferreira já fazia 2 a 0, gols do meia Raphael Veiga e do atacante Luiz Adriano. Mesmo sem marcar nenhum dos gols, o grande destaque dessa etapa do jogo foi o atacante Willian, autor dos dois passes para os gols.  Apesar da vantagem relativamente tranquila do Palmeiras, o jogo não foi muito tranquilo. Até os 31 minutos, a partida era equilibrada com boas chances de lado a lado. Só que aos 33, veio o primeiro de Raphael Veiga, que recebeu a bola praticamente livre na entrada da área e bateu no canto esquerdo do goleiro Cássio. Para fechar a etapa inicial, Willian recebeu em profundidade, chegou antes do goleiro Cássio e rolou para o centroavante Luiz Adriano apenas empurrar para a rede. O árbitro gaúcho Jean Pierre Gonçalves, com auxílio do VAR, confirmou o gol. Quem pensava que o Alviverde poderia tirar o pé do acelerador na etapa final errou feio. O Verdão começou o segundo tempo arrasador. Logo no primeiro minuto, o goleiro Cássio salvou em cima da linha uma finalização de Willian. E, aos dois, a rede balançou. De novo, Raphael Veiga. Na sobra de uma bola prensada entre o zagueiro Jemerson e o centroavante Luiz Adriano, o meia dá uma bomba de fora da área e estufa a rede.  Aos 11, o volante Gabriel Menino forçou o goleiro Cássio a operar um milagre para evitar o quarto gol palmeirense. Aos 19, teve gol do Verdão com o lateral-esquerdo Vinã. Mas o lance foi anulado corretamente por impedimento. Quase no lance seguinte,  Gabriel, volante do Corinthians, recuou completamente errado e o atacante Luiz Adriano chegou para dividir com Cássio. A bola rebateu no palmeirense e foi para a rede.  Para ter uma ideia da dimensão do resultado, em toda história do Derby Paulista, o Timão só havia sofrido quatro goleadas por 4 a 0. A última tinha sido em 2004.  Com esse resultado, o Palmeiras subiu para o 4º lugar. O Verdão tem 51 pontos com 29 jogos disputados. O São Paulo, líder do Brasileiro, tem 57 pontos com 30 partidas jogadas. A partida atrasada é da 1ª rodada contra o Vasco da Gama, em São Paulo e será disputada no dia 26 de janeiro.  A próxima partida do Palmeiras pelo torneio será na quinta-feira (21) contra o Flamengo no Mané Garrincha, pela 31ª rodada. Na tabela, depois da goleada, o Corinthians está em 9º lugar com 42 pontos. A partida da 31ª rodada do Timão contra o Sport em Itaquera também ocorrerá na quinta-feira. O jogo contra o Bahia, válido pela 30ª rodada, foi adiado para o dia 28 de janeiro.

Cuiabá goleia Guarani por 4 a 0 na Série B

access_time15/01/2021 07:32

O Cuiabá goleou o Guarani por 4 a 0, nesta quinta-feira (14) na Arena Pantanal, pela 35ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com o triunfo, o Dourado chegou aos 58 pontos, na 3ª posição, e ficou muito perto do acesso à Série A. Já o Guarani viu ficar mais distante a chance de conseguir uma vaga na primeira divisão. O time de Campinas foi muito prejudicado por um surto do novo coronavírus (covid-19) que atingiu 17 jogadores, fazendo com que a equipe ficasse apenas com 12 atletas à disposição para a partida. Na tarde desta quinta, o Bugre ainda solicitou o adiamento da partida junto à CBF (Confederação Brasileira de Futebol), mas o pedido não foi aceito. Assim, enviou, de última hora, um jogador para Cuiabá para ter ao menos 2 jogadores no banco de reservas. O jogo Com a bola rolando, o Guarani não demorou a ter de enfrentar outro desafio, o menor número de jogadores, após o lateral Cristovam ser expulso aos 9 minutos por falta em Felipe Marques. Mesmo com desvantagem numérica, o Guarani continuou vivo na partida, criando chances. Porém, quem abriu o placar foi o Cuiabá, aos 30 minutos com o atacante Marcinho, que aproveitou bola que sobrou na área. Quatro minutos depois o Dourado ampliou com Elton, que marcou após receber passe de peito de Marcinho. O 3 a 0 veio apenas na etapa final, logo aos 8 minutos, com chute colocado de Rafael Gava. Porém, o Cuiabá queria mais e chegou aos 4 a 0 aos 26 minutos com o atacante Jenison, que havia entrado em campo quatro minutos antes. Na próxima terça-feira (19), o Cuiabá visita o Paraná no Durival Britto. Um dia depois, o Guarani recebe o Vitória no Brinco de Ouro.

