Kurupí
Notícias recentes
Edital de Convocação 012/2019 da Secretaria de Educação e Cultura de Peixoto

Edital de Convocação 012/2019 da Secretaria de Educação e Cultura de Peixoto

access_time21/08/2019 11:10

EDITAL Nº 12/2019 - SEMEC PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO-PSS           A Prefeitura Munici

Para Putin, postura da Ucrânia representa ameaça de “guerra total”

Para Putin, postura da Ucrânia representa ameaça de “guerra total”

access_time29/11/2018 14:43

O presidente russo, Vladimir Putin, repetiu que as forças de Moscou cumpriram com o “seu dever” ao c

Mais de 4 toneladas de droga foram apreendidas na fronteira com a Bolívia em 2018, diz comandante-geral do Gefron

Mais de 4 toneladas de droga foram apreendidas na fronteira com a Bolívia em 2018, diz comandante-geral do Gefron

access_time27/02/2019 09:33

Mais de 4 toneladas de droga foram apreendidas na fronteira de Mato Grosso com a Bolívia em 2018, se

ESPORTE

Brasil garante vaga em sete finais do Mundial de Natação Paralímpica

access_time13/09/2019 14:44

Ao todo, dez nadadores brasileiros disputaram as provas eliminatórias nesta manhã (13), na piscina do Parque Olímpico de Londres, na Inglaterra. Sete deles asseguraram vaga nas finais que ocorrem esta tarde, a partir das 14h. A pernambuca Maria Carolina Santiago avançou à final dos 100m livre classe S12 (baixa visão) com o melhor tempo (59s81), oito décimos mais rápida que a segunda colocada, a russa Anna Krivshina (1m00s62). Outra brasileira, a paraense Lucilene Souza se classificou em quarto lugar (1min02s19) e também se garantiu na final. A final dos 50m livre classe S8 (lesão abaixo da L4, amputação acima dos dois  joelhos, amputação das duas mãos e diplegia leve) terá a presença do brasileiros Gabriel Cristiano que conseguiu a segunda melhor nota nas eliminatórias (27s06). A melhor foi do grego Dimosthenis Michalentzakis (26s59). A potiguar Cecília Araújo se garantiu na final feminina dos 50m livre classe S8, batendo novo recorde das Américas, cravando o tempo de 30s67. O melhor tempo foi da francesa Claire Supiot (30s56). Outros brasileiros também disputam as finais. Confira os horários abaixo: 14h49 - 50m livre (S8) - Gabriel Cristiano 14h53 - 50m livre (S8): Cecília Araújo 15h10 - 50m livre (S6): Laila Suzigan 15h47 - 100m livre (S12) - Lucilene Sousa e Maria Carolina Santiago 16h37 - 100m livre (S11): Wendell Belarmino e Matheus Reine Três medalhas no quarto dia de competições Nesta quinta-feira (12), a potiguar Edência Garcia, de 32 anos, brilhou na piscina de Londres: conquitou a medalha de ouro nos  50m costas classe S3 (lesão completa abaixo da vértera C7, ou incompleta abaixo da C6, e nadadores com quatro membros amputados),  se sagrando tetracampeã mundial  nessa prova. Edênia acumula os títulos mundiais em Mar Del Plata202, Durban 2006 e Eindhoven 2010, quando a brasileira ainda disputava pela classe S4. Em 2012, na Paralimpíada de Londres, na mesma piscina, a brasileira foi vice-campeã e ficou com a prata.  Natural de Campinas, Daniel Dias, conquistou ontem a segunda  medalha nesta edição do Mundial: bronze nos 50m borboleta classe S5 (lesão na medula abaixo da vértebra T1-8, acondroplasia ou hemiplegia). A quinta-feira também foi boa para a potiguar Joana Neves, a Joaninha, que chegou em segundo lugar nos 50m borboleta classe S5 para mulheres, conquistando a prata.  Joaninha já havia ganho um  bronze nesta Mundial.  O Brasil ainda teve grande chance de mais uma medalha no revezamento  4x100m mixto classe: após uma disputa acirrada, o quatetro brasileiro terminou na quarta posição. Até agora, o Brasil soma quatro medalhas de ouro, três de prata e três de bronze, totalizando 11. No quadro geral de medalhas, o Brasilç ocupa a sétima posição. Grã-Bretanha e Itáia lideram a competição.

Felipão é demitido do Palmeiras

access_time03/09/2019 08:59

Felipão não é mais o técnico do Palmeiras. No início da noite desta segunda-feira, a diretoria do clube se reuniu e optou pela demissão da atual comissão técnica, contratada em agosto do ano passado e que conquistou o Brasileirão de 2018. Mano Menezes, que deixou o Cruzeiro em agosto, é visto no clube como primeira opção para assumir o comando do Verdão. Luiz Felipe Scolari não participou do encontro com os dirigentes e recebeu a notícia de Alexandre Mattos, em sua casa em São Paulo. A pressão nos bastidores do clube aumentou após os resultados negativos recentes. Na terça-feira, o Verdão foi eliminado pelo Grêmio na Libertadores. No domingo, o time palmeirense perdeu por 3 a 0 pelo Flamengo, pelo Brasileirão. A derrota no Rio de Janeiro fez o Palmeiras aumentar para sete rodadas a sequência de jogos sem vitória no torneio nacional. Líder antes da Copa América, os alviverdes caíram para a quinta colocação. Deixam também o Verdão os auxiliares Paulo Turra e Carlos Pracidelli. Esta foi a terceira passagem de Felipão pelo Palmeiras. Ele conquistou a Copa do Brasil de 1998 e 2012, a Copa Mercosul de 1998, a Libertadores de 1999, o Torneio Rio-São Paulo de 2000 e o Brasileiro de 2018. Em 2018 e 2019, Scolari comandou o Verdão em 77 jogos, com 46 vitórias, 21 empates e 10 derrotas. No total, são 485 jogos pelo clube palmeirense, com 238 vitórias, 132 empates e 115 derrotas. Confira nota oficial do Palmeiras: A Sociedade Esportiva Palmeiras decidiu, no início da noite desta segunda-feira (2), encerrar o vínculo de trabalho com o treinador Luiz Felipe Scolari. Juntamente com ele, deixam os cargos os auxiliares Paulo Turra e Carlos Pracidelli. O clube reafirma seu respeito e admiração por toda a história do técnico Felipão no Palmeiras. Em relação a esta recente passagem, o Alviverde agradece por todo o trabalho e dedicação, que resultaram na conquista do Campeonato Brasileiro de 2018.

Confiança e estilo ofensivo: o que mudou no Cruzeiro entre as semifinais da Copa do Brasil

access_time03/09/2019 08:52

Com outro astral e mais confiante. É desta forma que o Cruzeiro chega para o jogo de volta da semifinal da Copa do Brasil, contra o Internacional, nesta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), no Beira-Rio, em Porto Alegre. A mudança teve início justamente após a Raposa perder o confronto de ida, no Mineirão, por 1 a 0, no dia 7 de agosto. Depois da partida, ainda no Mineirão, a diretoria cruzeirense comunicou a saída do técnico Mano Menezes. Alguns dias depois, o Cruzeiro anunciou a contratação de Rogério Ceni, que estava no Fortaleza. Em pouco tempo, o novo comandante promoveu mudanças significativas na forma de jogar, e as consequências foram positivas. O GloboEsporte.com lista alguns aspectos importantes que fazem o torcedor cruzeirense confiar numa reação, já que o Cruzeiro precisa vencer o Internacional por dois gols de diferença, para se classificar para mais uma decisão de Copa do Brasil - a terceira consecutiva. Triunfo cruzeirense leva a disputa da vaga para os pênaltis. Estilo ofensivo Nada de esperar e jogar em cima do erro do adversário. A chegada de Rogério Ceni trouxe ao Cruzeiro uma postura ofensiva. Isso, levando-se em conta todos os cuidados defensivos, casa bem com a necessidade que o time tem de vencer o Internacional no Beira-Rio. Desde que assumiu a equipe, Ceni tem treinado muito a saída de bola em velocidade do setor defensivo, toques rápidos entre os jogadores e apostado nas finalizações, que aumentaram muito sob a batuta do ex-goleiro. Atacantes na rede! Antes mesmo da chegada de Rogério Ceni, no empate em 2 a 2 com o Avaí, em Florianópolis, quando o Cruzeiro foi comandado por Ricardo Resende, treinador da equipe sub-20, os atacantes cruzeirenses fizeram as pazes com o gol. O jejum do setor ofensivo durava oito partidas. Contra o Avaí, Pedro Rocha e Sassá fizeram os gols. Já com Ceni, o time balançou as redes em todos os jogos, e os atacantes também marcaram presença em dois dos três jogos, ambos com Fred, que fez um na vitória de 2 a 0 sobre o então líder do Campeonato Brasileiro, o Santos, e um no empate em 1 a 1 com o CSA, em Maceió. Thiago Neves marcou contra o Santos. Resgate das referências Peças principais do time, que não vinham bem sob o comando de Mano Menezes, voltaram a se destacar com Rogério Ceni. São os casos do meia Thiago Neves e do atacante Fred. O camisa 9 acabou com um jejum de 16 partidas sem marcar gol e deixou sua marca em dois jogos, sendo que foi titular apenas contra o CSA. Já TN10, que não fazia gol havia seis jogos, marcou diante do Santos e retomou a confiança para liderar a equipe cruzeirense. Jovens valores Está certo que alguns casos foram por força maior, como os zagueiros Fabricio Bruno e Cacá, que ganharam oportunidades por causa das condições físicas de Dedé e Léo, mas os jovens também ganharam espaço com Rogério Ceni. Fabricio Bruno fez dupla titular com Dedé na partida contra o Santos. No segundo tempo, Dedé deu lugar a Cacá. Contra o CSA, com "o Mito" vetado, os dois jovens zagueiros atuaram juntos desde o início. Diante do Vasco, ainda sem Léo, Fabricio Bruno e Dedé voltaram a jogar juntos. Quem também tem ganhado chances é o meia David, que foi titular nos três jogos sob o comando de Ceni. A característica de velocidade do jogador é um ponto que agrada ao treinador. Além dele, o jovem Mauricio, de 18 anos, entrou contra o Vasco e fez o gol da vitória da Raposa. Fááááááábio! Se o camisa 1 já tinha a confiança do torcedor e da comissão técnica, ela ainda passou a ser maior pelo pênalti - mais um - defendido por Fábio na vitória de 1 a 0 sobre o Vasco, no domingo, no Mineirão. Quando o jogo estava empatado em 0 a 0, Yago Pikachu cobrou a penalidade, que ele mesmo sofreu, e o goleiro cruzeirense fez grande defesa. Vale lembrar que o bom retrospecto de Fábio em penalidades é trunfo cruzeirense, caso o time vença o Internacional por um gol de diferença e leve a disputa da vaga para os pênaltis.