Final da Libertadores faz CBF mudar jogos de Palmeiras e Santos

access_time15/01/2021 07:24

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) anunciou na noite desta quinta-feira (14) que a classificação de Palmeiras e Santos para a final da Copa Libertadores da América levou à alteração da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Como a grande decisão está programada para acontecer no dia 30 de janeiro, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, a diretoria de competições da CBF decidiu mudar os jogos do Peixe e do Verdão pelo Brasileiro programados para o dia 31 de janeiro. Agora, o Palmeiras mede forças com o Botafogo no dia 2 de fevereiro, às 16h (horário de Brasília), no Allianz Parque, em São Paulo. Já o Santos faz o clássico com o Corinthians em 17 de fevereiro, no estádio da Vila Belmiro, em Santos.

Palmeiras se classifica com heroísmo, na pior atuação com Abel Ferreira

access_time13/01/2021 00:01

Importante ressaltar que a vitória do River Plate sobre o Palmeiras foi conquistada pelo melhor time da América do Sul. Também que houve três jogadas analisadas pelo árbitro de vídeo, todas com interpretação da arbitragem a favor do Palmeiras. E que o time de Abel Ferreira fez sua pior atuação desde que o treinador português aterrissou no Brasil. Para a torcida palmeirense, foi um filme de terror. O Palmeiras não chutou nenhuma vez contra o gol de Armani e Abel Ferreira demorou demais para tomar decisões condizentes com o que a partida gritava. O meio-de-campo necessitava de bola no chão, o que só Raphael Veiga ou Lucas Lima poderiam oferecer. Mas Veiga tem jogado mal e Abel Ferreira pareceu não confiar em sua atuação. Lucas Lima há muito não joga bem. Então, Abel Ferreira foi enchendo o time de zagueiros e recuando, recuando, assustando cada vez mais sua torcida. O alento para dizer que o Palmeiras merece disputar a final é a primeira decisão, em Avellaneda. A pergunta é se o time de Abel jogou melhor na Argentina do que o River atuou no Allianz Parque. Se mereceu, foi pelo primeiro jogo. O segundo foi trágico. Só não foi mais, pela classificação. Sobre os lances duvidosos, o VAR acertou em todos. Impedimento no início da jogada do terceiro gol do River Plate, anulado. Alan Empereur toca o pé no chão e Matías Suárez se atira. Não foi pênalti. Havia impedimento na jogada analisada de suposto pênalti de Kuscevic, no final do jogo. Seria um escândalo e diríamos que os árbitros ajudam os argentinos, se fosse o inverso. Mas a arbitragem acertou nas três jogadas polêmicas. Quem errou foi o Palmeiras. Jogou pessimamente. Mas está na sua quinta final de Libertadores.

Vasco empata com o Atlético-GO e deixa a zona do rebaixamento

access_time08/01/2021 06:17

O Vasco empatou em 0 a 0 com o Altético-GO, nesta quinta-feira (7) no estádio Antônio Accioly, em Goiânia, em partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro que marcou a reestreia do técnico Vanderlei Luxemburgo pela equipe carioca. Apesar da igualdade sem gols, o Cruzmaltino conseguiu deixar a zona do rebaixamento, pois, com o ponto conquistado, chegou à 16ª posição com 29 pontos. Já o Dragão permanece na 12ª posição com 35 pontos. O jogo A equipe carioca foi a melhor na etapa inicial, criando as chances mais claras de abrir o placar. Mas o goleiro Jean, com grande atuação, impediu a mudança no placar nos primeiros 45 minutos. Já no segundo tempo, o Atlético-GO cresceu de produção, e ficou muito perto da vitória nos acréscimos da etapa, quando Janderson bate com liberdade, mas o lateral Henrique, e forma heróica, consegue cortar a finalização, garantindo a igualdade final. Próximos compromissos As duas equipes voltam a entrar em campo pelo Brasileiro no próximo domingo (10), quando o Vasco faz clássico com o Botafogo em São Januário, e o Atlético-GO mede forças com o Bahia no estádio Antônio Accioly.