Em Lima, Brasil bate recorde histórico com 308 medalhas

access_time02/09/2019 09:52

Disputado oficialmente desde 1999, os Jogos Parapan-americanos têm agora o Brasil como o dono da melhor campanha de todos os tempos: 308 medalhas, 124 ouros, 99 pratas e 85 bronzes. Essa é a quarta vez seguida que a delegação verde e amarela lidera o quadro de medalhas. A marca anterior era do México, que em casa na primeira edição, havia conquistado 307 pódios (121 ouros, 105 pratas e 81 bronzes). “A nossa meta interna no Comitê sempre foi superar os números de Toronto. Não só em medalhas, mas queríamos estar em mais finais, trazer a maior delegação, ter mais mulheres, contar com o maior número possível de atletas de classes baixas. Sempre apostando muito nos jovens. E acho que tudo isso foi alcançado”,  disse Alberto Martins, diretor técnico e chefe da missão brasileira em Lima.  A delegação brasileira ultrapassou a marca de medalhas de ouro quando Evelyn Oliveira, Mateus Carvalho e Antônio Leme, na classe BC3 da bocha, superaram o time canadense na final por 4 a 3.  Lauro Chaman, do ciclismo, bateu o recorde total de pódios. Na prova de resistência C4-5, ele foi o mais rápido completando os 80 km em 2h17m43. Destaques Quase metade das medalhas brasileiras veio das piscinas. A equipe da natação ficou com 127 conquistas, sendo 53 ouros. Há quatro anos, em Toronto, o Brasil conseguiu 104 medalhas, sendo 38 ouros. No Halterofilismo, o Brasil também liderou com folga o quadro de medalhas. Foram 16 medalhas, sendo seis ouros. Em Toronto, o Brasil ganhou oito medalhas na modalidade.  “ A natação superou muito as nossas expectativas. Já esperávamos bastante. Mas ficou acima do que queríamos. O Halterofilismo tem uma regra muito confusa. É difícil haver uma unanimidade entre os árbitros. Há sempre uma interpretação. Por isso, acho que os nossos atletas foram muito bem. Projeção para Tóquio 2020 Segundo o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), a delegação brasileira em Tóquio, nos Jogos Palalímpicos, terá entre 350 e 400 pessoas, sendo aproximadamente 250 atletas. “Ainda é bastante cedo para termos uma meta de resultados. Precisamos esperar os Mundiais de natação, agora em setembro, de Atletismo, no final do ano, e os próximos até Tóquio para podermos delimitar melhor os nossos adversários. Mas, é claro que a China é fortíssima. Rússia voltando é uma forte candidata à um posto no Top 5. Canadá e Estados devem ir com delegações bem diferentes dessas que estiveram aqui em Lima. Serão fortes rivais”, projeta Alberto Martins.  Nos Jogos do Rio de Janeiro em 2016, o Brasil finalizou a sua participação em oitavo, com 72 medalhas (14 ouros). Entre vários outros, um ponto é observado com muita atenção pela equipe multidisciplinar brasileira: as medalhas de prata. “ Saímos de Lima com 99 pratas. Foram ocasiões nas quais ficamos muito perto do ouro. Queremos entender quais os detalhes que faltaram. E temos gente trabalhando para descobri-los”, completa o dirigente. Mizael Conrado e a homenagem a André Brasil “ Foi uma campanha memorável do Brasil, em um dos Parapan-americanos mais difíceis de todos os tempos,” disse o presidente do CPB, Mizael Conrado. Em meio às comemorações, o dirigente fez questão de lembrar de um personagem do paradesporto nacional, o nadador André Brasil ( dono de 14 medalhas em Jogos Paralímpicos e quatro recordes mundiais ), que foi considerado inelegível pelo Comitê Paralímpico Internacional em abril desse ano. “ Por conta de um processo truculento, ele não pôde estar aqui. Mas estamos com ele. O talento dele, com certeza, contribuiu para que o paradesporto chegasse nesse nível. Um pedacinho de cada uma dessas medalhas também é dele.”

Brasil estreia na Copa do Mundo de Basquete vencendo Nova Zelândia

access_time01/09/2019 11:19

A seleção brasileira masculina de basquete venceu a Nova Zelândia neste domingo (1) por 102 a 94 e estreou com o pé direito na Copa do Mundo de Basquete, disputada na China. Diante de um time bastante rápido, o Brasil sofreu no início do jogo, mas contou com grandes atuações dos veteranos convocados pelo técnico Aleksandar Petrovic para deslanchar no terceiro quarto e conquistar um importante triunfo para a sequência do torneio. Leadrinho, cestinha com 22 pontos, e Alex, com 12 pontos dos 14 pontos anotados no jogo no terceiro quarto, vencido pelo Brasil por 28 a 12, foram os principais nomes da seleção brasileira na estreia. Também se destacaram Marquinhos, que fechou o duelo com 12 pontos, e Cristiano Felício, que contribuiu com 7 pontos e 13 rebotes, e Rafa Luz, bastante consistente, que anotou outros 15 pontos. Próximo adversário é a Grécia O Brasil terá pela frente na segunda rodada a Grécia, de Giannis Antetokounmpo, um dos principais astros da NBA, que enfrenta a seleção de Montenegro ainda hoje. As quatro seleções compõem o grupo F. Para avançar à próxima fase da Copa do Mundo de Basquete, o Brasil precisa ficar entre os dois primeiros da chave. No entanto, o principal objetivo da seleção é conquistar uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2020. Vaga para Tóquio 2020 A Copa do Mundo de Basquete, agora disputada por 32 países, distribui sete vagas para Tóquio. Para carimbar passagem para o Japão, os comandados de Petrovic precisam ser no mínimo a segunda melhor seleção das Américas no torneio. Estão na China, além do Brasil, Estados Unidos, Argentina, Porto Rico, Venezuela, República Dominicana e Canadá.