Na Argentina, Santos e Boca Juniors abrem semifinal da Libertadores

access_time06/01/2021 16:54

O mítico estádio da Bombonera, em Buenos Aires, recebe na noite desta quarta-feira (6), a partir das 19h15, a partida de ida da semifinal da Copa Libertadores entre Boca Juniors e Santos.  A equipe brasileira comandada pelo técnico Cuca chegou até aqui depois de passar pelo Grêmio nas quartas de final, com um empate em 1 a 1 em Porto Alegre e uma goleada por 4 a 1 em Santos. Nas oitavas, o time venceu a LDU por 2 a 1 no Equador e perdeu no Brasil por 1 a 0. Para o jogo desta noite, o grupo está todo à disposição. O volante Jobson  recuperou-se de uma inflamação no tornozelo e os laterais Pará e Madson  curaram-se de lesões na coxa. O time provável  para o jogo terá John Victor, Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Sandry e Diego Pituca; Marinho, Soteldo e Kaio Jorge, artilheiro do Peixe no torneio com cinco gols. Os argentinos passaram pelo Inter nas oitavas ao vencerem no Beira-Rio por 1 a 0, perderem pelo mesmo placar na Bombonera e avançarem nos pênaltis. Nas quartas, o time passou pelo Racing ao perder fora por 1 a 0 e reverter em casa com o placar 2 a 0. O técnico Miguel Ángel Russo, campeão da América com o clube em 2007, terá um desfalque. O volante Jorman Campuzano, lesionado. O time de logo mais deve ter Andrada, Jara, Lisandro López, Izquierdoz e Fabra; Diego González, Capaldo, Villa e Salvio, artilheiro  com seis gols na Libertadores; Soldano e Tévez. O duelo de volta na Vila Belmiro está previsto para a próxima quarta-feira (13). Na Libertadores o gol como visitante continua valendo como critério de desempate. Duelo cheio de história O Santos é um dos times brasileiros com mais tradição na Copa Libertadores da América. Ao lado de São Paulo e Grêmio, é tricampeão do torneio. Os títulos foram conquistados nos anos de 1962, 1963 e 2011. Além das conquistas, o Peixe tem um vice-campeonato obtido em 2003. Já o Boca Juniors tem seis taças da principal competição da América, é o segundo time com mais conquistas. Está atrás apenas do Independiente, que tem sete. Além dos títulos, os Xeneizes, como os torcedores do Boca são conhecidos, têm cinco vice-campeonatos.   A história desses dois gigantes do continente se cruzaram em dois momentos. Ambos foram em finais. O Santos, com Pelé e companhia, faturou o bicampeonato em 1963 em cima dos argentinos. Foram duas vitórias dos brasileiros. No Maracanã, 3 a 2. Na Bombonera, 2 a 1. Já o Boca Juniors conquistou o troféu em 2003 superando o Peixe na decisão. Assim como ocorreu na década de 1960, a definição veio com duas vitórias. Na Argentina, 2 a 0. No Brasil, 3 a 1.  Em relação aos confrontos contra todas equipes brasileiras, o Boca Juniors costuma ser uma pedra no sapato. O time conseguiu 17 classificações em 20 duelos de mata-matas. Enquanto isso, o Santos avançou em dois dos seus cinco confrontos de mata-mata contra os vizinhos.