Brasil fecha individual do tênis de mesa com 19 medalhas; 5 ouros

access_time26/08/2019 07:15

Cinco vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e 19 medalhas. Esse é o saldo do tênis de mesa brasileiro nas disputas individuais dos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019. Dos 30 integrantes da equipe brasileira, mais de 60% deles subiram ao pódio, nesta primeira parte das competições. Os torneios de equipes começam hoje (25). As medalhas de ouro, o grande objetivo, já que colocam os mesatenistas nos Jogos de Tóquio. E vieram em cinco classes: SM7, com Paulo Salmin; SF4, com Joyce Oliveira; SF8-10, com Danielle Rauen; SM10, com Carlos Carbinatti e, SM8, com Luiz Filipe Manara. Família Manara em festa com bicampeonato A final da classe SM 8 contra Steven Roman, da Costa Rica, foi o jogo mais difícil dos cinco que o paulista Luiz Manara fez até chegar ao bicampeonato. “Nunca tinha estado em um mesmo campeonato que ele. São saques muito eficientes e bolas com muito efeito. Consegui jogar em um nível bem alto que há bastante tempo eu não jogava “, comemora o campeão. A vitória final por 3 sets a 1 foi acompanhada por um ginásio praticamente lotado na Vila Desportiva Nacional, em Lima. Em muitos momentos do jogo, só se ouviam gritos e comemoração de um casal. O pai do atleta, Luiz Carlos Manara, e a mãe, Eliana Ester Manara. “O coração está a mil. A gente acompanha o “Manara” há muito tempo. Estivemos em Toronto, quando ele ganhou dois ouros, nos Jogos do Rio, e agora aqui, em Lima. Foi uma felicidade imensa. Nós somos uma família muito unida, tenho dois filhos. Todo pessoal lá da nossa cidade está torcendo por ele”, diz a mãe, orgulhosa. “As vitórias são sempre sofridas, no sufoco. Mas nós sabemos que ele sente muito mais tranquilo e confiante com a gente aqui por perto”, completa o pai, Luiz Carlos. “As minhas vitórias, o meu empenho e toda a minha dedicação vão ser sempre para eles; meus pais merecem demais. Talvez até mais do que eu”, agradece o bicampeão, Manara. Depois do ponto final e da tão esperada vitória, Manara pulou as placas publicitárias e foi direto abraçar os pais, pegar uma bandeira e partir para inflamar a parte da arquibancada que ficou sensibilizada com a garra e dedicação do brasileiro. “É totalmente espontânea a festa. Quando eu ganhei em Toronto já queria muito ter ido lá, abraçar meus pais. Só que, lá naquele no momento, acabou não acontecendo. Mas, hoje, estar aqui, poder abraçar meus pais e fazer essa festa foi demais.” A mãe do atleta destacou a união dos demais membros da seleção brasileira. “Todos que acabaram ficando pelo caminho no torneio estavam lá e fizeram parte dessa festa.” Deficiência e apoio familiar Devido à falta de oxigenação no cérebro durante o parto, o Luiz Felipe Manara teve com dificuldades de movimentação no lado direito do corpo. O tênis de mesa surgiu na vida dele como forma de fisioterapia, após duas cirurgias. Depois dos Jogos do Rio de Janeiro, o garoto acabou não conseguindo se manter na Seleção Brasileira. Chegou até a pensar em parar de praticar a modalidade. Mas o apoio familiar foi mais forte. “Eles sempre fizeram tudo por mim. Ano passado, eu decidi voltar a treinar forte e tentar a vaga na seletiva brasileira. A minha mãe e o meu pai me deram total apoio e hoje estou aqui festejando com eles”, lembrou. Em São Paulo, em dezembro passado, durante a Seletiva, Manara precisou ser o primeiro para se garantir no Parapan. E o que o pai do garoto fez? Incentivou. “Ele tinha que ser o melhor entre todos os atletas da classe 8 no Brasil. Mas uma das coisas que a gente sempre fala para ele é que quem quer ser campeão tem que ganhar de todo mundo.” E foi isso que ele fez em São Paulo, na Seletiva, e agora, em Lima. O ouro nos Jogos Parapan-americanos colocou o Luiz Manara na segunda Paralimpíada. E fez os pais começarem a mudar de ideia sobre qual vai ser o próximo destino da próxima viagem do casal. “Não sei, vamos ver. Talvez no ano que vem a gente vá mais longe ainda. Estou começando a pegar o “gostinho””, projeta Eliana. O pai confirma: “desde que a gente veio para cá, ela estava falando que não iria para Tóquio. E agora já até postou Rumo a Tóquio, no Facebook.”

Bruno Henrique faz dois e Flamengo vence o Inter pela Libertadores

access_time21/08/2019 22:36

A torcida do Flamengo lotou o Maracanã, nesta quarta (21) para o primeiro jogo diante do Internacional pelas quartas de final da Conmebol Libertadores e saiu feliz. A equipe carioca bateu os gaúchos por 2 a 0 e agora decide a vaga na próxima semana (28) jogando no Beira Rio, em Porto Alegre. A vantagem do fator campo e torcida foi fundamental para a vitória flamenguista, que foi embalado por milhares de vozes nos 90 minutos da partida. O Flamengo fez jogo de cena durante a semana, na tentativa de ludibriar o técnico Odair Hellmann, do Inter. Os jogadores Gabriel Barbosa, o Gabigol, e o meia uruguaio Arrascaeta foram dados como fora de jogo. Gabriel devido um problema na coxa esquerda. Já Arrascaeta teria sido acometido por uma virose. Quando as escalações foram passadas, ambos estavam lá, titulares como sempre foram.  O Flamengo, como dono da casa, saiu para cima do Inter e fez a proposta de jogo. Primeiro, explorou o lado esquerdo do seu ataque, buscando triangulações entre Filipe Luiz, Arrascaeta e Bruno Henrique, um lado esquerdo forte. Mas por ali o Inter era forte com o lateral direito Bruno e o zagueiro Rodrigo Moledo caindo por aquele setor. As melhores chances para o Flamengo só surgiram quando o time passou a explorar o lado direito do seu ataque, com as subidas de Rafinha, Gabriel e Bruno Henrique. Aos 18min, a primeira chance para o Rubro-Negro. Bruno Henrique evoluiu pelo meio e bateu forte obrigando o goleiro Marcelo Lomba, do Inter, a botar para escanteio. Aos 28min, novamente Bruno Henrique, agora num cabeceio e com nova defesa de Lomba. Quase ao final do primeiro tempo, Gabriel ficou sozinho à frente de Marcelo Lomba, mas errou o chute. O Flamengo veio para a segunda etapa com a mesma proposta de jogo: tentar acuar o Inter. Jorge Jesus tirou Arrascaeta de campo para a entrada de Gerson, também um bom condutor de bola, mas que joga em mais velocidade. Mas a equipe gaúcha passou a jogar marcando a saída de bola do Flamengo, a tão conhecida marcação alta. Isso poderia expor o Inter a contra-ataques, mas também dificultava para os cariocas, que tinham dificuldade para evoluir com a bola dominada. E a marcação alta do Inter foi funbdamental para o Flamengo construir sua vitória. Em dois contra-ataques, o primeiro pela esqwuerda com Everton Ribeiro, ele enxergou Bruno Henrique entrando. O atacante só teve o trabalho de tocar no canto direito de Marcelo Lomba aos 30min: 1 a 0. Aos 33min, novamente Bruno Henrique, que recebeu, envolveu a zaga do Colorado e  tocou, novamente, no canto direito de Marcelo Lomba: 2 a 0.  FICHA TÉCNICA FLAMENGO 2 X 0 INTERNACIONAL Local: Estádio Mário Filho (Maracanã), Rio de Janeiro (RJ) Data: 21/08/2019 Árbitro: Roberto Tobar (CHI) Assistentes:  Christian Schiemann (CHI) e Claudio Rios (CHI) VAR: Julio Bascunan (CHI) Cartões amarelos: Guerrero, Patrick, Willian Arão  Cartões vermelhos: Gols: Bruno Henrique, aos 30min e aos 33min do segundo tempo. FLAMENGO: Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Mari e Filipe Luiz; Willian Arão, Cuellar e Arrascaeta (Gerson); Everton Ribeiro, Bruno Henrique (Pires da Motta) e Gabriel Barbosa. Técnico: Jorge Jesus.  INTERNACIONAL:  Marcelo Lomba; Bruno, Victor Cuesta, Rodrigo Moledo e Uendell; Rodrigo Lindoso, Edenilson e Patrick;  D´Alessandro (Nico Lopes), Rafael Sobis (Wellington Silva) e Guerrero. Técnico: Odair Hellmann. Público: 66.366 Renda: R$ 4.758.998,75