Chapecoense vence mais uma e mantém liderança na Série B

access_time29/12/2020 08:00

Na noite desta segunda-feira (28), a Arena Condá foi o palco do último jogo da Chapecoense na temporada de 2020 e da 17ª vitória do time na Série B do Campeonato Brasileiro. Contra o Paraná, em partida válida pela 31ª rodada do torneio, a equipe de Santa Catarina não teve maiores dificuldades para conquistar os três pontos e retomar a liderança, perdida depois da vitória do América (MG) sobre o CRB (AL) no sábado (26). Antes dos dez minutos, o Verdão do Oeste já tinha criado duas grandes chances. A primeira, aos cinco, com Mike pegando um belo chute no rebote de um escanteio. Aos oito, a rede até balançou. O atacante Paulinho Moccelin fez. Só que o árbitro Grazianni Maciel Rocha deu falta do meia Anderson Leite no volante paranaense Philipe Maia.  O lance gerou muitas reclamações dos catarinenses. Mas a Chapecoense não baixou o ritmo e abriu o placar logo na sequência. Aos 14, Busanello recuperou uma bola quase perdida no lado esquerdo e Anderson Leite não perdeu a chance já quase dentro da pequena área. Aos 34, quase outro dos anfitriões. De novo pela esquerda, Paulinho Moccelin cruzou, mas dessa vez Anderson Leite chegou atrasado. A próxima chance, três minutos depois, foi bem concluída. O lateral-direito Matheus Ribeiro bateu cruzado. O goleiro Alisson deu rebote e o atacante Mike não perdoou. Na etapa final, o time da casa administrou a vantagem e diminuiu um pouco o ritmo. E o Paraná até que tentou. Aos cinco, o volante Karl bateu firme da entrada da área e, depois do desvio, a bola passou muito perto. No escanteio, o zagueiro Rafael Lima mandou de cabeça mais uma bola que passou raspando o travessão. A terceira chance talvez tenha sido a melhor. Aos 22, o atacante Bruno Gomes achou Andrey na área. Ele chutou forte, mas a bola passou forte por cima do gol. Depois, os visitantes não tiveram mais forças para ameaçar. E as poucas esperanças que o Paraná ainda tinha acabaram com a expulsão do volante Kaio.  Com o resultado, a Chapecoense retomou a ponta da tabela ao chegar nos 62 pontos. Enquanto isso, o Paraná se manteve no Z4, no 18º lugar com apenas 32 pontos, a 3 do Figueirense (16º). O próximo jogo dos catarinenses será em casa no domingo (3 de janeiro) contra o Brasil de Pelotas. O Paraná também joga em casa, mas contra o Botafogo de Ribeirão Preto na segunda-feira (4).

Fora de casa, Cuiabá supera lanterna Oeste e avança na Série B

access_time16/12/2020 09:01

Na tarde desta terça-feira (15), na Arena Barueri, o Cuiabá venceu o Oeste pela 29ª rodada da Série B. A equipe de São Paulo, que vive uma situação dramática no campeonato, bem que tentou começar a partida pressionando. Até os 22 minutos da etapa inicial, o Oeste conseguia manter um duelo equilibrado e chegou a criar dois lances de gol. Um logo no início com Fábio chutando fraco e perdendo uma boa oportunidade. O outro com o volante Maurício Barbosa, que apareceu na segunda trave e desviou de cabeça para fora uma cobrança de falta. Mas, aos 27, a maior qualidade do Cuiabá, que briga por uma vaga à elite do futebol brasileiro na próxima temporada, fez a diferença. O meia Felipe Marques deu um belíssimo passe para o centroavante Elton. Na cara do goleiro Caíque França, ele bateu forte e abriu o placar. Em vantagem no placar, os visitantes passaram a administrar a partida. Inclusive, aos 36, quase marcaram mais um. O volante Pierini recebeu livre na entrada da área um belo passe de Elton, mas a finalização desviou na zaga e saiu pela linha de fundo, com muito perigo. Na segunda etapa, já com várias alterações efetuadas pelos dois técnicos, o Oeste conseguiu criar a melhor chance da partida aos 24 minutos. O atacante Pedrinho recebeu um bom passe e chutou rasteiro de longe. A bola bateu na trave e foi pela linha de fundo. Como quem não faz acaba levando, o Oeste sofreu o segundo gol aos 31. Yago tentou a finalização, a bola desviou na zaga e sobrou para Jenison, na marca do pênalti. Ele deu um biquinho no canto e fechou o placar. Vitória para o Cuiabá por 2 a 0 sobre o Oeste. O time da grande São Paulo, último colocado com apenas 16 pontos, 15 a menos do que o Figueirense (primeiro fora da zona de rebaixamento), volta a jogar na sexta (18), quando recebe o Vitória na Arena Barueri. O Cuiabá, que antes do encerramento da rodada é o terceiro colocado com 47 pontos, recebe o Operário (PR) também na sexta na Arena Pantanal.

Primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz começa na próxima terça

access_time05/12/2020 07:27

O primeiro Mundial de Futebol de Areia Raiz terá início na próxima terça-feira (8) no Parque Olímpico do Rio de Janeiro e prosseguirá até domingo (13). As partidas serão transmitidas ao vivo,  a partir das 17h (horário de Brasília), na TV Brasil. A competição não terá torcida em virtude das recomendações de distanciamento social por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Desde 2005, a Fifa chancela o Mundial de beach soccer, que se popularizou nos anos de 1990. Já o futebol de areia raiz surgiu em 1988, em Porto Alegre. Mas o que é, afinal, o futebol de areia raiz? Muitas respostas parecem mais uma ideia vaga, do que uma definição exata.  "É aquele futebol de quando você ia para a praia, colocava dois cocos na areia (para formar a baliza) e jogava aquela peladinha", recorda Toinho, defensor na seleção brasileira de futebol de areia raiz.  Companheiro de Toinho na equipe nacional, o pivô Jonatan também recorre à memória para tentar descrever o que esta modalidade tem de "raiz". "É um futebol de comunidade, que é onde surgiu o futebol. Você joga em qualquer lugar", define. À primeira vista, o futebol de areia raiz lembra bastante o beach soccer, mas é possível perceber as diferenças nas regras. São seis jogadores em quadra, ao invés de cinco. Dois tempos de 20 minutos,  e não três tempos de 12 como é no beach soccer. E há outras características específicas do futebol de areia raiz: a areia utilizada costuma ser batida, sem tantas ondulações. Não há “carrinho”. É possível optar por cobrar faltas antes do meio da quadra, no local da infração, ou diretamente do meio.  O status das duas modalidades também ajuda a escancarar as diferenças. É verdade que o beach soccer não possui tanta estrutura no Brasil quanto o futebol de campo, mas ainda há caminhos para que um atleta se torne profissional, ainda que as verdadeiras oportunidades estejam na Europa. Entre os adeptos da modalidade “raiz”, isso não é possível. Há quem se mantenha financeiramente na modalidade como Jonatan,  que em 2020 defendeu o Brasil de Farroupilha, no Rio Grande do Sul, e em janeiro do ano que vem embarca para a Finlândia para jogar pelo FC Aland. Alguns enveredam pelo Fut7, uma espécie de soçaite. Já Toinho, por exemplo, ganha a vida como lojista. A difusão da modalidade pelo mundo é um sinal de que as coisas vêm melhorando. Nove seleções se juntam ao Brasil na disputa pelo primeiro título mundial de futebol de areia raiz: México, Chile, Tunísia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Angola, Bolívia e França. Houve cinco desistências por conta das restrições sanitárias causadas pela pandemia de covid-19: Alemanha, Argentina, Canadá, Croácia e Israel. Tais países estavam confirmados para o evento, inicialmente programado para ocorrer em em março deste ano.  Toinho destaca o Uruguai como possível pedra no caminho do Brasil rumo ao título inédito. Segundo ele, a evolução dos adversários em um esporte genuinamente brasileiro é notável. "Tempos atrás, os jogadores de outros países não tinham esse conhecimento que o brasileiro tem, de saber correr da forma certa na areia, saber conduzir a bola. Eles investiram trazendo brasileiros e hoje estão muito, muito melhores", atesta. Faturar o primeiro título mundial de uma modalidade é algo simbólico. Mas conquistar fãs talvez seja ainda mais valioso. São dois objetivos bem definidos da seleção para a próxima semana. O primeiro depende exclusivamente do desempenho na areia. O segundo pode ser impulsionado pela transmissão em TV aberta, que pode  compensar a ausência de torcedores sedentos por conhecer a modalidade. Quem assina embaixo é o técnico da seleção, China, que fez parte dos vitoriosos times do Grêmio na década de 80. "Queremos honrar as cores do Brasil e levar essa modalidade a lugares que não tiveram a oportunidade de ver o futebol de areia raiz".