No Maracanã, Flamengo e Inter iniciam disputa por vaga na semi da Libertadores

access_time21/08/2019 16:37

Flamengo e Internacional se enfrentam nesta quarta-feira, às 20h30 (de Mato Grosso), no Maracanã, no Rio de Janeiro, pelo confronto de ida das quartas de final da Copa Libertadores. O Rubro-Negro sofreu para eliminar o Emelec do Equador na etapa anterior, com os dois times trocando triunfos de 2 a 0 como mandantes, o que forçou uma definição por pênaltis. Já o Colorado não teve grandes sustos diante do Nacional, ganhando por 1 a 0 no Uruguai e por 2 a 0 no Rio Grande do Sul. A temporada dos dois times tem sido positiva. No Brasileirão, por exemplo, o Flamengo é o vice-líder com 30 pontos e briga pelo caneco. O Colorado, com 24 pontos, também não está longe do páreo e também é semifinalista da Copa do Brasil. Em termos de escalação o Flamengo vai manter a base que vem atuando, mas ganhou um desfalque importante. O atacante Gabigol, artilheiro da equipe em 2019, não se livrou das dores na coxa esquerda que o fizeram deixar o campo na partida do último sábado contra o Vasco, e foi vetado para o confronto desta quarta. Orlando Berrío é o mais provável substituto de Gabigol nos 11 iniciais. Outra possibilidade é a volta de Everton Ribeiro aos titulares, com Bruno Henrique atuando mais centralizado. O meia-atacante, entretanto, ainda não se encontra 100% em função de dores no pé esquerdo. Outra possibilidade é a volta de Everton Ribeiro aos titulares, com Bruno Henrique atuando mais centralizado. O meia-atacante, entretanto, ainda não se encontra 100% em função de dores no pé esquerdo. Já o lateral Rafinha, que cumpriu suspensão contra o Vasco no último sábado, retorna ao time no lugar de Rodinei. Já o técnico Odair Hellmann, tem apenas uma dúvida que se localiza no meio-campo. Sem contar ainda com Edenílson, Nonato e Bruno Silva concorrem por uma vaga no time titular. Recuperado de lesão no tornozelo, o volante Rodrigo Lindoso retoma a titularidade. A partida marcará o reencontro do centroavante Paolo Guerrero com a torcida do Flamengo no Maracanã. Os torcedores vermelhos já esgotaram a sua cota de ingressos para o duelo de amanhã. Fora de casa na edição desta temporada no torneio, os gaúchos em quatro jogos venceram três e empataram uma vez. O confronto de volta entre as duas equipes, na Arena Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), será na quarta-feira da próxima semana. O classificado fará uma semifinal brasileira contra o vitorioso do embate entre Grêmio e Palmeiras. FICHA TÉCNICA FLAMENGO X INTERNACIONAL Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ) Data: 21 de agosto de 2019 (Quarta-feira) Horário: 20h30 (de Mato Grosso) Árbitro: Roberto Tobar (Chile) Assistentes: Christian Schiemann (Chile) e Claudio Rios (Chile) FLAMENGO: Diego Alves, Rafinha, Thuler, Pablo Marí e Filipe Luís; Gustavo Cuéllar, Willian Arão, Gerson e De Arrascaeta; Bruno Henrique e Orlando Berrío (Everton Ribeiro) Técnico: Jorge Jesus INTERNACIONAL: Marcelo Lomba, Bruno, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Uendel, Rodrigo Lindoso, Nonato (Bruno Silva), D´Alessandro e Patrick, Nico López e Paolo Guerrero Técnico: Odair Hellman

Palmeiras vence o Grêmio em Porto Alegre e fica perto das semifinais da Libertadores

access_time21/08/2019 00:13

Quase lá O Palmeiras deu nesta terça-feira um importante passo para chegar às semifinais da Copa Libertadores. Com um golaço de Gustavo Scarpa no primeiro tempo e um jogador a menos desde os 31 minutos da etapa final (Felipe Melo foi expulso), o Verdão venceu o Grêmio por 1 a 0, na Arena, em Porto Alegre, e agora joga por um empate na próxima terça, às 20h30, no Pacaembu, para ficar com a vaga. O vencedor deste confronto enfrenta Flamengo ou Internacional. O que o Grêmio precisa? O Tricolor terá de vencer em São Paulo. Se conseguir devolver o placar (1 a 0), a decisão será nos pênaltis. Uma vitória marcando dois ou mais gols (2 a 1 ou 3 a 2, por exemplo) dá a vaga aos gaúchos. Veja aqui a tabela e faça as contas no Simulador da Libertadores! Primeiro tempo Empurrado pela torcida, o Grêmio tentou sufocar desde o início da partida, mas encontrou um Palmeiras bem posicionado na defesa. Everton foi seguido de perto por Dudu e pouco apareceu. O máximo que o Tricolor conseguiu foi um chute de longe sem grande perigo de Jean Pyerre, aos sete minutos. O Verdão começou bem, com Dudu perdendo boa chance aos quatro minutos, mas o excesso de passes errados atrapalhou. O gol alviverde saiu aos 30 em cobrança de falta de longa distância. E que golaço! Marcos Rocha ajeitou, e Gustavo Scarpa acertou um lindo chute no ângulo esquerdo de Paulo Victor. Os gremistas voltaram a insistir, controlaram o jogo, mas sem assustar. Nos minutos finais, time e torcida reclamaram de dois pênaltis: um de Diogo Barbosa em Alisson e outro após a bola tocar no braço de Luan na área. Em ambos, o árbitro Patricio Lostau ignorou. Scarpa festeja o golaço no primeiro tempo (Foto: Wesley Santos/Agência PressDigital)   Segundo tempo O Palmeiras ficou muito perto de aumentar a vantagem no início da etapa final. Dudu, de cabeça, exigiu ótima defesa de Paulo Victor – Luan não conseguiu completar. No lance seguinte, também pelo alto, Luiz Adriano desviou com perigo. O Grêmio mostrou nervosismo para reagir. A entrada de Diego Tardelli no lugar de André em nada alterou a força ofensiva. O time voltou a concentrar seu jogo em Everton. Aos 23, ele recebeu nas costas da defesa e chutou fraco para Weverton pegar. O Verdão ganhou velocidade com Carlos Eduardo na vaga de Luiz Adriano. Em passe dele, aos 30, Dudu carimbou a trave. No minuto seguinte, Felipe Melo cometeu falta em Luciano e, como já tinha amarelo, recebeu o cartão vermelho. Os gremistas foram para cima. Jean Pyerre, aos 40, bateu perto, à esquerda. O time pressionou, rondou a área insistentemente, mas os palmeirenses se fecharam muito bem e garantiram a vitória fora de casa. É Libertadores? Chama o Scarpa! O meio-campista marcou nesta terça seu sexto gol (um golaço, na verdade) em sete partidas pelo Palmeiras na competição deste ano. Ele é também agora o artilheiro do torneio, ao lado de Marco Rúben, do Athletico, e o goleador do Verdão na temporada, com dez, um acima de Dudu. Felipe Melo é expulso e chora O volante recebeu o cartão vermelho no segundo tempo após uma falta em Luciano. Ele já havia levado o primeiro amarelo na etapa inicial ao cometer uma infração em Jean Pyerre. O jogador chorou ainda no gramado, foi consolado pelos companheiros, mas, após a partida, disse não concordar com a decisão do árbitro. Felipe Melo chora ao ser expulso contra o Grêmio (Foto: Vinícius Costa/BP Filmes)