Brasil faz oito no Equador e aplica maior goleada com Pia Sundhage

access_time02/12/2020 08:19

A seleção brasileira de futebol feminino encerrou 2020 com mais uma goleada sobre o Equador. Nesta terça-feira (1), a equipe dirigida por Pia Sundhage atropelou as equatorianas por 8 a 0 no estádio do Morumbi, em São Paulo, na vitória mais elástica sob comando da técnica. Na última sexta-feira (27), no primeiro jogo entre os dois times, o Brasil fez 6 a 0 nas rivais, também na capital paulista, mas na Neo Química Arena. Pia chegou a oito vitórias em 13 partidas pela seleção feminina, com quatro empates e uma derrota. Foram 40 gols marcados (média superior a três por jogo) e cinco sofridos. Com o gol marcado nesta terça, a atacante Debinha - que fez três na sexta passada - chegou a 10 sob comando da sueca, disparando na artilharia da "era Pia". A camisa 9 esteve presente em todos os jogos em que a treinadora esteve na beira do gramado. Garantida na Olimpíada de Tóquio (Japão), a Seleção ainda não tem novos amistosos marcados para 2021. Na entrevista coletiva que concedeu na segunda-feira (1), Pia disse que faria duas mudanças na equipe titular em comparação a que foi a campo no último jogo. As apostas foram a lateral Jucinara (que substituiu Tamires) e a meia Ana Vitória, de 20 anos e costumeiras convocações à seleção sub-20, escalada no lugar da atacante Adriana. A treinadora exigiu a mesma postura dos 90 minutos anteriores: intensidade, pressão, velocidade e busca incansável pelo gol contra as equatorianas, dirigidas por Emily Lima, ex-técnica de Santos, São José e da própria seleção brasileira (entre 2016 a 2017). Se na partida anterior, o Brasil não havia conseguido traduzir o tamanho da superioridade em gols no primeiro tempo, desta vez foi completamente diferente. Com 20 minutos, o placar já apontava 4 a 0 às comandadas de Pia. Na primeira volta do ponteiro, após jogada da atacante Ludmilla na esquerda, Debinha marcou de letra. Aos 15, a volante Luana ficou com a sobra na entrada da área e chutou alto para ampliar. Entre as duas bolas na rede, a volante Formiga já havia chutado rente à meta e a goleira Andrea Moran evitado gols da meia Andressa Alves e da zagueira Rafaelle. A pressão brasileira sufocava. Aos 17, Debinha apareceu na linha de fundo, cruzou e Andressa Alves finalizou para marcar o terceiro. Dois minutos depois, a zagueira Erika ficou no quase, em cabeçada rente à trave. No lance seguinte, em nova bola na área, Rafaelle subiu mais alto que as defensoras e escorou para as redes. O quinto já podia ter saído aos 23, mas a bomba de Ludmilla parou em mais uma grande defesa de Morán. Saiu aos 41: Rafaelle, novamente de cabeça, depois de cobrança de falta de Debinha. Ainda deu tempo para Ludmilla cruzar e Andressa Alves fazer o sexto. Como também anunciado por Pia na segunda, foram várias mudanças na volta do intervalo: quatro. A goleira Lelê, a lateral Tamires, a meia Camilinha e a jovem atacante Giovana. Esta última, de só 17 anos, defendeu as seleções de base de Espanha e Estados Unidos e fazia a estreia pelo Brasil, assim como a meia Julia Bianchi, que substituiu Luana no primeiro tempo. Com o desenrolar da etapa final, entraram Adriana e Chu - que apesar de ter sido chamada por Pia como lateral, foi alçada em campo como ponta direita, sua posição de ofício. As mudanças quebraram ritmo do jogo. Mesmo assim, as brasileiras mantiveram as linhas de marcação altas, circundando a área do Equador e forçando o erro das adversárias. Como aos 25 minutos, quando Chu recuperou a bola pela direita e cruzou, com Julia Bianchi desviando de joelho e fazendo o primeiro com a amarelinha. Três minutos depois, Rafaelle só não guardou o terceiro dela na noite porque a zagueira Ingrid Rodríguez salvou em cima da linha. Mas a rede voltaria a balançar. Aos 34, Tamires cobrou falta na segunda trave e Erika escorou com força. Giovana ainda teve uma oportunidade aos 38, mas finalizou para defesa da goleira Andrea Vera.