Grêmio e Palmeiras iniciam duelo de técnicos gaúchos nas quartas da Libertadores

access_time20/08/2019 15:31

Os dois times brasileiros de melhor campanha na última Copa Libertadores e colecionadores de títulos nos últimos anos iniciam nesta terça-feira, às 21h30, em Porto Alegre, um confronto direto para saber quem tem o treinador mais "copeiro" e o elenco mais competitivo do Brasil. Grêmio e Palmeiras fazem pelas quartas de final do torneio continental um confronto entre técnicos especialistas em Libertadores. Único brasileiro a ganhar a competição como jogador e como treinador, o gremista Renato Portaluppi, o Renato Gaúcho, terá como adversário o conterrâneo mais experiente na história do torneio. Bicampeão da Libertadores com títulos pelo Grêmio (1995) e Palmeiras (1999), Luiz Felipe Scolari é o técnico brasileiro com mais jogos pela competição. São 72 compromissos em sete edições. Dono de 22 títulos em torneios mata-mata, Felipão terá um rival acostumado a competições nesse formato. Apenas nessa atual passagem pelo Grêmio, Renato Gaúcho conquistou taças como a Copa do Brasil, a Libertadores e a Recopa Sul-Americana. Semifinalistas em 2018, Grêmio e Palmeiras também definem em Porto Alegre e na semana seguinte no Pacaembu qual é o time brasileiro de maior poderio recente na Libertadores. Os gaúchos podem chegar pela terceira vez seguida entre os quatro melhores, enquanto o clube paulista busca atingir esta etapa pelo segundo ano consecutivo, após ter feito nessas temporadas a melhor campanha da fase de grupos. O Grêmio, último brasileiro a conquistar uma Libertadores, em 2017, e o Palmeiras, campeão nacional em 2016 e 2018, apostam em elencos badalados para avançar. O clube gaúcho tem, por exemplo, o zagueiro Geromel, convocado por Tite para a última Copa do Mundo, e o atacante Éverton, em alta após se destacar pela seleção brasileira na Copa América. O Palmeiras, reforçado nos últimos anos por contratações caras, confia no ex-gremista Dudu e no bom momento do goleiro Weverton, chamado para defender a seleção brasileira nos próximos amistosos. "Ser lembrado num momento tão especial como esse prova que o trabalho que venho fazendo todos os dias está sendo visto", disse. Apesar de os dois times terem se enfrentado no sábado, pelo Campeonato Brasileiro, e na mesma Arena do Grêmio, a partida pela Copa Libertadores deve ser bem diferente. Os treinadores pouparam os titulares e nos últimos dias fizeram mistério. O Grêmio não escalou desde o início Geromel e Éverton para evitar o desgaste. O Palmeiras fez o mesmo. O atacante Luiz Adriano só viajou na segunda-feira a Porto Alegre para participar da partida pela Libertadores, assim como Willian. A equipe de Felipão levou também o volante Jean para ficar como reserva na lateral direita. O clube perdeu opções para a posição recentemente com a lesão de Mayke e a saída de Fabiano para o Boavista, de Portugal - Marcos Rocha será o titular nesta terça-feira.